Notícias

Por que a alta do IBC-Br é importante?

Aprenda a interpretar esse indicador do Banco Central que dá pistas sobre o desempenho do PIB do País

Dutos em torre industrial de usina de cana de açúcar
Atividade industrial foi ponto positivo no resultado do IBC-Br. Foto: Adobe Stock

A sigla PIB é uma velha conhecida de muitos investidores. Embora nem todos saibam como se calcula o famoso Produto Interno Bruto, é fácil deduzir que a subida deste índice é um sinal positivo sobre a economia brasileira, do mesmo modo que sua queda representa a retração das atividades da indústria, comércio e serviços do país. 

Nesta semana, porém, você deve ter topado com as notícias sobre um outro indicador, um tal de IBC-Br. É o Índice de Atividade Econômica, divulgado mensalmente pelo Banco Central. O PIB é um índice apurado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), com divulgação trimestral. Em junho, por exemplo, o IBC-Br subiu 0,69%, o que equivale a uma alta de 3,09%, em relação a junho de 2021. Considerando o acumulado nos últimos 12 meses, houve um avanço de 2,18%.

Por que esse indicador é tão importante? Historicamente, ele nos mostra o que esperar da estatística do IBGE sobre crescimento ou retração na produção industrial, agrícola e demais bens e serviços no Brasil. Por isso ele é conhecido também como “prévia do PIB”.  É como se, fazendo uma analogia da economia com o estado de saúde, o IBC-Br fosse aquele raio-X que fazemos logo ao chegar ao pronto-socorro, só para ter uma ideia geral da lesão, enquanto a gente espera a data para fazer uma tomografia, mais sofisticada e precisa. O próximo resultado do PIB só deve sair no dia 1º de setembro, por exemplo. 

Os resultados do IBC-Br também têm o poder de animar ou frustrar as expectativas dos investidores. Dessa vez, a alta de quase 0,7% surpreendeu o mercado, que estimava uma melhora de 0,25% na economia. Segundo o Banco Central, os setores de serviços (+0,7%) e industrial (+0,4%) foram capazes de compensar o mau desempenho nas vendas do varejo (-1,4%) no mês de junho

A subida do IBC-Br também sinaliza uma tendência de um PIB melhor em 2022. O resultado de junho interrompeu dois meses de queda, fechando o segundo trimestre com expansão (+0,57%), ainda que com perda de ritmo sobre o início do ano. De janeiro a março, houve um avanço de 1,12%.

E o seu bolso com isso?

Diante da sopa de letrinhas de índices econômicos polvilhada com estatísticas, o investidor precisa ter calma antes de decidir alterar seu atual portfólio ou fazer novos investimentos. Ainda que os últimos dados do IBC-Br pareçam animadores, é preciso considerar vários outros fatores econômicos não apenas do Brasil, mas do cenário global.

O preço internacional das commodities (matérias-primas) vem caindo, gerando um sinal de alerta para uma possível recessão mundial. A soja, o milho e o minério de ferro são exemplos de produtos negociados a valores semelhantes aos do início do ano.

No Brasil, o ambiente de inflação e juros elevados persiste, porém, neste momento está em curso um programa de benefícios fiscais do governo e outras medidas que ajudam a estimular a demanda dos consumidores.

Outras incertezas para a economia estão ligadas à duração da guerra da Ucrânia, no exterior, e à eleição presidencial de outubro, no contexto nacional. Além disso, há insegurança quanto à eficiência da política monetária para controlar a inflação, o que dificulta antever o tempo necessário para a taxa Selic começar a baixar.

Outro indicador de atividade e expectativas

Na lista dos termômetros para a saúde financeira do Brasil, é importante acrescentar mais um indicador de tendências para a nossa atividade econômica: a Pesquisa Focus. É uma consulta realizada toda semana pelo Banco Central com economistas das principais instituições financeiras sobre suas  expectativas a respeito do PIB, da inflação e da taxa básica de juros. O último boletim, divulgado em 12 de agosto, estimava que o PIB cresceria 2,0% em 2022, mantendo uma expansão de 0,41% em 2023.  

E agora, o que fazer?

Como você pode perceber, não faltam informações para orientar os investidores sobre os rumos da economia – e do dinheiro, já que há diversas oportunidades e produtos disponíveis no mercado de capitais e financeiro. 

Um índice que aponta a retomada da demanda incentiva a busca por ativos atrelados diretamente a comércio e serviços, por exemplo. Já o indicador que mostra uma inflação mais moderada pode ter impacto em títulos que acompanham o IPCA e a taxa Selic, como os papéis do Tesouro Direto

Daí a importância de não só acompanhar esses índices, mas também de ouvir a opinião de gestores e demais profissionais do mercado que têm experiência em agregar os dados e buscar detalhes das estatísticas a fim de compreender onde e por que a economia se fortaleceu ou enfraqueceu.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.