Organizar as contas

Quanto você pagará a menos nos financiamentos de carros populares com a redução de preços?

Simulação aponta diferença na entrada e prestações de um financiamento médio do modelo mais barato incluído nas regras do governo, caso tenha o desconto mínimo ou máximo

Carros em cima de moedas sob a mesa
Para ajudar nos custos, investimentos são sempre uma boa ideia. Foto: Adobe Stock

Por Marília Almeida

O governo federal anunciou na quinta-feira, 25/05, medidas para reduzir os preços de carros zero no país. E fica a dúvida: será que a redução dos preços dará mais acesso a financiamentos de veículos?

O ponto principal das novas regras, que serão detalhadas no dia 2/6, é baixar impostos federais, como IPI e Pis Cofins. Dessa forma, será possível gerar descontos no preço final dos veículos entre 1,5% e 10,96%. A medida valerá apenas para carros com valor de até R$ 120 mil.

+ Onde investir para comprar um carro em dois anos

Contudo, os modelos precisam se enquadrar em três regras, que passam por preço, características da cadeia de produção e questões ambientais, para que seja possível obter o desconto máximo.

Um dos mais carros mais baratos que se adequam às exigências é o Renault Kwid, que custa R$ 68.190,00. Aplicado o desconto mínimo, o valor do carro cai para R$ 67.167,15, e deixará de pagar R$ 1.022,85. Já com o desconto máximo o valor diminui para R$ 60.716,37, ou seja, a economia será de R$ 7.473,63.

Impacto no financiamento de carros populares

A planejadora financeira Paula Bazzo, da SuperRico, simulou quanto o consumidor teria de pagar de entrada e prestações em um financiamento de um Renault Kwid com valores médios em cada cenário (preço cheio do carro, desconto mínimo e desconto máximo).

No cálculo, Bazzo considera que o Custo Efetivo Total (CET) do financiamento seja igual à taxa de juros aplicada. Veja abaixo:

Preço cheioDesconto de 1,5%Desconto de 10,98%
Preço de vendaR$ 68.190,00R$ 67.167,15R$ 60.716,37
Valor de entrada (20%)R$ 13.638,00R$ 13.433,43R$ 12.143,27
Saldo a financiarR$ 54.552,00R$ 53.733,72R$ 48.573,10
Taxa de juros mensal2,07%2,07%2,07%
Prazo46 meses46 meses46 meses
Valor da prestaçãoR$ 1.850,16R$ 1.823,77R$ 1.647,38
Total pago em juros ao final do períodoR$ 30.555,49R$ 30.119,56R$ 27.206,61
Paula Bazzo, planejadora SuperRico

Em um financiamento com taxa de juros de 2,07% ao mês por um prazo de 46 meses, a entrada exigida, de 20%, corresponde a R$ 13.638,00. Será possível pagar R$ 204,57 a menos de entrada com o desconto mínimo aplicado e R$ 1.494,73 a menos com o desconto máximo.

+ Carro popular: veja que marcas vão se beneficiar com o corte de impostos

Já a diferença sobre as prestações, que corresponderiam a R$ 1850,16 com o valor cheio, é de R$ 26,39 com o desconto mínimo e R$ 202,78 caso seja concedido o desconto máximo.

No final do financiamento, o comprador terá pago R$ 30.555,49 de juros caso tenha comprado o veículo com o preço cheio. Se o desconto mínimo foi aplicado, economizará R$ 435,93 e, com o desconto máximo, deixará de pagar R$ 3.348,88.

Ponderações no financiamento de carros populares

Pela simulação é possível verificar que os descontos ajudam a ter acesso ao financiamento, mas, sozinhos, não fazem milagre e não mudam muito o peso da entrada, parcelas e, especialmente, o montante de juros que será pago no final do financiamento. “Um carro de R$ 60 mil já não é popular. Financiado, seu valor será de, no mínimo R$ 87 mil, no cenário já com o desconto máximo. Afinal, os juros estão altos”.

Bazzo lembra que, para acessar um financiamento, é necessário comprovar que as parcelas correspondam a 30% da renda. Ou seja, para financiar um Kwid zero, o comprador terá de ganhar R$ 5,5 mil. “É uma medida populista, se pensarmos que 80% da população brasileira ganha menos de R$ 3,6 mil por mês”.

+ Decreto do carro popular deve derrubar preço de usados e seminovos

Além disso, é necessário supor que quem recebe R$ 5,5 mil não tenha qualquer outra dívida e consiga pagar gastos com alimentação e moradia com os R$ 3.852 restantes. Também é bom lembrar que um carro tem despesas com seguro, impostos e manutenção, e é necessário ter espaço no orçamento para acomodá-las.

Atente-se aos juros altos

Dado o montante pago em juros em um financiamento de veículos, que é de 28% ao ano, considerando o financiamento simulado, o consumidor somente deve optar pelo empréstimo caso não tenha outra opção. Se financiar em prazo mais longo, que vai até 60 meses, precisa ter consciência de que os juros pagos ao final do financiamento vão aumentar.

Caso decida financiar, o conselho é amortizar a dívida o quanto puder. Contudo, Bazzo, da SuperRico, aponta que no financiamento se paga a maior parte dos juros nos primeiros dois anos. “A amortização das parcelas precisa acontecer nesse período. Caso contrário, não terá tanto impacto”.

Para quem deseja economizar, carros seminovos e usados são uma alternativas e se depreciam menos com o tempo. A estimativa é que um carro zero possa perder até 20% do seu valor no primeiro ano de uso.

Como escolher um investimento para além da poupança? Confira este curso oferecido pela B3

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias