Organizar as contas

Mapa mental de finanças: como usar no planejamento?

Forma de estruturar e organizar conhecimentos, mapas mentais auxiliam na fixação de dados e também podem ajudar a encontrar soluções para problemas financeiros.

Mapa mental. Foto: Mohamed Hassan/Pixabay
Mapa mental. Foto: Mohamed Hassan/Pixabay

Por Marília Almeida

Você sabe o que fazer com suas finanças, ou precisa desenhar? Não é deboche: estruturas visuais, como os mapas mentais, podem ajudar a entender um universo repleto por números. Afinal, se você não se formou em Economia ou trabalha no mercado financeiro, pode ser difícil, por vezes, decodificar gráficos e tabelas.

Aplicados no dia a dia corporativo e educacional, os mapas mentais são diagramas compostos por uma ideia central e seus desdobramentos. Ele pode ser desenhado à mão ou com o auxílio de programas e aplicativos. A ideia é usar cores e elementos diferentes de forma que cada ideia seja facilmente identificada por quem lê, segundo texto publicado pela escola de educação executiva Fia.

+ Gestão de tempo: como se organizar para um planejamento pessoal e financeiro eficiente

Para que serve o mapa mental de finanças?

Além de ser uma forma de estruturar e organizar conhecimentos, eles auxiliam na fixação de dados e podem até ajudar a encontrar soluções para problemas financeiros.

Existem centenas de modelos disponíveis, e milhares de possibilidades de criar um adequado para cada necessidade, aponta o planejador financeiro Carlos Castro, membro do conselho da Planejar. “A ideia é deixar a criatividade fluir. Não existe uma regra de bolso ou camisa de força: apenas uma orientação de como criá-los”.

Veja a seguir as dicas do planejador financeiro sobre como aplicar mapas mentais para organizar as finanças:

Orçamento pessoal

Um mapa mental cujo objetivo seja equilibrar o orçamento e revisar gastos pode dividir as despesas em três grupos:

  • Essenciais (contas do dia a dia, como alimentação);
  • Necessidades sociais (lazer),
  • Construção patrimonial (aposentadoria, compra de bens, etc.)

Anotando ao lado de cada grupo os gastos mensais, e seguindo a regra de 50% dos gastos destinados para despesas essenciais, 30% para necessidades sociais, e 20% para construção patrimonial, será possível fazer escolhas melhores. Também será possível visualizar qual grupo está pesando sobre o orçamento, e qual precisa ser reforçado, diz Castro.

Os porcentuais não precisam ser exatos. “O cálculo leva em conta uma renda média e um orçamento equilibrado. Ele pode ser ajustado conforme cada necessidade”. O desenho dos grupos pode ser feito em formato de pirâmide, e inserir o grupo de construção patrimonial no topo.

Carteira de investimentos

Outra forma de aplicar mapas mentais nas finanças é dividir objetivos financeiros de curto prazo (até 2 anos, médio prazo (2 a 5 anos) e longo prazo (acima de 5 anos). Em cada grupo, é possível inserir o dinheiro que será necessário para realizá-los, e buscar investir cada valor na aplicação financeira mais adequada para o prazo, diz Castro.

“Quando não separamos objetivos, e olhamos apenas para modalidades de investimentos, temos dificuldade em saber se a carteira esta adequada a estas metas”.

+ 5 planilhas de gastos pessoais gratuitas para organizar o orçamento

Para objetivos acima de 5 anos é possível assumir mais riscos. No curto prazo, a ideia é colocar o dinheiro em investimentos mais conservadores.

No pote de curto prazo deve estar a reserva de emergência, que, para quem ganha R$ 5 mil por mês, deve ser equivalente a R$ 60 mil, ou seja, 12 meses de renda.

Já no pote de longo prazo o investidor pode ter de acumular R$ 500 mil caso queira ter uma renda de R$ 2,5 mil na aposentadoria dos 65 aos 95 anos.

Imposto de Renda

Um mapa mental sobre os impostos pagos ao longo do ano pode ajudar a pagar menos tributos daqui para a frente.

Para isso, basta separar os impostos em três grupos:

  • Desconto na fonte (salários)
  • Tributação definitiva
  • Isento

O porcentual de tributos definitivos é fixo: portanto, não poderá ser ajustado. Já o imposto sobre a renda também pode ser otimizado por deduções.

Mas a ideia do mapa é tornar a renda mais isenta de impostos, diz Castro. “Além de ficar atento ao que pode ser deduzido, uma forma de aumentar as despesas isentas é aplicar valores em um PGBL, que permite postergar o pagamento de impostos”.

Muita gente não busca otimizar o pagamento de impostos, mas quando chega o período de inatividade terá de pagar impostos sobre a renda passiva, lembra Castro. “Se não diminuir esse pagamento antes, o dinheiro acumulado pode durar menos”.

Para saber ainda mais sobre investimentos educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias