Renda fixa

Selic em queda e aumento das receitas melhoram perspectiva para crédito privado, diz sócio da Jive

No segmento de crédito high yield, rentabilidade dos papéis se manteve e empresas apresentam agora melhor saúda financeira, explica Samer Serhan, sócio da Jive Investimentos

Dinheiro/reais. Foto: Adobe Stock
O mutirão Renegocia deve ajudar a desafogar muitos tipos de dívida. Foto: Adobe Stock

Por Daniela Frabasile

2023 foi a tempestade perfeita no mercado de crédito. Com a Selic por boa parte do ano mantida no nível mais alto do ciclo atual, em 13,75%, as despesas financeiras pressionavam os balanços das empresas. Por outro lado, as companhias tinham pouco espaço para vender mais e aumentar seu faturamento. Não à toa foi um ano de escassez de negócios. Para 2024, entretanto, o céu começa a clarear. O Copom se mantém firme no movimento de redução de juros e, com isso, aumentam as ofertas de crédito às empresas. A aceleração do consumo ao final do ano passado também ajuda a desafogar as contas.

No mercado de crédito, essa melhora é diferente em cada segmento. Para as empresas com menor risco de inadimplência, o custo de captação de dívida tem caído. Essa é a faixa conhecida no mercado como high grade, em referência às boas notas que as emissões obtêm das agências de classificação de risco. No outro extremo fica o segmento high yield (altas taxas, na tradução literal), que concentra as empresas em situação mais complicada e que, por isso, acabam pagando mais caro nos empréstimos que tomam. É nesse nicho que a Jive Mauá mais atua. Nesse lado, a melhora do mercado de crédito não vem acompanhada de reduções drásticas na rentabilidade – boa notícia para os investidores – mas de um aumento da oferta de crédito e maior diversificação de credores, explica Samer Serhan, sócio da Jive Mauá.

Em entrevista ao Bora Investir, Samer Serhan comentou as perspectivas para o ano de 2024 e o amadurecimento do mercado de crédito no Brasil. Confira a entrevista completa.

Bora Investir: Como vocês encaram o cenário atual para o crédito privado? Ainda estamos com taxas de juros elevadas, mas já há uma melhora para os balanços das empresas?

Samer Serhan: Tudo o que a gente for analisar, a gente faz uma base comparativa. Em 2023, as empresas estavam super apertadas na parte financeira, com as despesas e os custos de produção elevados, mas as receitas não estavam crescendo tanto. Então era uma tempestade perfeita. No final do ano passado e início deste ano, começamos a ver alguma mudança, com as empresas conseguindo vender mais, com faturamento maior.

Começamos a ver uma queda de Selic, que ainda não é de fato material para que a companhia pague menos juros e tenha menos despesa financeira, mas pelo menos o mercado está mais propenso a fazer operações.

Papel ou tijolo? Como se posicionar nos fundos imobiliários (FIIs) para 2024

Então a gente vê uma condição melhor para as empresas se refinanciarem, ou para financiar o capital de giro e investimentos ao longo deste ano, por causa de um ambiente menos avesso a risco, no geral. Em janeiro já vimos uma captação boa dos fundos, os bancos concedendo mais crédito, a inadimplência já dando sinais de melhora.

Bora Investir: Muito tem se falado que neste ano devemos ter mais emissões de títulos de crédito por parte das empresas. Você vê um cenário propício para isso?

Samer Serhan: Sempre existiu um pipeline de empresas para fazer emissão. A diferença era que não existia a ponta do investidor querendo comprar. No ano passado, devem ter ficado represados, facilmente, uns R$ 200 bilhões em operações.

Então, sim, a gente vê uma propensão muito grande. Tanto na parte de investimento, então aquele capital que entra para a empresa investir em ativo fixo, em equipamento, em aquisições, quanto para capital de giro, porque as receitas estão crescendo, para fazer frente a esses pedidos novos, esse faturamento novo, e a empresa precisa de um capital de giro um pouco maior.

Bora Investir: Falando agora mais especificamente do segmento de crédito high yield, onde a Jive mais atua. Como essa melhora do cenário de crédito impacta suas operações?

Samer Serhan: As empresas que estão no segmento em que pagam mais caros em dívidas têm menos elasticidade em relação ao cenário. O que isso quer dizer? Se o mercado está muito bom, não significa que ela vai pagar muito mais barato. Vai pagar um pouquinho mais barato. Já se o mercado piora muito, não significa que ela vai pagar muito mais caro, porque já está pagando caro.

Queda de juros deixa gestores de FIIs otimistas para 2024

Então é mais constante. O que acaba acontecendo é que essas empresas acabam tendo mais oferta de gente interessada em querer conceder operações. Melhora um pouco a diversificação de credores, a companhia fica mais motivada a fazer investimentos, a crescer.

Do lado dos investidores, ele não fica tão concentrado naquele devedor, há uma abertura maior para outros fundos e outros bancos entrarem. A gente vê essa melhora de uma maneira bem positiva, e ela já está acontecendo para a gente. Vemos devedores interessados em pré-pagar algumas dívidas porque conseguiram linhas novas, mais alongadas, com menos garantia, e é um ciclo natural. Mas a gente não vê uma abertura ou um fechamento de taxa pra esse nicho que a gente atua majoritariamente.

Bora Investir: Queria falar um pouco também sobre o mercado secundário de títulos de crédito. Você tem visto mais liquidez?

Samer Serhan: Muito mais. Houve um movimento de crescimento dos fundos de crédito, então, de fato, esse nicho cresceu muito em tamanho. Casas como a XP, o BTG, o Itaú passaram a oferecer crédito no secundário para os seus clientes, pessoas físicas, e para os seus clientes institucionais, sejam eles outros fundos ou fundos de pensão. Então começou a ter uma formação de mercado secundário muito mais saudável, onde você tem mais atores, como grandes corretoras, grandes bancos, os próprios fundos e pessoas físicas.

A gente particularmente é muito ativo no mercado secundário, dentro da classe de ativo de high yield. Somos procurados pelas principais corretoras, pelos principais clientes e a gente tem visto um fluxo bem crescente desde o segundo semestre do ano passado.

Era uma reclamação, mas não tinha muito o que se fazer. Em maturidade de mercado, você não consegue forçar a barra. O mercado tinha de crescer, se desenvolver, tinha uma curva de aprendizado para chegar onde está chegando. E ainda é muito restrito. Não é que você abre a torneira e cai 100 litros de água. Você abre a torneira e cai um litrinho de água ali, onde não caía uma gotinha. Melhorou, mas ainda não é um oceano de oportunidade. Mas a gente já vê de uma maneira bem mais sadia e natural do que a gente via há dois, três anos, com certeza.

Quer aprender mais sobre como investir? Confira o curso gratuito ‘Começando a investir do zero’ no Hub de Educação da B3!

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.