Investir melhor

Como receber um salário mínimo só com o rendimento de investimentos

Poupar dinheiro pode parecer difícil mas é, certamente, recompensador. Veja como acumular o necessário para gerar um salário mínimo a cada mês

Boneco representando homem sobe degraus feitos de moedas empilhadas
De grão em grão, a galinha enche o papo. Em investimentos, é preciso paciência e persistência para alcançar metas como viver de renda.

Por Guilherme Naldis

O sonho de muitos investidores – iniciantes e experientes – é deixar de se preocupar e ver seu dinheiro trabalhando para si. Viver de renda pode parecer distante e árduo, mas já nos primeiros passos desta trajetória, seus frutos começam a aparecer e, na velhice, pode ser a garantia de uma vida confortável. 

É como uma bola de neve. O rendimento de um investimento faz com que o próprio cresça. Com seus proventos, ele se reinveste e torna a crescer. A estratégia de acúmulo constante e o efeito de retroalimentação são decisivos para uma estratégia de investimentos exitosa. E, assim, um modesto aporte inicial pode se tornar uma verdadeira fortuna.

Quanto você precisa poupar para ter uma reserva de emergência de R$ 80 mil?

O meio mais usual de “botar o dinheiro para trabalhar” é por meio da renda fixa. Nesta modalidade, o capital é emprestado e remunerado com base no tempo de permanência acordado com o solicitante do empréstimo. A remuneração é centrada nos juros, que são verdadeiros heróis na multiplicação de capital.

A planejadora financeira Eliane Tanabe, da Planejar, simulou algumas opções de investimentos para quem tem algum dinheiro guardado e deseja receber um salário mínimo, no valor atual de R$ 1.320,00, por mês no futuro. Se não for o seu caso, as simulações podem servir de objetivo para a quantia a ser poupada!

Perfil do Investidor: o que é e por que é importante descobrir o seu?

Como funciona o investimento em renda fixa?

Os juros são um dos principais meios de acúmulo e multiplicação do capital. Eles estão por toda parte, desde a fatura do seu cartão de crédito até o rendimento dos seus investimentos. 

É uma espécie de “aluguel” de dinheiro: se alguém toma recursos emprestados de um banco para comprar algo, precisará fazer a devolução com um valor acrescido – os juros, que recompensam o emprestador pela cessão do montante inicial.

Este é o mecanismo básico de quase toda operação de renda fixa. Existem, é claro, diferentes taxas de remuneração e cálculos distintos para cada tipo de ativo ou cobrança. Na matemática, existem dois tipos de juros: os simples e os compostos

Como viver de renda fixa? Gustavo Cerbasi te explica em 8 passos

  1. Juros simples

Os juros simples são os que são calculados em um valor fixo inicial. Ao longo do tempo, esse primeiro capital sofre o ajuste de uma determinada porcentagem, não se altera conforme o tempo passa.

Este tipo de taxa fixa é comum para o atraso de contas de consumo, como água ou energia.

  1. Juros compostos 

Se nos juros simples a porcentagem sempre é aplicada sobre o valor inicial, nos juros compostos ela acontece na etapa anterior. Isso quer dizer que, no primeiro mês de aplicação, o efeito será similar ao do juros simples. 

Na rodada seguinte, entretanto, a porcentagem será aplicada ao valor já acrescido pelos juros anteriores, e não no valor de origem. Os juros compostos são muito mais rentáveis que os simples, em qualquer período de tempo. A mágica dos investimentos está aqui – a bola de neve começa a crescer.

Com quanto começar a investir?

As simulações de Tanabe consideram títulos de renda fixa que equivalham a 100% da taxa CDI. Hoje, a taxa está em 13,75% ao ano mas, no futuro, o valor tende a ser diferente e se adequar à realidade. Todas partem do pressuposto de que o investidor deseja conquistar seu salário mínimo mensal quando for idoso, após disciplinados aportes mensais partindo do mês corrente.

Os cálculos desconsideram a incidência do Imposto de Renda. Neste cenário, o investidor regataria seu capital na aposentadoria, aos 65 anos. Com a longevidade estimada em mais 30 anos, o investidor poderia, portanto, chegar ao 95 anos de idade colhendo os frutos do passado.

Veja os exemplos:

Idade de inícioTempo de aporte (anos)Tempo de aporte (meses)Valor do aporte
20 anos45 anos540 mesesR$ 13,49/mês
30 anos35 anos420 mesesR$ 45,28/mês
40 anos25 anos300 mesesR$ 155,85/mês

Mas, se o investimento em questão pagasse 116% do CDI atual, as coisas mudariam de figura. Veja as opções:

Idade de inícioTempo de aporte (anos)Tempos de aporte (meses)Valor do aporte
20 anos45 anos540 mesesR$ 06,91/mês
30 anos35 anos420 mesesR$ 27,61/mês
40 anos25 anos300 mesesR$ 112,38/mês

Você também pode aprender mais com essa Masterclass sobre “Renda Fixa além do tradicional” — há outros cursos gratuitos sobre finanças no HUB de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias