Mercado

Mercados financeiros hoje: no Brasil, foco é a pauta econômica no Congresso

No exterior, investidores mostram cautela antes de discursos de dirigentes do Fed

Imagem do plenário do Senado Federal, com painel de votação e carpete azul
O Congresso Nacional Nacional é dividido em duas Casas: ao Senado Federal e a Câmara dos Deputados. Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

Por Redação B3 Bora Investir

Os investidores têm uma agenda carregada para acompanhar nesta terça-feira, com destaque para a ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) da semana passada. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, fará palestra no Brasil Investment Forum (BIF 2023). O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, falará em fórum do Bradesco Asset Management, e o diretor de Política Monetária, Gabriel Galípolo, em evento do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis (Sescon), ambos em São Paulo.

+ Teve prejuízos por causa do apagão? Veja o que fazer

Arezzo, Iguatemi, Rede D’Or são algumas empresas que publicam balanços. A Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso deve votar o relatório preliminar da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2024 e a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o parecer da reforma tributária.

Dados da balança comercial dos EUA e a participação de cinco dirigentes do Federal Reserve (fed, o banco central americano) e de quatro do Banco Central Europeu (BCE) em eventos podem ainda trazer pistas sobre o rumo das políticas monetárias respectivas.

No exterior, investidores ajustam posições após queda do petróleo

Sinais negativos marcam a manhã nas bolsas europeias e entre os índices futuros em Nova York, após seis pregões positivos em Wall Street, diante do recuo dos juros dos Treasuries e persistente avanço do dólar frente moedas rivais.

+ Gestoras veem cenário positivo para bolsa no Brasil

Os investidores ajustam posições diante da queda de cerca de 2% do petróleo em meio a preocupações com a demanda na esteira dos dados fracos de exportações da China em outubro. Embora as importações tenham vindo melhores que o esperado, as exportações chinesas caíram 6,4% em outubro, na comparação anual, bem pior do que a previsão de queda de 3,7% e também da perda anual de 6,2% em setembro.

Na Europa, o tom defensivo de ontem se mantém, enquanto investidores avaliam balanços da região, como o do banco suíço UBS, que reportou prejuízo, e dados fracos da produção industrial na Alemanha e o avanço acima do esperado da inflação ao produtor (PPI) na zona do euro. No radar estão ainda os comentários de vários dirigentes do BCE e do Fed, quase uma semana depois de o BC americano deixar seus juros inalterados pela segunda vez seguida, além de dados da balança comercial e crédito ao consumidor americano.

No Brasil, mercado acompanha andamento da pauta econômica

A cautela moderada no exterior e a queda do petróleo devem afetar os ajustes na abertura local, mas a melhora das importações na China é boa notícia para os exportadores brasileiros de produtos básicos.
A Bolsa local deve ser movimentada ainda por vários balanços corporativos, como os da Gerdau e Itaú Unibanco, divulgados ontem à noite.

+ PMI composto do Brasil sinaliza leve expansão da atividade em outubro

A queda dos rendimentos dos Treasuries pode aliviar a curva de juros em meio à leitura da ata do Copom, que deve balizar ainda os negócios, com as atenções voltadas às perspectivas do colegiado sobre o cenário fiscal, diante da possibilidade de alteração da meta para o resultado fiscal de 2024, a inflação e o quadro internacional.

No câmbio, a valorização externa do dólar pode limitar reação positiva ao aumento das importações chinesas.

O andamento da pauta econômica no Congresso é aguardado também e pode animar, se houver avanço nas votações. A Comissão Mista de Orçamento (CMO) reúne-se hoje para votar o relatório preliminar da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2024.

+ Viver de renda: como se organizar para receber R$ 7 mil mensais

A meta fiscal na LDO de 2024 se tornou um dos principais assuntos da política e da economia depois de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) dizer em público que o objetivo não precisaria ser o de déficit zero – ideia defendida pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

Em relação à votação do parecer da reforma tributária na CCJ, o líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA), disse que o relator da reforma tributária, Eduardo Braga (MDB-AM) acatará de sete a nove novas emendas no texto. Segundo o petista, porém, essas alterações não incluirão novas exceções ou benefícios nas regras sobre impostos.

*Agência Estado

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias