Investir melhor

O que é o risco-país e como ele pode afetar seus investimentos

Também conhecido como risco-soberano, o risco-país é um índice econômico que mede a chance de um país não pagar o que deve

Em geral, cada agência de avaliação e cada banco adota seus próprios critérios de avaliação de risco.

Por Guilherme Naldis

Depois que duas das principais agências de rating aumentaram a nota de risco do Brasil, o ambiente de negócios do País ficou diferente. Conforme a agenda de reformas progride e o Banco Central, junto do ministério da Fazenda, dão sinais para os agentes econômicos, a percepção dos investidores estrangeiros sobre o Brasil muda. E essa visão subjetiva pode ser quantificada, através do risco-país. Mas o que é isso, afinal?

Basicamente, o risco-país é um indicador que mostra a probabilidade de um país não pagar o que combinou com os detentores de títulos da sua dívida pública externa. Em outras palavras: dar um calote nos investidores internacionais. 

E aí, essa taxa pode subir ou descer conforme se desenrola o noticiário político e econômico do país em questão. As notícias que derem bons sinais para economia e mostrem que o ambiente de negócios tende a estabilidade, vão fazer o risco-país diminuir. 

Já as más notícias, como de crescimento fora das expectativas, inflação descontrolada ou irresponsabilidade fiscal, farão o risco aumentar.

O que é risco-país? 

Segundo Carla Beni, professora de macroeconomia da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o risco-país é uma medida de classificação de títulos públicos e a expectativa de que um Estado emergente honre seus compromissos. Assim, quanto maior o risco-soberano, maior a chance de insolvência – que acontece quando as contas públicas não fecham e as dívidas com o credor estrangeiro atrasam. 

Mas o risco-país é diferente de uma nota de crédito: ele mede a insegurança dos títulos da dívida externa, vendida em dólar, enquanto uma nota de crédito mede a dívida interna, vendida em real. Por isso, é comum que as duas notas não batam.

No caso do Brasil, por exemplo, o risco-país é bem baixo, ao passo que a nota de crédito não seja das melhores. “O Brasil tem um volume de dívida externa baixíssimo, e a maioria está alocada no médio prazo”, explica a especialista.

Em comum, as duas taxas são analisadas com muito cuidado por investidores do mundo inteiro antes de aplicarem seus recursos em um território. Afinal, se algum dos dois indicadores for muito preocupante, a chance de perder dinheiro em vez de ganhar é alta. 

O que é uma nota de risco?

Como o risco-país funciona?

Em geral, cada agência e cada banco adota seus próprios critérios de avaliação de risco. Os principais são o EMBI+, emitido pelo J.P. Morgan, e os ratings soberanos de instituições de rating como a Moddy’s, a S&P e a Fitch.

O cálculo é mais ou menos assim: faz-se uma média ponderada do spread dos papéis da dívida pública do país e a compara com os títulos do tesouro americano, que são isentos de risco. 

Quanto maior for a diferença em relação ao título americano, maior será o risco oferecido. O EMBI+, por exemplo, usa pontos-base para medir o risco-país, sendo que 100 pontos equivalem a um percentual de juros.

Isto é: se o risco-Brasil for de 500 pontos-base, a remuneração dos títulos públicos deve ser de, ao menos, 5% mais que os títulos do tesouro americano. Afinal, se o risco é maior, a remuneração também precisa ser para compensar a disposição do investidor de comprar essa briga. 

Para que serve o risco soberano?

Nos bancos afora, o risco-país de países como Brasil, Argentina, México, Índia, é monitorado por analistas de bancos de investimento internacionais para avaliar quando há uma boa oportunidade de lucro no mercado financeiro. Ao mesmo tempo que é possível verificar quais países evitar, também se pode apontar onde há possibilidade de lucro acima da média (desde que se tolere alguma volatilidade).

O que significa a elevação da perspectiva da nota de crédito do Brasil pela S&P?

Ao mesmo tempo, a medida pode ser utilizada para fins políticos. “A nota dos EUA diminuiu por causa de questões fiscais e o partido de oposição tem usado esse fato como arma política”, exemplifica Beni.

Segundo Walter Franco, professor de macroeconomia no Ibmec, o risco-país tem impacto em quase toda a cadeia de produção do lugar em questão. “A forma como ele é percebido nos mercados internacionais, além de deixar os empréstimos mais caros, muitas vezes o impossibilita de acessar alguns tipos de crédito”, justifica.

Como está o Risco-Brasil?

Do ponto de vista das agências de Rating, o Brasil está no nível especulativo. Ou seja: ainda não alcançou as qualidades necessárias para receber aportes grandiosos e permanentes do capital extrangeiro. Ainda assim, poderia ser pior. Veja as notas do País segundo as três principais instituições de avaliação de risco:

  • Fitch: BB-
  • Moods: BA2
  • S&P: BB-

Hoje, a percepção de risco está calcada em uma série de fatores, segundo Franco. Elas incluem a taxa de juros local, a amplitude de flutuação do câmbio, o índice de crescimento, a inflação, o déficit em conta corrente, o nível da balança comercial, reserva internacionais, entre outras.

Para o diretor-executivo da Fitch no Brasil, Rafael Guedes, as perspectivas fiscais do País entraram em um viés negativo desde julho, quando a agência elevou a classificação de BB- para BB. Ele pondera, no entanto, que o resultado fiscal do ano que vem não vai determinar a trajetória de rating do Brasil.

“Obviamente, os números de déficit fiscal têm um viés negativo alto. Nós ainda damos o benefício da dúvida de que o governo vai conseguir passar medidas para aumentar a arrecadação e, se não for o caso, tomar medidas para, pelo menos, reduzir o déficit em 2024”, afirmou, em entrevista do Broadcast.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.