Organizar as contas

Como proteger seus aplicativos e dados bancários no celular em 5 passos

Confira dicas de como manter os aplicativos de bancos seguros e como agir em caso de furto ou perda

Celular com uma corrente e cadeado. Foto: Adobe Stock
Facilidade de acesso a aplicativos de bancos também traz preocupações. Foto: Adobe Stock

A crescente facilidade de ter acesso digital aos bancos nos últimos anos, infelizmente veio acompanhada da necessidade de maior proteção dos dados bancários, uma vez que está tudo na palma da nossa mão, através do celular. 

Para te ajudar na missão de proteger seus dados sensíveis armazenados no aparelho, o head de cibersegurança da C6 Bank, José Luiz Santana, listou 5 passos essenciais para evitar maiores dores de cabeça, especialmente em caso de perda ou furto.

Na opinião dele, todos aplicativos de bancos são seguros porque seguem critérios rígidos de segurança, mas há sempre medidas adicionais que podem ser tomadas nesse sentido. Confira quais são elas:

1. Não armazene nenhum tipo de dado bancário no celular

Para Santana, a melhor maneira de proteger os aplicativos é não armazenar nenhum tipo de dado bancário no telefone, como senhas no WhatsApp, blocos de notas ou até mesmo imagens de documentos no rolo de fotos.

2. Tenha senhas diferentes nos aplicativos

Outra dica importante é que a senha do aplicativo do banco seja diferente de qualquer outra senha que você utiliza em outros apps ou websites. “Não vale senha frágil, fácil de descobrir, como a data de nascimento, data de nascimento do cônjuge, filho ou alguém próximo”, afirma o especialista.

3. Senhas diferentes para login e transação

Mais um ponto destacado é a possibilidade de haver senha de transação de dinheiro dentro do aplicativo e, por isso, é importante que essa senha não seja igual ou parecida com a senha de login, dificultando ainda mais um possível golpe.

4. Configure o limite de pix

Outro meio de deixar os aplicativos de bancos mais seguros é configurar o limite diário de transações via pix para um valor baixo, no intuito de evitar um dano maior caso o aparelho seja roubado. “Recomendo configurar o limite diário para um valor que seja utilizável e factível com o seu dia a dia mas, ainda assim, o menor valor possível”, alerta Santana.

5. Habilite a possibilidade de apagar os dados

Todos os celulares têm a possibilidade dos dados contidos no aparelho serem apagados de forma remota pelo dono por meio de um computador. Ter essa funcionalidade configurada para o caso de uma necessidade pode te livrar de uma baita dor de cabeça. 

O que fazer caso o celular seja roubado ou perdido

Apesar de toda proteção, ainda pode acontecer do celular ser furtado ou perdido, por isso também é importante realizar algumas ações nessas ocasiões, como:

  • Entre em contato com os bancos para desabilitar o aparelho e/ou cartões;
  • Procure um computador mais próximo para bloquear o celular e emitir o comando de apagar os dados nele contidos;
  • Faça um Boletim de Ocorrência (BO);
  • Entre em contato com a operadora com o número de IMEI, que é o identificador do aparelho, para que ele seja incluído em uma lista de bloqueio.

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias