Notícias

Nova regra fiscal fica para abril e decepciona mercado; Copom decide Selic hoje

Para Lula não seria prudente apresentar plano e viajar para China. Simone Tebet comentou que se arcabouço fiscal for ‘bom’ juros podem cair daqui a 45 dias. Haddad fala em regra de transição

Regra fiscal. Foto: Adobe Stock
Nova regra fiscal pode arrefecer a instabilidade nos mercados. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

O mercado financeiro trabalha hoje em compasso de espera para as decisões de política monetária no Brasil e nos Estados Unidos. Por aqui, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) frustrou a expectativa dos investidores ao afirmar que as novas regras fiscais só serão apresentadas após retorno da viagem que faz à China, de 26 a 31 de março.

Em entrevista ao portal Brasil 247, Lula afirmou que não seria prudente anunciar o arcabouço e viajar para a China. Disse ainda que o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, precisa debater com vários setores depois que o novo arcabouço fiscal se tornar público.

“O Haddad não pode comunicar uma coisa e sair. Percebe? Seria estranho. Ele tem que anunciar e ficar aqui para debater, para responder, para dar entrevista, para conversar com o sistema financeiro, com a Câmara, com o Senado, com outros ministros, com empresários.”

Em relatório, os economistas da LCA Consultores afirmaram que o adiamento da apresentação da proposta para abril decepcionou os investidores, após a receptividade positiva dos ministros da área econômica em relação ao texto.

“Não descartamos o risco de vazamentos de detalhes da proposta da Fazenda o que resultaria em críticas dos partidos de esquerda, a começar pelo próprio PT. Nesse caso, as chances de desidratação da proposta aumentariam”, explicam no documento.

Para o economista-chefe da Integral Group, Daniel Miraglia, o adiamento do anúncio não terá grandes impactos na decisão de hoje do Comitê de Política Monetária (Copom) sobre a taxa básica de juros.

“Há muita especulação em torno desse arcabouço fiscal. Então ele pode ser tanto positivo quanto negativo. O mercado não sabe qual é a regra e nem de onde vai sair o dinheiro para aumentar [os gastos] com saúde e educação – seguimos na incerteza. Portanto, na nossa visão, o Copom deve ser hoje bem técnico e não deve sinalizar quando que vai vir o corte na Selic esse ano”.

O Comitê do Banco Central deve manter a taxa básica de juros estável em 13,75% ao ano. Sem a apresentação do novo arcabouço fiscal, os holofotes se voltam para a piora das expectativas de inflação, a escalada nos riscos de crédito e turbulências no setor bancário global.

Regra de transição para saúde e educação

O presidente Lula tem cobrado a equipe econômica para que a nova regra fiscal não impacte nos recursos para saúde e educação. Nesta quarta-feira, 22/03, Haddad afirmou que a transição do teto de gastos para o novo arcabouço fiscal prevê a “reposição” de recursos para as duas pastas.

“Estamos saindo de uma regra muito rígida, que retira muitos recursos da saúde e da educação. Precisamos imaginar uma transição para o novo arcabouço que contemple a reposição das perdas dos dois setores”, disse na saída do Ministério da Fazenda.

Fernando Haddad também comentou que os técnicos já terminaram de ajustar ‘os detalhes’ pedidos por Lula e se disse tranquilo em relação às mudanças. “Isso não prejudica em nada o cronograma. O mais importante é o governo estar unido em torno de uma proposta.”

A equipe de Haddad também trabalha em uma nova legislação para as parceria público-privadas (PPP) – que pode ser apresentada junto com o arcabouço. O ministrou afirmou que pediu ao Tesouro Nacional para ‘acelerar’ as alterações necessárias. O objetivo é apresentar a proposta também em abril.

O futuro dos juros com o novo arcabouço fiscal

Diante do adiamento da apresentação das novas regras para as contas públicas, a ministra do Planejamento e Orçamento, Simone Tebet, avaliou que, se o novo arcabouço fiscal for “bom”, a Selic pode recuar já na reunião do Copom de maio. A declaração foi dada hoje à rádio Capital, do Mato Grosso do Sul.

“Se for um bom arcabouço, vai permitir que, na próxima reunião do Copom, daqui a 30, 45 dias, os juros possam começar a cair e significa que tudo vai ficar mais barato na vida das pessoas. Preço dos produtos, do supermercado, tendem a cair, e aqueles que precisam de empréstimo, agronegócio, comércio, vão pegar a juros mais baratos, investir mais, a economia vai crescer, gerar mais empregos”, disse.

Tebet pontou que para os juros caírem, é preciso fazer o dever de casa com a contenção de gastos e diminuição da dívida pública. A ministra não deu detalhes sobre a proposta, mas explicou que as novas regras vão olhar para o lado da despesa, uma vez que não se gaste mais do que é arrecadado.

“Ninguém pode gastar mais o que recebe. Se entrar no cheque especial, não consegue sair e o cartão de crédito é proibitivo. Só em caso de necessidade. É o que o país faz, não dá conta, não consegue. Hoje gasta muito, gasta mal e gasta mais do que arrecada”, concluiu.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.