Organizar as contas

Porquinho na era virtual: como ensinar seu filho a poupar e investir?

Não faltam ferramentas tecnológicas que ajudam a ensinar a criança a lidar com o dinheiro. Mas é importante não se esquecer do básico

Porquinho rosa de louça usado para guardar moedas, com uma criança pequena ao fundo
Criança guarda dinheiro em seu porquinho. Fonte: Adobe Stock

Por Marília Almeida

Conta mesada, conta pré-paga e contas “rendeiras” virtuais: hoje em dia não faltam ferramentas tecnológicas que ajudam a ensinar a criança a lidar com o dinheiro. Mas especialista aponta que, quando se trata de educação financeira, não devemos esquecer do básico.

Carol Stange, educadora e consultora financeira, aponta que mesmo ante essa profusão de produtos financeiros o velho porquinho para encher com moedas continua sendo o mais recomendável para crianças de até seis anos.

“O porquinho é um objeto muito lúdico que mostra que o dinheiro precisa ser guardado em um determinado local, que não é para colocar na boca ou deixar no meio da sala. E crianças pequenas aprendem pegando e vendo. Portanto, continuará sendo essencial neste primeiro contato. Até os animais da cédula podem ajudar a identificá-las”.

+ Alfabetização Financeira: ensine seus filhos a cuidar do dinheiro

É somente a partir dos 7 anos que as plataformas digitais podem ser usadas como suporte para esta educação financeira, completa Stange. “Quando o porquinho tiver cheio é possível colocar o dinheiro em uma conta digital para multiplicar. Mas a criança só vai entender essa fase se a primeira tiver sido bem conduzida e ela encarar o ato de poupar com naturalidade”.

Apps de mesada e contas pré-pagas também são ferramentas que podem ser usadas nesta fase para compras na cantina da escola, por exemplo. Mas Stange alerta os pais para que tenham o cuidado de não delegar a educação financeira para essas plataformas “Existe um incentivo comercial para o uso delas. Portanto, é necessário atenção para ofertas desnecessárias oferecidas à criança”.

Veja abaixo como ensinar sobre dinheiro em cada idade da criança e como usar as ferramentas tecnológicas da melhor forma para apoiar esse processo:

De 4 a 6 anos

Como ainda não iniciou a fase de cálculos, o objetivo nesta fase é que a criança veja visualmente a importância de poupar visualmente. E nada melhor para isso do que ver o porquinho enchendo com moedas.

O ideal é que o cofrinho seja transparente, para a criança verificar que cada moeda colocada faz com que o montante cresça e entenda o conceito.

O ideal é que, nesta fase, a criança consuma o dinheiro como forma de aprender a fazer escolhas. É importante que possa manusear as moedas e cédulas para comprar gibis na banca de jornal ou doces.

Os pais devem incentivar a criança a entregar o dinheiro ao vendedor e perguntar quanto é, de forma a entender que a transação é um momento de troca.

Dos 7 aos 10 anos

A partir do início da alfabetização, momento no qual começa a aprender a somar e subtrair, a criança já pode realizar cálculos simples como forma de entender que compras envolvem troco.

Nesta fase é possível iniciar a “semanada”. Ou seja, dar um determinado valor por semana para a criança usar na cantina da escola, por exemplo. É uma forma de que elas, aos poucos, aprendam a administrar o dinheiro.

É recomendável dar orientações e supervisionar os gastos. Por exemplo, apontar que o valor dá para comprar um pão de queijo por dia. Neste processo é importante acompanhar as compras e instituir o dia em que poderá comprar doces, por exemplo.

Outra forma de dar autonomia para crianças menores é dar um valor para gastar no supermercado, seja para comprar o que quiser ou o lanche que irá levar na escola.

+ 5 dicas para ajudar seu filho a começar a investir

Quanto mais nova a criança, mais redondo deverá ser o valor, para facilitar os cálculos. “Dessa forma a criança vai exercitando sua autonomia, trocando produtos quando verifica que é possível comprar mais com o mesmo valor. No fim, ela se sente vitoriosa e radiante por ter feito a escolha”.

A família pode dizer quais alimentos não entram no desafio e que a compra deve seguir as regras da casa. “Caso contrário, a criança irá pensar que dinheiro compra tudo, inclusive regras”, pontua Stange. É possível orientá-las que ao invés de comprar um chocolate, com o mesmo valor dá para comprar um bolinho e um suco, e que isso irá deixá-la melhor alimentada”.

É também nesta fase que é possível começar a introduzir a noção de investimentos. “A criança ainda não deveria ter desejos de consumo. Então, se ela não quiser gastar o dinheiro é possível separar uma parte dele para que seja multiplicado”.

Dos 10 aos 14 anos

Nesta fase os pais podem instituir a “quinzenada”, pois a criança já evoluiu nos cálculos e consegue ter maior habilidade em administrar o dinheiro em prazos maiores. É somente com 15 anos que se recomenda dar a mesada.

Crianças nesta fase começam a ter desejos de consumo. Portanto, é recomendável estipular limites. Se precisar de um tênis novo, mas quiser um mais caro, é importante que os pais ofereçam o dinheiro que acreditam ser essencial para a compra do bem e peçam para ela utilizar o seu dinheiro para pagar o restante. “É um exercício de escolha que será importante em sua vida financeira”, diz Stange.

“Se os pais ficarem com dó e acabarem cedendo, estão ensinando que quando a criança quiser dinheiro ela sempre poderá pedir a alguém. E no futuro essa figura poderá ser ocupada pelo banco, na forma da contratação de empréstimos”, completa a educadora.

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias