Notícias

Melhor resultado fiscal “não vem da cabeça do ministro”, afirma Haddad

Declaração do ministro ocorre em meio ao esforço para aumentar a arrecadação e às discussões sobre alterar a meta fiscal em 2024

Fernando Haddad. Foto: Reprodução BTG.
O ministro da Fazenda, Fernando Haddad em evento do BTG Pactual em São Paulo. Foto: Reprodução BTG.

Por Redação B3 Bora Investir

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou nesta segunda-feira, 06/11, que existe espaço para trazer os juros a um “patamar civilizado” no país, desde que haja compromissos dos três poderes.

Em evento do BTG Pactual em São Paulo, Haddad disse também que cada um dos poderes precisa entender o impacto das suas decisões. Segundo ele, a busca por um melhor resultado fiscal não vem da “cabeça do ministro”.

A fala acontece em meio aos esforços do governo para aumentar a arrecadação e às discussões sobre alterar a meta de déficit zero nas contas públicas em 2024.

“Resultado fiscal não é da cabeça do Ministro da Fazenda ou do Presidente, é um trabalho em conjunto em que o Executivo, o Legislativo e Judiciário têm que entender a consequência das suas decisões”.

A declaração do ministro foi lida pelo mercado como uma crítica a duas decisões do judiciário, que diminuíram as receitas do governo. São elas:

  • Decisão de 2017 que autorizou empresas a abaterem impostos sobre determinados incentivos fiscais dados por estados (subvenções). Esse parecer, no entanto, foi alterado em abril deste ano pelo Superior Tribunal de Justiça, obrigando que os impostos voltem a serem cobrados. Para buscar os valores atrasados, o Congresso ainda precisa aprovar uma Medida Provisória, o que daria um incremento de R$ 90 bilhões na arrecadação.
  • Em 2017, o Supremo Tribunal Federal definiu que o valor que as empresas devem pagar de PIS e Cofins ao governo federal deve ser excluído do montante já pago de ICMS aos Estados. Isso diminui a arrecadação da União.

Segundo Haddad, a erosão de tributos federais relacionada a esses temas deve chegar a R$ 65 bilhões em 2023 e impacta o arcabouço fiscal.

“Essa decisão gerou um estoque de dívida que não está sendo pago como precatório, mas tem sido abatido do fluxo de arrecadação”.

O ministro também afirmou que a arrecadação federal não deve aumentar “nem 1%” este ano. Apesar disso, apontou que o Produto Interno Bruto do Brasil deve crescer 3% em 2023.

Continuidade da queda dos juros

Em relação aos juros ainda em patamares elevados, Haddad disse que o Banco Central tem “muita gordura monetária para queimar”. Declarou ainda que segue trabalhando em parceria com o BC para que o ciclo de cortes da Selic continue.

“Estamos fazendo o certo do ponto de vista fiscal [contas públicas] e trazendo a inflação para menos da metade [de 2022]. Isso é muito relevante, pois a inflação não está sendo baixada na marra. Está sendo feito um trabalho para que isso aconteça”.

Na semana passada, o Comitê de Política Monetária voltou a baixar a Selic em 0,50 ponto percentual, para 12,25% ao ano. No comunicado, o Copom voltou a defender as metas fiscais do governo como fator importante para a convergência da inflação à meta.

Reforma tributária: nota sete!

A expectativa do governo e dos senadores é que a votação da Reforma Tributária aconteça nesta terça-feira, 07/11, na Comissão de Constituição e Justiça da casa e até quinta-feira, 09/11, no plenário.

Segundo Haddad, a reforma tributária que está sendo votada não é a ideal, mas tem nota entre 7 e 7,5. Disse ainda que a mudança no sistema terá um impacto na produtividade como nunca se viu.

“Nosso sistema tributário é ingovernável e caótico. Mas o senador Eduardo Braga, relator no Senado, colocou um dispositivo para que em todo primeiro ano de governo as exceções sejam revistas e que se faça uma avaliação. Se a reforma já tivesse sido aprovada, esse problema do PIS/Cofins não existiria”, concluiu.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias