Notícias

Saiba como vai funcionar acordo entre governo e aéreas para oferecer passagens baratas

Azul, Gol e Latam se comprometeram a oferecer um número de bilhetes por ano a preços mais em conta. A medida começa em 2024. Passagens aéreas subiram mais de 35% no ano

Brasília (DF), 18/12/2023, O CEO da Gol linha aéreas, Celso Ferrer, o diretor-presidente substituto da Agência Nacional de Aviação Civil, Tiago Pereira, o ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, o secretário nacional de aviação civil do ministério de portos e aeroportos, Juliano Noman, o CEO da Azul linhas aéreas, John Rodgerson, o CEO da Latam Airlines, Jerome Cadier, durante entrevista coletiva para apresentar e detalhar as medidas da primeira etapa do plano de universalização do transporte aéreo. Foto: Jose Cruz/Agência Brasil
Brasília (DF), 18/12/2023, O CEO da Gol linha aéreas, Celso Ferrer, o diretor-presidente substituto da Agência Nacional de Aviação Civil, Tiago Pereira, o ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, o secretário nacional de aviação civil do ministério de portos e aeroportos, Juliano Noman, o CEO da Azul linhas aéreas, John Rodgerson, o CEO da Latam Airlines, Jerome Cadier, durante entrevista coletiva para apresentar e detalhar as medidas da primeira etapa do plano de universalização do transporte aéreo. Foto: Jose Cruz/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

Em meio a discussões para tentar oferecer passagens aéreas com preços de no máximo R$ 200, o governo e as três principais companhias aéreas do País anunciaram a primeira etapa do Plano de Universalização do Transporte Aéreo.

Pela iniciativa, as empresas se comprometeram a estabelecer um número de bilhetes por ano com valores mais acessíveis, desde que comprados com até 14 dias de antecedência da data da viagem. Os valores serão estabelecidos pelas companhias, já que o governo precisa preservar a política do setor, que tem liberdade de tarifas.

Dentro dessa cota de passagens mais baratas, as empresas aéreas também vão oferecer outros benefícios:

  • inclusão de serviços de remarcação sem cobrança de taxa adicional;
  • oferta de tarifas mais acessíveis para compras realizadas em determinados dias da semana;
  • aumento no número de voos;
  • ampliação da frota aérea.

A iniciativa começa a valer já em 2024. Segundo o ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, o governo tem dialogado com as companhias para tornar o modal mais acessível a todos os brasileiros.

“A gente tem buscado alternativas para que possamos diminuir o custo da passagem aérea e, automaticamente, soluções que possam fortalecer mais o consumidor final. Para termos preços mais acessíveis aos brasileiros, é necessário um esforço coletivo e um diálogo constante”, afirmou.

Veja as medidas anunciadas por cada empresa aérea

AZUL

  • Comercializar 10 milhões de assentos a até R$ 799 a partir de 2024;
  • Marcação de assento e bagagem despachada para compras realizadas de última hora.

GOL

  • A partir de 2024, vai disponibilizar 15 milhões de assentos com preço de até R$ 699;
  • Promoções especiais e, com mais de 21 dias de antecedência, preços entre R$ 600 e R$ 800;
  • Tarifas de assistência emergencial (80% de desconto).

LATAM

  • Oferta de 10 mil assentos a mais por dia;
  • Toda semana, vai oferecer um destino com tarifa abaixo de R$ 199;
  • Mudanças no programa de fidelidade – sem validade para utilização;
  • Manutenção do programa de desconto de 80% para tarifas de assistência emergencial.

Preços e custos de passagens em alta

As passagens aéreas já subiram 36,45% no acumulado entre janeiro e novembro deste ano, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Se considerarmos o preço médio, apenas em setembro, o valor foi o maior desde março de 2009: R$ 747,66, segundo os últimos dados disponíveis pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Segundo as companhias, o preço do querosene de aviação (QAV), principal custo do setor, é o principal responsável pela alta na valor da tarifas. Neste ano, o litro custava em média R$ 3,64, ante R$ 2,22 em agosto de 2019.

Segundo o ministro de Portos e Aeroportos, o governo negocia a queda no preço do querosene de aviação, que representa 40% do custo das companhias.

“A gente teve um aumento no querosene nos últimos cinco meses. Criamos um grupo de trabalho envolvendo todos os ministérios e a Petrobras, para tentar buscar alternativas para reduzir o preço do QAV”.

Setor pede ações de longo prazo

A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) afirmou que o atual cenário do preço de passagens aéreas no Brasil segue movimento semelhante ao dos demais mercados em todo o mundo.

Segundo a presidente da entidade, Jurema Monteiro, as medidas anunciadas “mostram a cooperação do setor aéreo com a agenda de democratização da aviação, mas é importante destacar que somente com ações estruturantes e de longo prazo o setor poderá efetivamente ter redução de custos, condição necessária para crescer e retomar suas condições de oferta”.

Voa Brasil começa em janeiro

Esse acordo com as companhias, anunciado pelo governo, não tem relação com o programa “Voa Brasil”, que vai oferecer passagens aéreas por até R$ 200 o trecho nos períodos de baixa temporada.

Segundo Silvio Costa Filho, as negociações com as empresas continuam, mas a iniciativa só deve ser lançada na segunda quinzena de janeiro.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.