Mercado

Campos Neto e Gilson Finkelsztain: o que o Banco Central e a B3 esperam da economia brasileira?

Em encontro hoje no Auditório do Estadão, em São Paulo, o presidente do Banco Central e o CEO da B3 comentaram a expansão do mercado de capitais

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central (Foto: Cristiano Mariz / VEJA) e Gilson Finkelsztain, presidente da B3 (Foto: Cauê Diniz / B3)
Gilson Finkelsztain e Roberto Campos Neto participam de evento promovido pelo Bora Investir e Estadão (Foto: Cauê Diniz / B3)

Por Redação B3 Bora Investir

Nesta segunda-feira (23/10), o CEO da B3, Gilson Finkelsztain, e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, se encontraram para um evento promovido pelo Bora Investir e pelo Estadão, no auditório do Grupo Estado, em São Paulo. O presidente do BC discorreu sobre o cenário econômico no Brasil e no mundo. Para ele, um impacto dos juros altos que ainda é pouco discutido é a queda da liquidez.

“O grande grupo de países desenvolvidos pagava 0,6% do PIB ao ano para rolar a dívida antes da pandemia. Agora, esse número subiu para o nível entre 3,5% e 4%”, afirmou ele,

+ Juros mais altos em países desenvolvidos suga liquidez de mercados emergentes, diz Campos Neto

“Isso tem um efeito de encolhimento da liquidez. O custo para pequenas empresas rolarem suas dívidas nos EUA saiu de 3% para 10%. Temos visto grandes empresas fazendo emissões a 6% ou 7%”, disse Campos Neto. Segundo ele, essa liquidez vem, em parte, das empresas, mas sai também dos mercados emergentes.

Sobre o Brasil, o presidente do BCB, Roberto Campos Neto, explicou que a inflação brasileira acompanha os movimentos globais e, às vezes, se move por dinâmicas internas próprias. Ele justifica o apontamento com fatores políticos no País e geopolíticos do restante do mundo, dada a abertura comercial do Brasil que varia com o tempo.

Expectativas positivas para o mercado de capitais

O CEO da B3, Gilson Finkelsztain, comentou que as perspectivas para o mercado de capitais brasileiro são promissoras. Segundo ele, a expansão nos últimos anos se deve a três fatores principais. O primeiro deles é o ambiente macroeconômico do Brasil, que amadureceu, na visão dele.

+ “Mercado de capitais não combina com incertezas, mas cenário global é promissor para o Brasil”, diz Gilson Finkelsztain, da B3

“Isso passa por um fiscal mais responsável, com inflação controlada e juros mais baixos”, disse. Outros fatores que contribuíram foram a digitalização e uma mudança geracional sobre educação financeira, que tem atraído os mais jovens para a bolsa.

Parcelamento sem juros no cartão de crédito

O evento contou com a mediação de Adriana Fernandes, repórter especial e colunista de economia do Estadão. Questionado por ela sobre as possíveis mudanças nas regras do parcelamento sem juros, Campos Neto comentou: “é uma função importante para o lojista, mas o parcelamento sem juros cresceu demais. 15% de todo o crédito que existe é parcelado sem juros”, afirmou.

+ Juros rotativos e parcelamento sem juros: “talvez não fazer nada não seja uma opção”, afirma Campos Neto

Segundo ele, esse cenário acabou por fazer crescer a inadimplência, que por sua vez fez aumentar os juros do rotativo do cartão de crédito, em uma bola de neve.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias