Mercado

O que os investidores devem esperar de 2023?

Relatório do UBS traça cenários macroeconômicos para o ano que vem

Homem apontando com um gráfico imaginario de comparação entre ano 2022 e 2023
Entre os investidores entrevistados pelo UBS, 55% apontam risco geopolítico como principal preocupação para 2023. Foto: Adobe Stock

Ao redor do mundo, 2022 foi uma ano difícil para a economia. A invasão da Rússia à Ucrânia, a escalada dos juros nos EUA e a queda histórica da libra ante o dólar acenderam o alerta para os riscos de uma recessão global. No Brasil, a persistência da inflação e as incertezas que rondam a política fiscal do governo eleito ajudam inibir o crescimento econômico.

Uma vez que tais circunstâncias econômicas ainda devem ter desdobramentos, o banco UBS preparou um relatório para guiar investidores em 2023. Confira a seguir alguns dos principais pontos.

+ Retrospectiva 2022: juros, inflação e descontrole nos gastos marcam ano

2023: ano de mudanças

Se 2022 foi um ano de desafios aos investidores, 2023 é visto pelo banco suíço como um momento de mudanças no cenário econômico. Mesmo que o começo do ano que vem seja ainda de desconfiança acerca de questões políticas e econômicas, é esperado que no final do ano a inflação caia e que os bancos centrais mais significativos do mundo comecem a reduzir as taxas de juros.

+ Inflação controlada: como os bancos definem as taxas de juros

As projeções para o crescimento econômico global têm ritmo parecido. Hoje, o UBS espera que a economia dos Estados Unidos e a da Europa não registrem crescimento em 2023; entretanto, espera que ao longo do ano haja crescimento da economia do mundo, puxada sobretudo pelo bom desempenho dos países asiáticos. A expectativa é de que a Ásia registre crescimento econômico de 2% no ano que vem.

O otimismo vem do afrouxamento das regras de contenção da Covid-19 na China. No cenário mais otimista, o UBS prevê que uma reabertura total aconteça no meio do ano que vem.

Para o Brasil a notícia é boa, já que a retomada da economia chinesa pode implicar num maior volume de exportações ao país asiático.

+ Como a flexibilização da política de Covid-Zero na China ajuda o Brasil

Quais são os focos de tensão em 2023?

Entre os investidores entrevistados pelo UBS, 55% apontam risco geopolítico como principal preocupação para 2023. Depois da pandemia de Covid-19, cujas consequências ainda são sentidas, tensões políticas criam incertezas para o ano que vem.

A escalada do conflito entre Rússia e Ucrânia é um cenário que pode manter inflação e juros elevados no mundo. No Brasil, o mercado financeiro não espera redução significativa da Selic no ano que vem, conforme os últimos resultados do Boletim Focus.

+ Selic a 13,75%: quanto renderia R$ 1.000 em Tesouro Direto com essa taxa de juros?

O que esperar da próxima década?

Ao traçar um cenário de longo prazo, o UBS espera que a transição para a energia verde seja acelerada nos próximos dez anos. O processo já em curso se acirrou com a Guerra da Ucrânia e expôs a fragilidade da Europa em relação è dependência de gás.

Outra questão levantada pela guerra foi a segurança do abastecimento de itens alimentícios. A procura de países do hemisfério norte por novos parceiros econômicos pode favorecer o Brasil, um dos maiores exportadores de commodities do mundo.

Para saber mais sobre conceitos de macroeconomia, veja os cursos e vídeos gratuitos do Hub de Educação Financeira da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias