Fundos de Investimento

Conheça os fundos imobiliários expostos ao Gramado Parks, que suspendeu pagamentos de CRIs

Conglomerado conseguiu na justiça a suspensão por 60 dias do pagamento a credores das obrigações relacionadas a títulos de crédito para o financiamento de projetos imobiliários e turísticos

Gramado Park. Foto: Divulgação
Gramado Park: grupo conseguiu na Justiça suspensão de pagamento a credores. Foto: Divulgação

Um levantamento feito pela área de análise do Clube FII apontou que 14 fundos imobiliários estão expostos ao grupo Gramado Parks.

O conglomerado conseguiu na justiça a suspensão por 60 dias do pagamento a credores das obrigações relacionadas a títulos de crédito para o financiamento de projetos imobiliários e turísticos (CRIs). No total, os fundos têm R$ 1,33 bilhão em CRIs do empreendimento.

Os FIIs com mais expostos ao Gramado Parks são:

  • Hectare CE (HCTR11)
  • Devant Recebíveis Imobiliários (DEVA11)
  • Versalhes Recebíveis Imobiliários (VSLH11)
  • Serra Verde (SRVD11)
  • Tordesilhas EI (TORD11)
  • Iridium Recebíveis Imobiliários (IRDM11)
  • Blue Recebíveis Imobiliários (BLUR11)
  • Iridium (IRIM11)
  • ]Kilima Volkano Recebíveis (KIVO11)
  • Suno Recebíveis (SNCI11)
  • NCH Brasil Recebíveis Imobiliários (NCHB11)
  • TG Ativo Real (TGAR11)
  • Devant Properties (DPRO11)
  • Banestes Recebíveis Imobiliários (BCRI11).

Metodologia do levantamento

No levantamento feito pelo Clube FII, a identificação dos 14 FIIs expostos ao Gramado Parks foi embasada pela verificação dos termos de securitização dos fundos.

O termo de securitização é um documento com valor legal onde estão listados todos os créditos imobiliários que servem de lastro para a emissão de um CRI. Este documento é levado ao Registro de Imóveis e a registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) após o cumprimento de exigências legais.

Além dos termos de securitização, outras fontes de informação usadas para o estudo foram os fatos relevantes, relatórios gerenciais e informes trimestrais dos fundos.

Entenda o que aconteceu com o Gramado Parks

No dia 22 de março, as empresas do grupo Gramado Parks conseguiram na 2ª Vara Judicial da Comarca de Gramado, no Rio Grande do Sul, tutela cautelar para a suspensão da exigência, além de moratória por 60 dias para o pagamento das obrigações referentes a Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI).

A medida – descrita como um período de preparação para o processo de recuperação judicial – impede a Forte Securitizadora, emissora dos CRI, de acionar cláusulas do contrato para a execução das garantias, além de realizar cobranças automáticas dos pagamentos previstas em contrato. 

+ Fizemos as contas para você: saiba quanto R$ 100 mil rendem em fundos imobiliários

O deferimento parcial ao pedido do Gramado Parks foi dado pela juíza Graziella Casaril. No processo, ela cita a existência de mais de 1.500 outros processos contra o grupo empresarial.

A alegação do conglomerado junto à justiça foi de que o financiamento por meio dos CRIs teria sido motivado pela redução da “sustentabilidade das atividades” devido à pandemia de Covid-19 e ao aumento dos índices de inflação que teriam gerado “aumento significativo na quantidade de distratos dos contratos imobiliários”.

As quatro empresas devedoras que compõem o grupo Gramado Parks estão nos estados do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro. São elas a Gramado Parks Investimentos e Intermediações, Brasil Parques Temáticos e de Diversão, Gramado Promoção de Vendas e a ARC Rio.

Qual é o fundo imobiliário mais exposto ao Gramado Parks?

O relatório também mostra o nível de exposição ao risco de calote do Gramado Parks de cada um dos 14 Fundos Imobiliários citados. Entre os fundos imobiliários mais expostos ao Gramado Parks, estão o HCTR11, DEVA11 e o TORD11.

“Contudo, os fundos possuem mecanismos de proteção, como o fundo de reserva. Este fato pode diminuir o impacto total nestes FIIs, fazendo com que mantenham suas distribuições nos mesmos patamares atuais, mesmo com a provável insolvência do grupo”, alerta no relatório Danilo Barbosa, sócio-diretor de Research do Clube FII.

Quais os riscos para os investidores?

Em relação aos riscos a que os Fundos Imobiliários estão sujeitos, houve destaque no relatório para o ‘efeito manada’ de investidores – em massa – vendendo as cotas.

O movimento vem sendo verificado desde a notícia da decisão judicial favorável à Gramado Parks, em 22 de março, com a queda acentuada das cotações das cotas dos FIIs negociadas na B3.

As perdas acumuladas nos preços das cotas nos últimos dias para alguns FIIs como o HCTR11, VSLH11 e o DEVA11, ultrapassam 20%.

Dos 14 Fundos Imobiliários expostos, seis já divulgaram comunicados para os investidores sobre o problema e as medidas que devem ser adotadas.

Os fundos HCTR11, TORD11, SRVD11, KIVO11, VSLH11, BCRI11 e DEVA11 começaram a divulgar fatos relevantes uma semana após a decisão judicial favorável à Gramado Parks.

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias