Tipos de investimentos

Você sabe o que é uma ação? Entenda o significado de ON, PN e mais

Estrelas da bolsa, esses ativos podem ter diferentes objetivos para as empresas e também para o bolso dos investidores

Placa B3

Ações que sobem, ações que descem, mercado de ações, oferta de ações. Mesmo quem ainda não investe em renda variável já ouviu falar delas. Mas você sabe, na prática, o que são as ações?

Uma ação é a menor parcela do capital social de companhias ou sociedades anônimas. É, portanto, um ativo financeiro que dá aos seus titulares, os chamados acionistas, os direitos e deveres de um sócio – no limite estabelecido pelo tipo de ação comprado (falamos mais disso abaixo!). Em outras palavras, ao comprar ações, os investidores compram um pedaço – ainda que pequeno – de uma empresa, que pode até ser um unicórnio.

Apesar de todas as companhias terem o seu capital dividido em ações, somente as ações emitidas por companhias registradas na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), chamadas companhias de capital aberto, podem ser negociadas na B3, a bolsa do Brasil.

Como as ações de uma empresa chegam ao mercado?

O principal objetivo das empresas ao emitir ações é captar recursos para desenvolver projetos que viabilizem, principalmente, a expansão de seus negócios. Há dois tipos de emissão: por meio de uma oferta inicial (IPO) ou de uma oferta subsequente (Follow-on).

O IPO, sigla em inglês para Oferta Pública Inicial, é a primeira emissão de ações no mercado. É quando a empresa abre seu capital e põe suas ações à disposição dos investidores. Após a abertura de capital e a oferta inicial, a empresa poderá realizar outras ofertas públicas, conhecidas como “Follow-on”.

Você sabia?

Fundado em 1808, o Banco Brasil foi a primeira empresa brasileira a ser listada na bolsa de valores. Quase um século após sua criação, e depois de mudanças na sua atuação, em 1906, a empresa se tornou a primeira companhia aberta na Bolsa Livre do Rio de Janeiro.

As ofertas públicas de ações podem ser do tipo primárias ou secundárias. Isso quer dizer que na distribuição primária, a empresa emite e vende novas ações ao mercado. No caso, o vendedor é a própria companhia e, assim, os recursos obtidos na distribuição são canalizados para o caixa da empresa.

Por sua vez, em uma distribuição secundária, quem vende as ações é o empreendedor e/ou algum de seus atuais sócios.

Ações ordinárias (ON) e preferenciais (PN): saiba as diferenças

Quem já procurou sobre ações de empresas já deve ter notado algumas diferenças em seus nomes. Os tickers (o código como as ações são negociadas na bolsa), são seguidos das siglas ON ou PN, que se referem a, respectivamente, ordinárias e preferenciais.

A principal diferença é que as ações ordinárias (ON) dão ao investidor o direito a voto nas assembleias de acionistas. Por isso, são interessantes para quem quer influenciar na atuação e nas decisões da empresa, pensando no longo prazo. Na B3, há algumas empresas que só têm ações ON, como WEG, Lojas Renner e Magalu. Mas vale lembrar que o peso do voto é determinado pela quantidade de papéis nas mãos do investidor.

Já as ações preferenciais (PN) não oferecem esse benefício aos acionistas. Mas têm uma contrapartida: permitem receber dividendos em valor, no mínimo, 10% superior ao das ações ordinárias. Quem tem ações PN também tem prioridade no recebimento de reembolso do capital em caso de falência ou liquidação da empresa.

Como funciona o pagamento de dividendos de ações?

Apesar de pagar dividendos menores, as ordinárias também dão aos investidores um direito chamado de tag along. Esse é um mecanismo que busca proteger o pequeno investidor quando há uma mudança de direção da empresa, assegurando o direito do detentor de vender suas ações caso não queira permanecer no novo negócio.

Em caso de aquisição da empresa, o comprador deve fazer uma oferta pública para todos os acionistas ordinários de, no mínimo, 80% do valor ofertado pelas ações do grupo controlador. Ou seja, se a empresa for comprada por um preço de R$ 10 a ação, o acionista terá direito a vender sua ação ordinária ao comprador por pelo menos R$ 8, independentemente do valor de mercado da ação naquele momento.

As ações preferenciais podem ou não entrar na regra do tag along. Isso vai depender do Estatuto Social da empresa. Nele constam informações importantes sobre a companhia, como a regulamentação das assembleias e dos conselhos.

Uma forma simples de identificar se uma ação é ordinária ou preferencial, além da denominação ON e PN que pode aparecer junto ao ticker, é olhar o número de referência na bolsa. Na B3, as ações ordinárias terminam com a numeração 3, como: VALE3, PETR3 e WEGE3. Enquanto as ações preferenciais têm sua terminação no número 4, como: ITUB4, GGBR4, PETR4.

Além desses papéis, a bolsa também negocia units, que reúnem mais de um tipo de valor mobiliário, em geral, ações ON e PN. Por misturarem as duas classes de papéis, elas podem dar dividendos e direito a voto. E são identificadas na B3 pelo número 11 após o código da empresa.

Agora que você conheceu as diferenças entre ações ON, PN e Units, saiba como acontece o processo de abertura de capital de uma empresa!

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias