Notícias

Mercado reduz estimativas para inflação e PIB em 2023, diz Focus

Projeção para o IPCA deste ano foi de 4,59% para 4,55%; e variou para 3,9% em 2024. Já a alta do PIB desacelerou para 2,85%, ante 2,89%, reflexo do 3º trimestre mais fraco

Letreiro no prédio-sede do Banco Central do Brasil, em Brasília
Na Pesquisa Focus, o Banco Central traz as expectativas do mercado para os principais indicadores. Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Os analistas do mercado financeiro voltaram a reduzir as estimativas de inflação em 2023 e 2024. Para a economia brasileira, o 3º trimestre mais fraco na atividade impactou as projeções de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano.

Os analistas do mercado reduziram a expectativa de inflação em 2023, de 4,59% para 4,55%, segundo o Boletim Focus, do Banco Central, divulgado nesta segunda-feira, 20/11.

Com a queda, o índice segue abaixo do teto da meta de inflação definida pelo Conselho Monetário Nacional, que é de 4,75%. A meta deste ano é de 3,25% e será cumprida se o IPCA oscilar entre 1,75% e 4,75%.

A nova redução veio após o governo decidir manter a meta de déficit zero nas contas públicas de 2024. Isso quer dizer que no ano que vem só será possível gastar o que for arrecadado, ou seja, sem aumento da dívida pública para cumprir gastos e investimentos.

Segundo analistas, a decisão mostra que o governo vai cumprir as regras do arcabouço fiscal e controlar a dívida pública. Um descontrole nas contas pode impulsionar a inflação do país.

Vale lembrar que a meta ainda pode ser alterada durante a votação do orçamento, em dezembro, ou em março quando o governo apresentar o balanço das contas no 1º bimestre de 2024.

Para o ano que vem, a projeção de inflação caiu na margem, de 3,92% para 3,91%. Para 2025, a estimativa de inflação permaneceu em 3,50%. Nos dois casos, o IPCA segue acima da meta perseguida pelo BC, que é de 3%.

O boletim Focus é publicado às segundas-feiras. Foram ouvidas pelo Banco Central mais de 100 instituições financeiras até o fim da semana passada. O relatório é essencial para o investidor corrigir ou confirmar estratégias.

PIB de 2023 deve crescer 2,85% segundo Focus

O mercado reduziu a expectativa de crescimento para o Produto Interno Bruto neste ano, de 2,89% para 2,85%. Essa piora acontece em meio à desaceleração da economia no 3º trimestre. Na semana passada, o IBC-BR – considerado a prévia do PIB – mostrou que a atividade encolheu 0,64% entre julho e setembro.

Essa piora foi puxada pelo setor de serviços, que registrou queda em agosto e setembro. Além dos resultados ruins da indústria, que não consegue engrenar, e do comercio varejista.

Para 2024, a previsão de crescimento permaneceu inalterada em 1,50% pela nona semana consecutiva. Para 2025, ficou em 1,93%.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. O indicador serve para medir a evolução da economia.

Selic deve fechar o ano em 11,75%

Os economistas do mercado financeiro seguem com as mesmas estimativas para a taxa básica de juros até 2025. Para 2023, o mercado projeta uma Selic em 11,75% ao ano. Hoje, a taxa básica está em 12,25%.

Para 2024, a estimativa para a taxa básica de juros seguiu em 9,25% ao ano, enquanto em 2025 permanece estável em 8,75%.

Dólar deve fechar o ano em R$ 5

A estimativa para o dólar no fim de 2023 ficou inalterada na semana passada, em R$ 5. Para o fim de 2024, a projeção para a moeda americana recuou de R$ 5,08 para R$ 5,05. Para 2025, foi de R$ 5,11 para R$ 5,10.

Para mais conceitos sobre o mercado financeiro, confira os conteúdos gratuitos do Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.