Notícias

Como as carteiras se diversificam no atual cenário de incertezas?

Painel do MKBR22 discutiu como os investidores devem enfrentar o cenário atual pós-pandemia

Apresentadores e entrevistados do Papo de Valor
Acontecimentos recentes impactaram na economia e política mundial, influenciando também o mercado financeiro. Foto: Divulgação/Cauê Diniz

Se há um tempo os investidores viveram um cenário tranquilo de inflação controlada e juros baixos, os últimos dois anos trouxeram a pandemia e a guerra na Ucrânia. Estes e outros acontecimentos impactaram na economia e política mundial, influenciando também o mercado financeiro.

Diante dessas novas circunstâncias e suas consequências que ainda se prolongam, investidores precisaram readequar suas carteiras e rever estratégias. Um dos painéis apresentados hoje pelo MKBR22, evento realizado pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) em parceria com a B3, trouxe especialistas para discutir como os investidores devem enfrentar esse novo cenário. Confira a seguir alguns dos principais pontos abordados.

Protagonismo da Renda Fixa

Segundo uma das convidadas do painel, a influenciadora digital Marilia Fontes, a principal mudança observada nos últimos dois anos foi a readequação de carteiras em favor da renda fixa. O período da pandemia tornou necessárias medidas de estímulo econômico por parte de governos, o que injetou dinheiro na economia e aumentou o consumo da população.

O quadro provocou a alta da inflação e dos juros. Foi esse o caso observado no Brasil e também ao redor do mundo, como nos Estados Unidos, onde também houve medidas de estímulo e consequente alta da inflação. Porém, enquanto o Brasil já começa aos poucos a se recuperar, o cenário mundial deve conviver com taxas altas por mais tempo.

+ Por que imprimir mais dinheiro não acaba com a crise

Com o aumento das taxas de inflação e dos juros, tornaram-se vantajosos os investimentos em renda fixa pós-fixados pelos dois indicadores. Segundo levantamento da Anbima, a renda fixa foi responsável por 96% das emissões do mercado de capitais em agosto – a maior participação para um mês desde setembro de 2018.

Em relação às debêntures, um dos produtos da renda fixa, o volume captado foi de R$ 180,2 bilhões em 2022, contra R$ 137,5 bilhões de janeiro a agosto de 2021 – naquele período, a Selic estava em 5,25%.

Educação financeira

Outra participante do painel, Luciane Effting, head da Área de Distribuição de Investimentos do Banco Santander, destacou como o período da pandemia favoreceu novos aprendizados, graças à proliferação de conteúdos digitais voltados às pautas de finanças e investimento. Segundo Effting, uma maior quantidade de informação circulando trouxe mais segurança aos investidores, sobretudo aos iniciantes.

Por outro lado, ela também destacou como assessorias profissionais são muito importantes para o investidor, seja ele experiente ou iniciante. Effting afirmou que os investidores que se saíram melhor no advento da pandemia foram os mais bem assessorados, uma vez que puderam readequar suas carteiras – no geral, passando da renda variável para a fixa – com mais rapidez.

Renda fixa x Variável

Mais um convidado do painel, Fernando Miranda, responsável pela área de investimentos no Nubank, ressaltou a importância da educação financeira. Segundo Miranda, os brasileiros estão começando a entender que investir é essencial para a conquista de objetivos. Destacou também que a rotina de investimentos pode ser de grande ajuda para a superação de problemas típicos da sociedade brasileira: a dificuldade de poupar e de se planejar financeiramente.

Miranda também afirma que, mesmo com o protagonismo da renda fixa observado nos últimos anos, a renda variável continua a ser uma opção. Alguns números corroboram a visão do especialista; segundo levantamento da B3, de agosto de 2021 ao mesmo mês de 2022, foi registrado aumento de 40% de novos investidores no mercado de ações. Ao todo, 4,4 milhões de pessoas investem na bolsa.

Os três especialistas concordam que o mercado financeiro está se dinamizando. Eles citaram como exemplo a criação de novos BDRs e fundos de investimento.

Quer saber tudo sobre finanças? Acesse os cursos gratuitos da B3 Educação.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias