Organizar as contas

Endividamento volta a crescer em junho, apesar do alívio na inflação

Número de famílias com dívidas a vencer avançou para 78,5%. Desse total, 18,5% se consideram muito endividadas, maior valor em uma década. Planejamento financeiro é a melhor saída

Fotografia de um par de mãos segura uma carteira vazia.
O recorde da série histórica do Banco Central ocorreu há exatamente um ano, em julho de 2022 (50,1%). Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

O número de brasileiros endividados voltou a crescer em junho após quatro meses de estabilidade. São considerados nessa estatística consumidores que têm dívidas a vencer em empréstimos, cartão de crédito, cheque especial, financiamentos e carnês de loja, por exemplo.

O percentual de famílias nessa situação no país atingiu 78,5% em junho, um aumento de 0,2 ponto percentual na comparação com maio (78,3%). É o maior nível em seis meses, segundo a Confederação Nacional do Comércio (CNC) divulgou nesta terça-feira, 11/07.

Desse total, 18,5% se consideram muito endividados. Esse é o maior nível já registrado pela pesquisa em toda a série histórica, iniciada em 2010.

A economista da CNC, Izis Ferreira, explica que esse resultado voltou a crescer mesmo em um cenário de inflação mais baixa e um mercado de trabalho formal com mais vagas abertas. Em junho, o IPCA teve deflação de 0,08%.

“Muito além da conjuntura econômica, o consumidor procura no crédito uma forma de sustentar o consumo de produtos e serviços, principalmente o cartão. Isso acontece diante do avanço nos serviços financeiros, que dão benefícios adicionais. Ou seja, além do próprio consumo, o cliente usa o cartão porque quer cashback ou pontuação em programas de benefícios, por exemplo”.

Para não cair em um ciclo de dívidas e evitar ficar inadimplente, a dica da economista é fazer um planejamento financeiro. “Use a renda do trabalho para consumir, principalmente, produtos de primeira necessidade. Ao usar o cartão de crédito para produtos de consumo imediato, o risco é justamente o que a gente está vendo acontecer: a inadimplência.

Inadimplência cresce

O aumento da proporção de endividados é seguido pelo crescimento de consumidores inadimplentes. Ou seja, que têm uma dívida que já venceu e ainda não foi paga.

Após seis meses de queda, o percentual de famílias brasileiras com dívidas atrasadas atingiu 29,2% em junho, aumento de 0,1 ponto porcentual na comparação com maio.

Desse total, 4 em cada 10 estão sem condições de pagar os compromissos de meses anteriores, maior proporção desde agosto de 2021.

Segundo Izis Ferreira, os juros em patamares elevados dificultam a melhora desse quadro. Atualmente, 46% do total de inadimplentes estão com dívidas em atraso há mais de 90 dias.

“A despesa com juros sobe muito rápido conforme o tempo de atraso aumenta. Esse é o indicador que a instituição financeira olha para calcular o custo do crédito. Ou seja, o consumidor não consegue pagar e o empréstimo fica mais caro”.

Dicas para evitar a inadimplência

O primeiro passo é tirar da cabeça que o limite do cartão de crédito ou cheque especial é uma renda disponível, ou seja, que faz parte do orçamento mensal.

“As pessoas precisam entender o que é o custo do dinheiro. O cartão e o cheque especial podem dar fôlego no final do mês, mas não sempre. São as modalidades de dívida mais caras do mercado”.

O segundo passo é a educação financeira para quem está inadimplente ou apenas está com algumas compras parceladas no cartão, por exemplo.

“É preciso planejar melhor o uso desse dinheiro. Não é deixar de gastar, mas precisa de consciência da melhor forma de usar o dinheiro, principalmente o crédito”, explica Izis.

O terceiro passo é renegociar, seja direto com os credores ou através de programas governamentais como o Desenrola, que começa a funcionar até o fim do ano.

“Não existe uma bala de prata. É preciso olhar a sua carteira de inadimplência e buscar a renegociação. Precisamos também realizar uma grande campanha de conscientização, principalmente para as pessoas de renda média e baixa”, conclui a economista da CNC.

Para mais conteúdos sobre finanças pessoais, confira os conteúdos gratuitos do Hub de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.