Notícias

Passagens aéreas mais baratas derrubam inflação das férias de inverno em 10,63%

Preços dos produtos mais consumidos na época mais fria também tiveram deflação em 12 meses. Exceção fica por conta da erva mate, gás encanado, roupas de inverno e remédios

Avião da Azul decola do aeroporto de Congonhas, em São Paulo, e passa por cima de avenida
Aeronave da Azul decolando do aeroporto de Congonhas, em São Paulo. Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

O período de férias de inverno, principalmente com a criançada toda sem aulas, é um convite para a alta dos gastos. A boa notícia é que os preços dos produtos e serviços dessa cesta de consumo estão mais baratos neste ano.

Um levantamento do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV IBRE) mostrou que os seis itens que compõem a cesta das férias de inverno tiveram uma deflação de 10,63% nos últimos doze meses.

O resultado veio bem abaixo da inflação geral medida pelo IPC-DI, que ficou em 2,23%, e do mesmo período do ano passado, quando os preços estavam 57,1% mais caros.

A queda de 21,13% nas passagens de avião em doze meses teve o principal impacto sobre essa cesta de consumo. De 2021 para 2022, os preços mais do que dobraram e acumularam, na época, avanço de 143,72%. Ainda ficaram abaixo da inflação geral as excursões turísticas (1,19%) e os shows musicais (1,57%).

IPCA, IGP-M, INPC, IPC: conheça os índices de inflação do Brasil

O pesquisador do FGV IBRE, Matheus Peçanha, explica que nesse período de férias escolares os grupos de serviços de entretenimento e turismo foram os principais pontos de descompressão na inflação de inverno.

“Os custos diretos do querosene de aviação – sobretudo, que depende de petróleo e dólar – estão em franca queda desde o final do ano passado. Mesmo o fator sazonal, que tende a pressionar os preços nessa época do ano, não tem sido o suficiente para contrabalancear o choque benéfico de custos”.

Pelo lado das altas mais fortes ficaram ingressos de teatro (4,07%), cinema (6,08%) e hotéis (6,24%). No entanto estão mais em conta em relação a 2022.

“Esses segmentos refletem a situação da inflação de serviços do pós-pandemia, com pressão de demanda trazida pela retomada, que ainda persiste, embora em ritmo menos acelerado”, afirmou o pesquisador do FGV IBRE.

Deflação do inverno

Os preços dos principais itens relacionados ao inverno também tiveram uma deflação. Nos últimos doze meses, a queda foi de 4,40%, segundo o FGV IBRE. No mesmo período do ano passado, a mesma cesta acumulava forte avanço de 37,44%, enquanto a inflação média na época era de 10,30%.

O principal impacto negativo veio das bebidas quentes, que ficaram 1,09% mais em conta. A tradicional combinação café (-4,07%) com leite (-0,53%) puxou a desaceleração dos preços de inverno.

“Os custos de diversas matérias-primas têm caído consistentemente desde o final do ano passado. Esse processo de repasse para o consumidor final até demorou para engrenar, mas acabou acontecendo especialmente a partir do segundo trimestre, e a tendência é que esse processo se aprofunde ao longo do ano”, explicou Peçanha.

Inflação, deflação e desinflação: entenda as diferenças

Pelo lado das altas, tomar banho com chuveiro movido a gás encanado ficou 7,30% mais caro. Assim como a cesta de itens têxteis – que teve aumento médio de 7,30% – e os medicamentos que subiram 6,71%. Em ambos os casos houve, no entanto, houve desaceleração na comparação com o mesmo período do ano passado.

Os principais itens de vestuário que ficaram mais caros foram roupas infantis (10,91%), calça feminina (9,13%), infantil (9,02%) e masculina (7,76%). Os agasalhos femininos subiram pouco, 1,87%. Já o item masculino teve queda de 2,93%.

Pelo lado dos medicamentos, os preços dos antialérgico avançaram 7,81% e foram seguidos por antigripais (7,34%) e vitaminas (5,35%).

Veja a tabela com os resultados da inflação das férias e itens de inverno:

jul/21 a jun/22jul/22 a jun/23
IPC-DI10,30%2,23%
Inflação de Inverno37,44%-4,40%
Inflação das férias de inverno57,10%-10,63%
Hotel8,45%6,24%
Cinema6,27%6,08%
Teatro2,42%4,07%
Show musical0,25%1,57%
Excursão turística6,07%1,19%
Passagem aérea143,72%-21,13%
Bebidas quentes30,45%-1,09%
Erva mate4,59%5,90%
Vinho6,40%4,11%
Leite26,27%-0,53%
Café51,88%-4,07%
Combustível doméstico22,52%7,87%
Gás encanado22,52%7,87%
Têxteis10,80%7,30%
Agasalho infantil4,70%10,91%
Calça feminina11,11%9,13%
Calça infantil12,77%9,02%
Calça masculina12,56%7,76%
Roupa e cama10,30%5,14%
Agasalho feminino2,62%1,87%
Agasalho masculino2,73%-2,93%
Medicamentos7,71%6,71%
Antialérgico e broncodilatador8,48%7,81%
Antigripal e antitussígeno7,75%7,34%
Vitamina e fortificante 7,10%5,35%
Fonte: FGV Ibre

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.