Notícias

S&P eleva nota da dívida do Brasil pela primeira vez em 12 anos

País agora está dois níveis abaixo do grau de investimento. Perspectiva é estável

Dinheiro
Diversas notas de dinheiro

Por Redação B3 Bora Investir

Pela primeira vez em 12 anos, a agência de classificação de riscos Standard & Poor’s (S&P) elevou a nota da dívida soberana brasileira. O país saiu da nota BB-, três níveis abaixo do grau de investimento, para a nota BB, dois níveis abaixo. A S&P concedeu perspectiva estável, o que não indica alterações nos próximos meses.

O que é uma nota de risco?

Desde janeiro de 2018, a S&P Global enquadrava o Brasil três níveis abaixo do grau de investimento, mesma nota concedida pela Fitch, outra das principais agências de classificação de risco. A Moody’s classifica o país dois níveis abaixo do grau de investimento.

Razões para a elevação da nota

A elevação foi motivada pela aprovação da reforma tributária, que marca um progresso na questão fiscal nacional, segundo a classificadora.

A aprovação da reforma amplia o histórico nacional de “política pragmática” nos últimos sete anos, aponta a agência de classificação de risco, que destaca sua expectativa por novos progressos, embora lentos, na redução de desequilíbrios fiscais, na evolução de perspectivas econômicas e na reancoragem de expectativas da inflação.

“Esperamos uma correção fiscal muito gradual, mas antecipamos que os déficits fiscais irão permanecer elevados”, ressalta a agência.

O que é o risco-país e como ele pode afetar seus investimentos

A agência, por outro lado, ressaltou que esses pontos negativos são contrabalançados por uma posição externa forte, sustentada pela produção forte de commodities, e pelo efeito da política monetária na ancoragem das expectativas de inflação.

A agência também destacou a estrutura institucional brasileira, que fornece “amplos freios e contrapesos” nos Três Poderes.

Projeções da S&P para a economia brasileira

A agência projeta um déficit geral em média de 6,2% do Produto Interno Bruto (PIB) entre 2023 e 2026, diante dos desafios no cumprimento de promessas eleitorais, altos custos de juros, níveis baixos de gastos discricionários e um sucesso apenas gradual das medidas tributárias de aumento da arrecadação.

Sobre o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, a expectativa é de crescimento de 3% em 2023 e desaceleração a 1,5% em 2024, seguida de uma expansão próxima de 2% em 2025 e 2026. A agência afirma que, apesar de a perspectiva de crescimento nacional seguir melhorando, ela ainda se mantém em nível muito fraco, o que comprime o rating de crédito brasileiro.

Em nota, a agência espera que o crescimento do PIB per capita brasileiro seja de, em média, 1,5% entre 2023 e 2026, atingindo US$ 9,8 mil em 2023 e US$ 10,8 mil em 2026.

A S&P pontua que o crescimento brasileiro mais alto em 2023 foi sustentado por um forte desempenho agrícola e por um consumo interno resiliente motivado por um setor de empregos “robusto” e pela recuperação da taxa real de salários.

*Com Agência Estado e Agência Brasil

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.