Notícias

Fitch eleva nota de crédito do Brasil a ‘BB’ com perspectiva estável; entenda

Segundo a Fitch, a melhora reflete “desempenho macroeconômico e fiscal acima do esperado em meio a sucessivos choques nos últimos anos”

Fitch Rating escrito em letra garrafais em um vidro
A Fitch Ratings é uma das agências de análise de crédito mais respeitadas no mundo. Foto: reprodução

Por Redação B3 Bora Investir

A agência de classificação de risco Fitch elevou a nota de crédito (rating) do Brasil de BB- para BB, com perspectiva estável nesta quarta-feira, 26/07.

Esse movimento pode ajudar a economia brasileira na atração de investimentos estrangeiros, além de valorizar o real.

Em 2018, o país havia sido rebaixado para o patamar BB-. Na época, o governo Michel Temer vivia uma crise nas contas públicas e não havia conseguido aprovar a reforma da Previdência.

O relatório da Fitch afirmou que a melhora da nota de crédito reflete “um desempenho macroeconômico e fiscal melhor do que o esperado”. Disse ainda esperar que as novas regras fiscais e medidas tributárias “levem a uma consolidação fiscal gradual”.

Em junho, a agência de classificação de risco S&P Global Ratings alterou a perspectiva para a nota de crédito do Brasil de estável para positiva.

Responsabilidade fiscal: como funciona e por que tem a ver com o seu bolso

Mas afinal, por que é importante para o Brasil ter uma boa nota com a Fitch?

As notas de crédito servem para avaliar a capacidade do país de pagar as suas dívidas.

Para esse trabalho, as agências de classificação de risco (como a Fitch) usam as chamadas notas de crédito (rating). Quanto melhor for a nota, mais seguros os países são considerados pelos investidores e mais baixos os juros das dívidas dos governos.

Com decisão de hoje, o Brasil ainda fica com uma classificação que indica um ‘grau especulativo’, ou seja, está menos vulnerável a riscos no curto prazo, mas ainda enfrenta incertezas financeiras e econômicas.

No entanto, o país passa a ficar a duas notas da obtenção do grau de investimento, ou seja, de bom pagador. Esse selo ajuda o Brasil a atrair mais investimentos.

Na classificação da Fitch, a escala para o grau de investimento vai de ‘A’ a ‘D’. O primeiro nível (triplo A) é o de mais alta qualidade e o ‘D’ a pior, ou seja, quando um país está próximo da inadimplência.

Qual o impacto dessas mudanças para o mercado?

O mercado financeiro usa as notas de crédito como termômetro para decidir os seus investimentos. Assim essa melhora ajuda o país a mostrar que tem capacidade de pagar as suas dívidas no curto prazo.

O sócio sênior da Seneca Evercore, Daniel Wainstein, explica que a avaliação das agências serve como termômetro para saber se a remuneração de uma ação está adequada ao risco do investimento.

“O custo de capital – tanto da ação quanto de dívida – tende a cair com a percepção de menor risco. Com essa redução do retorno requerido por um investidor para comprar em ações de empresas brasileiras, o preços desses papeis devem subir”.

Outro benefício direto para a economia é a queda do dólar, diante da entrada de mais capital estrangeiro no país. A moeda americana mais baixa ajuda na desaceleração da inflação.

A melhora da nota da Fitch pode impactar na decisão de juros?

Sim. O economista, André Perfeito, acredita que o avanço na nota do Brasil – assim como a melhora na trajetória da dívida e do crescimento resiliente – é mais um elemento para o Comitê de Política Monetária rever a trajetória da taxa básica de juros.

“Tudo isso conspira para um corte de 0,50 ponto percentual. Talvez a decisão pela intensidade do corte não seja unanimidade entre a diretoria do BC, mas a questão é saber como vão encaminhar a discussão sobre os próximos passos”.

O Copom se reúne na próxima terça e quarta-feira. A Selic hoje está em 13,75%, maior patamar em seis anos e meio.

Selic: mantém ou corta? Veja os argumentos a favor e contra os juros em 13,75%

Repercussão

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, atribuiu os resultados positivos da economia brasileira à harmonia entre os poderes. No entanto, disse “não ter sentido” o Brasil não receber “grau de investimento” pelas agências de classificação de risco.

“A Fitch é a primeira das grandes agências que muda a nota. (…) Não tem cabimento o país viver o que viveu nos últimos dez anos. Fico feliz de, em seis meses de trabalho, a gente já ter conseguido sinalizar ao mundo que o Brasil é o país das oportunidades”, afirmou. Em uma rede social, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) classificou a mudança na nota de crédito brasileira como “uma importante conquista para a economia do país”.

Cenários para o Brasil

Em seu relatório, a agência afirmou que, mesmo com as persistentes tensões políticas desde o rebaixamento de 2018, o Brasil teve um “progresso em importantes reformas” para enfrentar os desafios econômicos e fiscais.

Em relação ao governo Lula, a Fitch afirmou que espera “que o pragmatismo e os freios e contrapesos institucionais mais amplos evitem desvios radicais de macro ou micropolítica”. E que vê iniciativas para apoiar o setor privado, como a reforma tributária.

A Fitch projeta que a dívida/PIB aumente, mas em um ritmo mais lento. E que a nota do Brasil é sustentada por sua grande e diversificada economia.

Brasil já teve grau de investimento?

Sim. O país conquistou o grau de investimento pelas agências internacionais Fitch e Standard & Poor’s, pela primeira vez, em 2008. Um ano depois, conseguiu a classificação pela Moody’s.

A S&P foi primeira a tirar o selo de bom pagador, em setembro de 2015. Depois foi seguida pela Fitch e Moody’s. Os países costumam levar de cinco a dez anos para recuperar o selo de bom pagador.

“Mesmo tendo enfrentado uma das maiores crises de liquidez de crédito, o governo soube aproveitar a lua de mel em início de mandato com o Congresso e aprovou medidas importantes. Esse ritmo precisa continuar até atingirmos grau de investimento”, conclui o especialista da Seneca Evercore.

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.