Mercado

Mercado hoje: preços ao consumidor nos EUA movimenta mercados

A agenda local é mais enxuta e traz a produção industrial de março e o Relatório de Estabilidade Financeira do segundo semestre de 2022.

Fachada da B3.
Fachada da B3: nos EUA, impasse sobre elevação do teto da dívida é monitorado

Por Redação B3 Bora Investir

Investidores aguardam nesta quarta-feira, 10/05, com grande expectativa, a publicação do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos de abril. Isso porque o seu desempenho deve orientar a definição dos próximos movimentos sobre juros do Fed, o banco central americano.

A expectativa é de que o CPI avance 0,4% em abril ante março e 5% em 12 meses.

Já a agenda local é mais enxuta: prevê a divulgação da produção industrial de março e o Relatório de Estabilidade Financeira do segundo semestre de 2022.

No exterior

Nos Estados Unidos, as bolsas são guiadas pelas incertezas sobre a dívida americana, que vem sendo negociada.

O Departamento do Tesouro estima que, se o teto da dívida não for elevado ou suspenso antes de junho, a maior economia do planeta pode entrar em um inédito quadro de default. O presidente americano, Joe Biden, não descarta uma ampliação de curto prazo no teto da dívida para evitar o calote, e negocia sua aprovação com a Câmara dos Representantes.

Investidores americanos também monitoram a crise no setor bancário. Por conta de problemas recentes com bancos regionais, o balanço do First Citizens Bank deve movimentar a abertura dos mercados em Nova York

Na Europa, a inflação ao consumidor na Alemanha em abril ficou em linha com as suas prévias. Já as ações do banco francês Credit Agricole avançaram mais de 4% após balanço apontando lucro e receita acima das estimativas dos analistas financeiros.

No Brasil

O sentimento de cautela lá fora pode inibir os ajustes locais. Por aqui, investidores digerem novas declarações do atual secretário executivo do Ministério da Fazenda, Gabriel Galípolo, indicado para a diretoria de Política Monetária do Banco Central, e do relator do arcabouço fiscal.

O deputado relator da proposta do arcabouço na Câmara, Cláudio Cajado (PP-BA), admitiu que pode apresentá-la somente na semana que vem. O prazo já era esperado pelo governo.

Já Galípolo defendeu ao Jornal das Dez, da GloboNews, que a criminalização do não cumprimento da meta fiscal determinada pelo novo arcabouço não faz sentido e já não existe na regra atual. Ele evitou falar sobre política monetária e disse já ver como uma espécie de punição a redução de 70% para 50% do crescimento da despesa em relação à alta real da receita incluída na proposta.

+ Ata do Copom: cenário de alta dos juros é menos provável, mas não descartado

Apesar da sinalização positiva no curto prazo, o mercado está atento ao papel que Galípolo terá no BC no médio prazo. Isso porque o diretor é o favorito no governo para ocupar a Presidência do Banco Central após o fim do mandato de Campos Neto à frente da autarquia, em dezembro do ano que vem.

O BC ainda deve manter o tom duro sobre a queda dos juros ao menos até a próxima reunião do Copom, em junho. Eventuais cortes na taxa só devem acontecer mais à frente. É o que indicam o comunicado e a ata de seu comitê.

Na bolsa, os investidores devem repercutir ainda o balanços de várias empresas, como Telefônica Brasil, Ecorodovias e Méliuz.

*Com informações da Agência Estado

Como funciona o mercado de ações? Veja nesta curso oferecido pela B3

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.