Notícias

Produção industrial fecha 2022 no vermelho

Com a queda de 0,7% no ano passado, o setor segue 2,2% abaixo do patamar pré-pandemia. A alta dos juros e da inflação explicam o resultado decepcionante

Foto: Paulo Whitaker/Reuters
O desempenho ficou igual as estimativas do mercado. Foto: Paulo Whitaker/Reuters

Por Redação B3 Bora Investir

A produção industrial brasileira teve variação nula (0%) em dezembro do ano passado, em relação a novembro. Assim, o setor encerrou 2022 com queda de 0,7%, segundo os dados divulgados nesta sexta-feira, 03/02, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O desempenho ficou igual as estimativas do mercado.

PRODUÇÃO INDÚSTRIAL 2022
(em relação ao mês anterior) / Fonte: IBGE

Com o resultado, a indústria segue operando 2,2% abaixo do patamar pré-pandemia (fevereiro de 2020) e 18,5% abaixo do nível recorde da série, registrado em maio de 2011. Em 2021, o setor encerrou com avanço de 3,9%, mas anteriormente, a indústria havia tido duas retrações seguidas, em 2019 (-1,1%) e 2020 (-4,5%). A queda em 2022, portanto, é a terceira em quatro anos.

“Muito do crescimento de 2021 tem relação direta com a queda significativa de 2020, ocasionada por conta do início da pandemia. Avançou em 2021, mas foi influenciada por uma base baixa de comparação e não superou as perdas de 2020”, explica o André Macedo, gerente da pesquisa.

PRODUÇÃO INDUSTRIAL – ANUAL
(em relação ao ano anterior) / Fonte: IBGE

O primeiro fator que voltou a puxar a industrial nacional para o negativo foi o avanço da taxa básica de juros (Selic) ao maior valor em seis anos – 13,75% a.a – que afeta os custos do crédito. Seguida da inflação em 5,79%, principalmente a dos alimentos – que impactou a renda das famílias e o consumo.

“Também há influência do aumento nas taxas de inadimplência e de endividamento. E o mercado de trabalho, que embora tenha mostrado clara recuperação ao longo do ano, ainda se caracteriza pela precarização dos postos de trabalhos gerados”, completa Macedo.

Desempenho dos setores em 2022

O recuo da produção anual da indústria foi disseminado nos diferentes grupos e segmentos do setor. A retração atingiu todas as quatro grandes categorias econômicas, além da maioria dos ramos (17 de 26), dos grupos (54 de 79) e dos produtos (62,4% dos 805 pesquisados).

A maior influência negativa veio das indústrias extrativas (-3,2%), puxadas pela queda na extração de minério de ferro. O resultado ruim do setor é reflexo da guerra na Ucrânia que afetou principalmente o mercado mundial de ferro-gusa. O Brasil, a Ucrânia e a Rússia dominam 74% das exportações desse insumo siderúrgico.

+ Créditos privados: como funcionam e quais os cuidados ao escolher um título de dívida

Outros segmentos importantes também ficaram no vermelho como os de produtos de metal (-9%), metalurgia (-5%), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-10,7%), produtos de borracha e de material plástico (-5,7%), produtos de minerais não metálicos (-5,1%), têxteis (-12,8%), móveis (-16,2%), confecção de artigos do vestuário e acessórios (-8,4%) e de máquinas e equipamentos (-2,3%).

Do lado das atividades que tiveram expansão na produção, se destacam coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, que registrou alta de 6,6%, e exerceu a maior influência positiva.

“Trata-se de um setor que manteve comportamento positivo ao longo de 2022, impulsionado, principalmente, por produtos com maior ligação com a mobilidade. Cabe lembrar também que é um setor que havia recuado em 2021 (-0,7%), ou seja, partiu de uma base menor de comparação”, explica o gerente da pesquisa do IBGE.

Outros impactos positivos importantes foram registrados por produtos alimentícios (2,4%), veículos automotores, reboques e carrocerias (3%), celulose, papel e produtos de papel (3,1%) e bebidas (3%). Entre as grandes categorias econômicas, os resultados em 2022 mostraram menor dinamismo para bens de consumo duráveis (-3,3%), seguido de bens intermediários (-0,7%), de bens de capital (-0,3%) e de bens de consumo semi e não duráveis (-0,2%).

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.