Mercado

Livro Bege mostra desaceleração da economia dos EUA em meio a redução no consumo

Documento do BC americano apontou que procura por emprego diminuiu, mas mercado de trabalho segue resiliente. No 3º trimestre, PIB dos EUA subiu 5,2% - acima das expectativas

Dólar americano

Por Redação B3 Bora Investir

A economia dos Estados Unidos passou a desacelerar nas últimas semanas – em meio a queda nas vendas de itens discricionários e bens duráveis, como móveis e eletrodomésticos – diante de uma maior atenção dos consumidores aos gastos, além da queda na procura por emprego.

A análise consta no Livro Bege, relatório sobre as condições econômicas medidas pelo Federal Reserve (Fed), o Banco Central americano, publicado nesta quarta-feira, 29/11, duas semanas antes da reunião que vai decidir a taxa de juros no país.

“Os consumidores mostraram mais sensibilidade aos preços. (…) E as perspectivas econômicas para os próximos seis a doze meses diminuíram durante o período em análise”, diz um trecho do documento.

+ Hawkish ou dovish? Entenda os ‘tons’ da política monetária

A percepção dos membros do FED é que há uma redução na busca por vagas de trabalho, com um crescimento salarial classificado como “modesto”. Diante desse quadro, há uma “dificuldade em atrair e reter trabalhadores de elevado desempenho e com competências especializadas”.

Em relação a inflação, o Livro Bege trouxe a análise de que os preços tiveram uma “moderação em grande parte” dos distritos, embora ainda permaneçam elevados. Essa perspectiva deve continuar em 2024.

Diante da análise do documento, o mercado financeiro acredita que o Fed deve manter a taxa básica de juros na reunião de dezembro. Há também a expectativa de um afrouxamento da política monetária em 2024.

Nova estimativa: PIB dos EUA sobe 5,2% no 3º trimestre

O Escritório de Análise Econômica dos EUA (BEA, na sigla em inglês) divulgou hoje a nova estimativa para o Produto Interno Bruto (PIB) do 3º trimestre. A economia americana avançou a uma taxa anualizada de 5,2%, ante os 4,9% na primeira leitura.

O resultado superou a expectativa do mercado financeiro, que era de 5% de alta. A revisão aconteceu diante de melhores resultados em investimentos não-residenciais, gastos dos governos, investimento residencial e privado em estoques.

Na contramão ficaram os gastos de consumidores e exportações revisados para baixo, assim como o volume de importações.

+ 9 frases de Charlie Munger sobre a vida e os investimentos

Inflação do consumo segue acima da meta

O BEA também publicou nesta quarta-feira o índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) dos EUA, que avançou 2,8% a uma taxa anualizada do 3º trimestre. Essa segunda leitura veio 0,1 p.p. abaixo da estimativa inicial.

O núcleo do índice de preços do PCE – que exclui itens voláteis como energia e alimentos e aponta para uma tendência – teve alta de 2,3%, também 0,1 p.p acima da leitura anterior.

Diante desses resultados, o presidente do Federal Reserve de Richmond, Thomas Barkin, afirmou que precisa ser convencido de que a inflação americana caminha para a meta de 2% ao ano.

Com essa interpretação, o dirigente afirmou que não exclui completamente a chance de uma alta adicional de 0,25 p.p. dos juros na próxima reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) no dia 13 de dezembro.

“Se a inflação cair naturalmente e sem problemas, ótimo, não há necessidade de fazer nada com as taxas de juros se a inflação diminuir. Mas se a inflação voltar a subir, acho que você deve ter a opção de aumentar as taxas”, afirmou.

Segundo o economista-chefe da Nova Futura, Nicolas Borsoi, a inflação segue em direção a meta, o que traz um conforto monetário para o Banco Central americano.

“Os Estados Unidos caminham para fechar o ano com crescimento em torno de 2,5%, ante 1,9% de 2022), na contramão de tudo e todos”.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.