Notícias

China avalia flexibilizar restrições à Covid; mercado reage com otimismo

As mudanças na política de controle de casos no país asiático animaram os mercados pelo mundo; preços das commodities também estão em alta

Conteiner com cores da china
O regime de tolerância zero contra a Covid foi adotado desde o início da pandemia pelo presidente da China, Xi Jinping. Foto: Adobe Stock

A China avalia mudanças na política de controle dos casos de Covid-19 – conhecida como ‘Covid-Zero’. A informação é do ex-epidemiologista-chefe do Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças, Zeng Guang. Ele falou durante uma conferência organizada pelo Citigroup, segundo a agência de notícias Reuters.

O regime de tolerância zero contra a Covid foi adotado desde o início da pandemia pelo presidente da China, Xi Jinping. Quando novos casos da doença surgiram, partes das cidades chinesas eram isoladas e ficavam semanas em quarentena. A medida trouxe danos profundos à economia e para os mais de 1,4 bilhão de habitantes, como explica o sócio e head de Renda Variável da Monte Bravo Investimentos, Bruno Madruga.

“Essa política de covid-zero diminuiu bastante o crescimento chinês. A expectativa que temos é de crescimento do PIB para 2022 na ordem 3%, 3,5%. Esse percentual é muito parecido com o crescimento do Brasil – coisa que a gente não imaginaria nos últimos períodos para o país asiático”.

A China também elabora planos para acabar com o sistema que penaliza as companhias aéreas por trazer casos de vírus para o país, de acordo com a Bloomberg. O mecanismo suspende as companhias aéreas de rotas específicas por uma ou duas semanas.

A mesma medida foi adotada em Hong Kong, mas acabou interrompida em julho. O objetivo é aumentar os voos até um retorno completo do tráfego aéreo.

China anima mercados

A possibilidade de menos restrições animou o mercado financeiro em todo o mundo, já que a China é um importante exportador de commodities.

Às 15h20, a bolsa operava em alta de 1,40% aos 118.527 pontos – puxada pelas principais empresas brasileiras ligadas a commodities metálicas, com seus produtos se valorizando no exterior. Na máxima do dia, o Ibovespa bateu os 120.039 pontos. A alta é puxada pelas ações ordinárias da Vale (VALE3) que operam em alta de 7,74%, a R$ 72,35.

“É importante dizer que essa política de covid-zero foi muito agressiva. Então quando a China retoma a atividade, ela melhora muito o cenário para as commodities brasileiras. Na cabeça dos investidores, é importante dizer, que o Brasil teve uma ótima semana, especialmente se comparada a semana difícil lá nos Estados Unidos”, afirma Paulo Gala, economista-chefe do Banco Master.

Commodities em alta

A expectativa cada vez maior de que a China flexibilize a política de covid zero impulsionou a cotação das commodities. O minério de ferro subiu 5,1% no mercado à vista, para US$ 88,05 a tonelada, segundo o índice da S&P Global Commodity Insights.

O barril de petróleo Brent – referência internacional – sobe 3,90%, a US$ 98,36 dólares o barril. O WTI – referência americana – avança mais 4,54%, a US$ 92,17 dólares o barril.

+ O que pode influenciar no preço das commodities? Veja diversos fatores

“Com uma reabertura chinesa, haveria um consumo maior de commodities de todos os níveis. Não à toa, a gente está vendo não só o preço do petróleo e o preço do minério subirem, mas também cobre, prata, zinco, algodão, gás natural e grãos”, afirma o sócio e head de Renda Variável da Monte Bravo Investimentos.

+ Primeiro ETF de Milho começa a ser negociado na bolsa brasileira

Para Bruno Madruga, esse movimento pode ser uma oportunidade para a economia brasileira. “Uma simples reabertura da China já traria um crescimento bastante importante para o país asiático. Aliás, uma grande oportunidade para o Brasil, já que a China é o nosso principal parceiro econômico”.

Economia Chinesa

O presidente chinês, Xi Jinping, disse hoje na abertura da Exposição Internacional de Importação da China, que o país vai compartilhar as oportunidades do grande mercado chinês com o mundo. Afirmou ainda que modernizar o comércio de mercadorias é acelerar a construção de um mercado interno forte, na “direção correta da globalização econômica”.

“O mundo está passando por mudanças rápidas e a economia mundial está insuficiente para a recuperação”, disse o líder chinês.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias