Notícias

Resultado do Ibovespa em 2022 é o 5º melhor entre 46 índices pelo mundo

Indicadores russos tiveram as maiores quedas, ultrapassando mais de 40%

Balcão da b3 em frente a uma tela com gráficos
B3. Foto: Divulgação

Entre uma lista com 46 índices de ações do mundo, o Ibovespa, principal indicador da bolsa de valores brasileira, teve o 5º melhor desempenho no ano, com alta de 4,69%. O indicador ficou atrás apenas dos índices BIST 100, da Turquia, S&P 500 VIX, que mede a volatilidade nos Estados Unidos, BSE Sensex e Nifty 50, da Índia, de acordo com dados do Investing.com.

Especialistas comentam que o resultado positivo do Ibovespa reflete a elevação de juros no país nos primeiros sinais de inflação crescente no mundo e da alta das commodities. 

+ O que os investidores devem esperar de 2023?

Fabio Fares, especialista em macroeconomia da Quantzed, acredita que o principal fator para a elevação do indicador foi a alta dos juros no país assim que a inflação começou a acelerar pelo mundo – diferente do que a maioria dos outros países fizeram. Para ele, com a inflação sendo mais “segurada” no Brasil, não foi visto a necessidade de maiores apertos monetários e, assim, os ativos de risco das empresas se beneficiaram. 

“O que fez o Brasil ir bem neste ano foi que pela nossa experiência nós subimos os juros mais rápido, controlamos a inflação mais rápido, dando espaço para economia flutuar e funcionar normalmente, deixando os nossos ativos atrativos”, diz o especialista. 

Para Bruno Komura, analista da Ouro Preto Investimentos, outro fator que beneficiou o principal indicador da bolsa de valores brasileira foi a exposição às commodities, que tiveram um bom desempenho no ano. 

“Vale destacar que por mais que o minério de ferro tenha caído bastante, ele continua em um patamar elevado. O petróleo negociou na maior parte do ano em patamar elevado também. Assim como as agrícolas. Tiveram alguns fatores que intensificaram esses movimentos de preço, como a guerra na Ucrânia, toda a limitação de oferta de petróleo, reabertura da China”, acrescenta o analista. 

Índices de ação em destaque em 2022

Desta seleção dos principais índices de ações do mundo, apenas 9 deles tiveram alta. Para Fares, da Quantzed, o que fez a maioria dos indicadores ficarem no vermelho este ano também foi resultado da inflação disparada no mundo todo e das altas de juros. 

“A partir do momento que você tem inflação alta e juros subindo, o mercado de renda variável sofre porque o custo das empresas aumenta. E com juros altos a renda fixa fica mais atrativa e o mercado faz conta”, pontua. 

Gráfico com 15 índices com piores desemepenhos em 2022

Do mesmo modo, Komura, da Ouro Preto Investimentos, lembra que neste ano o Federal Reserve (Fed) também teve uma postura de aperto da política monetária devido à alta da inflação. Portanto, como a entidade é a principal referência de juros do mundo, também houve uma pressão para que todos os bancos centrais subissem os juros, o que prejudicou os ativos de risco das bolsas de valores.

Destaques positivos: Turquia e ‘índice do medo’

BIST 100, da Turquia, foi o índice de ação que teve o melhor desempenho no ano, com alta de 194.83%. Essa elevação do indicador veio em meio a um cenário de alta da inflação no país – hoje, por volta de 84% – e da taxa de juros – atualmente, 9%. 

No entanto, Komura, da Ouro Preto Investimentos, comenta que existem questionamentos sobre esse resultado do indicador e o percentual real da inflação. “Tem muita gente que questiona esse índice oficial e acha que a inflação é muito mais alta do que realmente foi”, diz.

Ele menciona que existem alguns fatores para justificar toda essa alta do BIST 100. O primeiro seria que esse rendimento do indicador é apenas nominal – ou seja, é o valor declarado sem descontar a inflação. Portanto, com a inflação elevadíssima no país, o índice sobe. 

Outro fator seria que, com os turcos sem muitas alternativas de investimento, eles acabam colocando dinheiro na bolsa de valores para conseguir manter o poder de compra. “Dado que as taxas de juros estão artificialmente baixas, os títulos de renda fixa acabam sendo ruim porque perdem de longe da inflação”, pontua o analista.

+ Curiosidades sobre quatro grandes economias mundiais

Na sequência, veio o S&P 500 VIX, dos Estados Unidos, com alta de 24.51%. Esse é um índice de volatilidade que reflete o desempenho das ações que compõem o S&P 500 por 30 dias seguidos. 

“O VIX é o índice do medo, é um índice de volatilidade das ações S&P 500Quanto maior o VIX, maior o medo do mercado em relação às perspectivas de curto prazo. Então, faz bastante sentido [o desempenho] porque o índice S&P 500 caiu bastante, assim como o Nasdaq e Dow Jones, e, por outro lado, o VIX que é o termômetro do medo subiu bastante, então todos esses índices estão conversando muito bem”, comenta Komura, da Ouro Preto Investimentos.

Ainda entre as altas, também é possível ver que o FTSE 100, da Inglaterra, teve desempenho positivo, com alta de 1.74%. Fares, da Quantzed, comenta que a Inglaterra, desde o Brexit, já estava tendo um desempenho melhor do que o resto da zona do euro e também começou a subir juros mais cedo, o que influenciou nos resultados do índice neste ano. 

“Os ativos ingleses tiveram um pouco mais de sorte do que os ativos europeus e a crise lá, do gás e da energia, chegou depois. A Inglaterra já tinha feito um bom serviço, já estava na frente da Europa. Isso ajudou a bolsa inglesa a não ser tão ruim quanto as outras bolsas de mercados desenvolvidos, mas sofreu bastante. Esse positivo é quase nada perto do que estava, ela vinha melhor. [Agora] continua apanhando pelas incertezas da Europa e da economia para o ano que vem”, acrescenta. 

Piores desempenhos: Rússia se destaca

Entre os piores desempenhos, IMOEX e IRTS, da Rússia, ficaram à frente de todos os outros principais índices do mundo, com quedas de 43.31% e 41.29%, respectivamente. Os resultados se dão depois de um ano de guerra do país contra a Ucrânia, o que ocasionou a ele sanções econômicas vindas de diversos países do mundo. 

O que esperar pela frente

Para 2023, Fares, da Quantzed, diz que o cenário segue desafiador enquanto houver persistência de alta da inflação no mundo, entrada de recessões, guerra da Rússia, problemas com commodities, zona do euro em crise, China com covid e Estados Unidos subindo juros. Isso tudo irá interferir na retomada da economia do globo. Portanto, a retomada será lenta, o próximo ano será difícil, principalmente no primeiro semestre, que contará com diversos ajustes. 

Por outro lado, até o fim de 2023 as coisas devem melhorar, segundo o especialista. “As coisas vão começar a voltar ao lugar e as perspectivas é que o Banco Central americano já corte juros no final do ano que vem, então com as perspectivas de parar de subir e olhar para cortes de juros, a gente começa a olhar para crescimento de novo, as bolsas voltam a ficar atrativas e a gente começa a ter apetite para riscos, mas isso só deve acontecer no 2º semestre de 2023”. 

Para mais conteúdos, confia o Hub de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias