Mercado

Mercado financeiro hoje: BCE, BOE e Fed guiam mercado externo

Tom mais duro do Copom, que manteve Selic em 13,75%, pode afetar mercado; Balanços das big techs americanas estão no radar

Bolsa de valores. Foto: Divulgação B3.
Bolsa: investidores também monitoram Haddad e Tebet, que participam de evento. Foto: Divulgação B3.

Por Redação B3 Bora Investir

O desfecho da reunião do Copom e as decisões monetárias do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco da Inglaterra (BoE) devem dar norte aos mercados hoje. 

A presidente do BCE, Christine Lagarde, deve falar em entrevista coletiva após a reunião e durante evento à tarde. Dados de emprego, de encomendas de bens duráveis dos Estados Unidos e perspectiva de balanços de Apple, Amazon e Alphabet (controladora do Google) ajudam a movimentar também os negócios durante o dia. 

Na agenda local, os destaques são o resultado trimestral do Santander e os leilões de títulos prefixados do Tesouro

+ Inflação controlada: como os Bancos Centrais definem a taxa de juros?

Política monetária externa e big techs

Sinais positivos predominam nas bolsas europeias e entre os futuros de Nova York, com investidores digerindo o anúncio de política monetária de ontem do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) e no aguardo das decisões de juros do BCE e BOE. 

Balanços das big techs americanas estão no radar e o Nasdaq futuro se destaca, com ganho de 1%, por otimismo trazido pelo resultado da Meta (dona do Facebook), que saltou 18,6% no pré-mercado em Nova York. 

Na Europa, grandes bancos e empresas europeias divulgaram resultados acima do esperado também, como Santander, Deutsche Bank e Shell, ajudando no humor. A libra cede ante o dólar, e o euro perdia força, após o núcleo da inflação na zona do euro persistir alto, reforçando expectativas de elevação de 50 pontos-base nos juros pelo BCE e BoE. 

Copom e Ibovespa

Os mercados devem se ajustar à perspectiva de que a Selic pode ficar alta por mais tempo, após o tom mais duro do comunicado do Copom ao mercado na reunião de ontem. Mesmo com a estabilidade da taxa Selic em 13,75% ao ano, pela quarta reunião consecutiva, o Brasil continua a ter a maior taxa de juro real (descontada a inflação) do mundo, em uma lista com 40 economias.

 Ao mesmo tempo, a sensação do mercado de que o Fed pode interromper o aperto monetário neste ano pode dar fôlego ao fluxo de capitais estrangeiros para países emergentes exportadores de commodities, como o Brasil, e ajudar a dar impulso ao real e à Bolsa. 

Ontem, a Bolsa do Brasil (B3) registrou queda no primeiro pregão de fevereiro e o Ibovespa fechou em menos 1,20%, aos 112.073 pontos. O mau desempenho foi puxado pela Vale (VALE3), que recuou 1,50% após a mineradora reportar que a produção de minério de ferro ficou abaixo da meta. Outro destaque negativo foi a Raízen (RAIZ4), depois de uma notícia do Brazil Journal apontar que um dos principais acionistas da empresa, Louis Dreyfus Commodities (LDC), deve fazer uma venda de ações em bloco, o chamado block trade.

*Informações da Agência Estado

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.