Notícias

Taxação de apostas esportivas e cassinos online vai à sanção; entenda

Tributação será de 12% sobre receita das empresas e 15% sobre prêmio de ganhadores

Bola de futebol no centro com Doláres caindo sobre ela
dos 20 times que jogaram a série A do Brasileirão em 2022, 18 tinham patrocínio de empresas de aposta esportiva. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

O projeto de lei que regulamenta e passa a taxar o mercado de apostas esportivas online, as chamadas ‘bets’, vai a sanção do presidente Lula.

O texto foi aprovado pela Câmara dos Deputados, que voltou a incluir jogos online esportivos e não esportivos, como cassinos e bingos na regulamentação. Esse trecho havia sido retirado pelo Senado, mas voltou a lei.

Responsabilidade fiscal: como funciona e por que tem a ver com o seu bolso

O projeto é a última medida da pauta do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, para zerar o déficit das contas públicas em 2024 e que não havia sido aprovada pelo Congresso.

Segundo a equipe econômica, se espera arrecadar cerca de R$ 12 bilhões com a proposta. A expectativa também é que mais de 130 empresas interessadas regulamentem as atividades no Brasil.

Principais pontos da proposta

Atualmente o mercado de apostas esportivas não é ilegal no país, mas não há regulamentação e, portanto, as companhias não pagam impostos. Com o projeto de lei aprovado, a tributação será feita da seguinte forma:

  • empresas de apostas e cassinos online vão passar a pagar 12% de imposto sobre o seu faturamento (receitas);
  • apostadores serão cobrados em 15% sobre o Imposto de Renda da Pessoa Física, com valores que ultrapassarem R$ 2.112 em um ano.

Proibições de jogadores

Serão impedidos de participar de apostas esportivas ou não esportivas online:

  • menores de 18 anos;
  • pessoas diagnosticadas com distúrbios de jogo;
  • pessoas com influência sobre os eventos esportivos ou plataforma de jogos;
  • dirigentes esportivos, técnicos, árbitros, agentes e atletas.

Abertura de empresas de apostas

As apostas só poderão ser exploradas por empresas autorizadas pelo Ministério da Fazenda, que tenham sede e administração no país. O quadro de sócios precisa ter um brasileiro detentor de, pelo menos, 20% do capital social.

O acionista controlador não poderá atuar de forma direta ou indireta em organização esportiva profissional, não poderá ser dirigente ou vinculado a instituições financeiras que processem as apostas.

As companhias interessadas vão precisar desembolsar até R$ 30 milhões pelo direito de exploração de até 3 marcas comerciais por até cinco anos.

Divisão da arrecadação

O ministério do Esporte e os Comitês Esportivos vão ficar com a maior parte da arrecadação (36%). O resto será divido entre Turismo (28%), Segurança Pública (14%), ministério da Educação (10%) e seguridade social (10%).

Quer saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira? Não deixe de visitar o Hub de Educação da B3 e conferir o curso ‘Como organizar suas finanças’!

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias