Ações

Crise na FTX dá sinal de alerta ao mercado mundial de criptomoedas

Empresa passa por uma crise de liquidez e possiblidade de falência impacta o mercado de moedas digitais em todo o planeta

Calculadora com moedas em cima, bitcoin
Moedas digitais, bitcoin. Fonte: Adobe Stock

O mercado de criptomoedas vive uma semana turbulenta diante da grave crise de liquidez da FTX – sétima maior corretora de criptoativos do mundo. A empresa corre o risco de quebrar se não conseguir recursos para cobrir um rombo de até US$ 8 bilhões.

A crise envolvendo a companhia de Sam Bankman-Fried se aprofundou após a rival Binance cancelar abruptamente uma oferta de aquisição da FTX. Pelas redes sociais, a maior corretora do mundo afirmou que desistiu da compra depois de fazer ‘due diligence’.

“Os problemas [de liquidez] estão além do nosso controle ou habilidade para ajudar”, tuitou a Binance que em nota completou. “Como resultado também das últimas notícias sobre fundos mal administrados de clientes e supostas investigações de agência dos EUA, decidimos que não daremos continuidade à potencial aquisição da FTX”.

Todo o problema começou no domingo (06/11) e piorou na quarta-feira (09/11) quando Bankman-Fried informou aos investidores que precisava de dinheiro para permanecer solvente. E completou que estava tentando levantar financiamento de resgate na forma de dívida, capital ou uma combinação dos dois, segundo informou a agência Bloomberg.

O sócio da gestora BLP Crypto, Axel Blikstad, explica que houve um claro desvio na administração da companhia que culminou nos problemas financeiros.

“Não teve governança nas empresas FTX e a Alameda Research, dois negócios do Sam Bankman-Fried. Você não pode tomar dinheiro de ativos de clientes e emprestar para uma empresa irmã para ela se alavancar e operar no mercado. É basicamente isso que aconteceu”.

Crise de liquidez

Diante dos problemas de liquidez, observados no balanço da empresa, houve uma correria para resgatar os ativos.

“Quando saiu a matéria do balanço pela CoinDesk, site de notícias especializado em moedas digitais, houve uma corrida – a clássica corrida de banco – de liquidez e, como não havia todos os ativos compatíveis com saques que começaram lá no domingo e culminaram na terça-feira, os saques não puderam ser feitos. Uma crise de liquidez mesmo”, explica Axel Blikstad.

As autoridades dos Estados Unidos estão apurando o que aconteceu com a FTX que, além das dificuldades financeiras, apresenta problemas de liquidez e solvência. Dentre as principais linhas de investigação está se a empresa lidou de forma inadequada com os recursos dos clientes. Além do relacionamento com outras partes do império de criptoativos de Bankman-Fried, incluindo sua trading Alameda Research.

O caso já está sob investigação na Securities and Exchange Commission (SEC) e na Commodity Futures Trading Commission (CFTC).

+ Criptomoedas: tudo o que você precisa saber sobre elas

E o dinheiro dos investidores?

Os problemas na FTX preocupam não apenas pelo destino da companhia, mas principalmente sobre como os investidores vão conseguir recuperar os ativos. A corretora suspendeu parte dos saques no início da semana. As empresas Robinhood Markets, Binance e a Coinbase já registraram uma grande entrada de recursos.

 No Brasil, a crise na FTX tem preocupado muitos investidores de ETFs de criptoativos. Para o sócio da gestora BLP Crypto é preciso de cautela neste momento, uma vez que a instabilidade pode trazer mais volatilidade às moedas digitais.

“O que acontece quando tem um evento tão grande como esse com a FTX, que envolve um volume muito grande de operação, é um medo generalizado no ecossistema como um todo. E muita gente acaba saindo de suas posições, o que afeta todos os ativos de maior liquidez, que acabam tendo uma fuga de capital muita rápida. Isso causa venda e esses movimentos drásticos no mercado”, afirma o sócio da gestora BLP Crypto.

E o mercado de criptomoedas?

Depois de perder em apenas três dias mais de US$ 236 bilhões, o mercado de criptoativos começa a melhorar. Segundo analistas, reflexo do resultado mais ameno da inflação nos Estados Unidos.

Aos poucos, o bitcoin (BTC), que chegou a ser negociado na casa de US$ 16 mil – menor valor desde novembro de 2020 – se recupera nesta quinta-feira.

Perto das 15h30, o bitcoin tinha alta de 3,28%, cotado a US$ 17.293. O ethereum (ETH) avançava 9,29% a US$ 1.265. Os dados são da Coindesk.

“O mercado de cripto está num alívio momentâneo. Não se sabe ainda o que pode acontecer. Então acho que o mercado deve ficar bem nervoso nos próximos dias ou semanas até saber exatamente se alguém vai sair ileso de toda essa situação”, acredita Axel Blikstad.

Quem é Sam Bankman-Fried?

Sam Bankman-Fried
Foto: FTX/Reprodução/Reprodução

Sam Bankman-Fried já foi considerado um garoto prodígio das criptomoedas. Com apenas 30 anos, ele chegou a ter sua fortuna avaliada em US$ 26 bilhões. Também já foi comparado a John Pierpont Morgan – empresário que ajudou a construir um dos maiores conglomerados financeiros do planeta, o JP Morgan.

+ Como investir em cripto pela bolsa? Guia prático

A situação lembra da importância de diversificar investimentos. Este vídeo traz informações sobre o tema:

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias