Notícias

Selic pode cair para 7,8% em 2025 com desaceleração da economia brasileira, prevê OCDE

OCDE projeta um PIB de 3% em 2023, puxado pela agropecuária, seguido de uma perda de ritmo em 2024 e leve recuperação em 2025. Inflação deve seguir em declínio

Gráficos de investimentos. Foto: Adobe Stock
O patamar atual da Selic costuma favorecer investimentos de renda fixa, mas também há boas oportunidades na renda variável. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

Em meio ao processo de desinflação e desaceleração da economia brasileira no 2º semestre, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgou nesta quarta-feira, 29/11, um relatório otimista sobre a taxa básica de juros do país.

Segundo a entidade, a Selic deve continuar uma tendência de queda nos próximos dois anos, com uma taxa de 9,2% até o final de 2024 e 7,8% na segunda metade de 2025.

“Com expectativas de quedas contínuas da inflação e juros reais elevados, são necessários mais cortes”, afirmou o relatório.

Pelas previsões, a inflação deve fechar 2023 em 4,5%, desacelerar para 3,2% no ano que vem e atingir a meta de 3% em 2025. Segundo a OCDE, a baixa nos preços veio diante da antecipação no corte de juros e da normalização na cadeia de suprimentos no pós-pandemia.

Em uma entrevista nesta semana ao B3 Bora Investir, a economista-chefe do banco Inter, Rafaela Vitória, afirmou que o processo de queda dos juros e a desinflação no Brasil devem continuar no ano que vem, mas às custas de uma perda de tração na economia.

Perda de ritmo da economia brasileira segundo OCDE

O chamado “Clube dos Países Ricos” revisou a expectativa para o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil para 3% neste ano, ante 3,2% em setembro. Para 2024, a entidade projeta uma desaceleração da economia para 1,8% e uma leve melhora em 2025, quando o PIB deve crescer 2%.

“As exportações agrícola devem impulsionar o crescimento em 2023, mas vão desacelerar nos anos seguintes, em meio aos baixos preços de commodities”. As mudanças nas estimativas também levaram em conta uma produção industrial que segue 1,8% abaixo do patamar pré-pandemia (fevereiro de 2020) e o setor de serviços em desaceleração por dois meses consecutivos (agosto e setembro).

Por outro lado, o mercado de trabalho segue resiliente, com uma taxa de desemprego de 7,7%, menor resultado desde 2015, o que melhora a demanda doméstica – que segue como principal impulsionador da atividade econômica brasileira.

A queda da inflação e o aumento das transferências de renda – com o Bolsa Família de R$ 600 – também ajudam a manter o PIB num patamar mais alto.

Déficit fiscal e reformas

A OCDE acredita que a política fiscal mais expansionista do governo deve continuar em 2024. No entanto, o Executivo deve conseguir atingir a meta de superávit primário de 1% do PIB exigida pelo novo arcabouço fiscal.

Para chegar nesse objetivo, a organização vê um esforço do governo para aumentar as receitas em 1,5% do PIB no ano que vem, enquanto as despesas subiriam 1% do PIB.

“A implementação do novo quadro fiscal e o cumprimento das metas do saldo primário serão fundamentais para garantir a sustentabilidade da dívida e restaurar a confiança nas finanças pública”.

Sobre a Reforma Tributária, o ‘Clube dos Países Ricos’ vê a proposta como impulsionadora do crescimento.  

“Um sistema unificado de imposto sobre valor agregado simplificará a tributação de bens e serviços e reduzirá os encargos administrativos para as empresas. Além dos impostos sobre o consumo, há também margem para reformar os sobre o rendimento”, prevê a entidade.

Economia mundial em desaceleração

Apesar do início de queda da inflação nos países desenvolvidos, a Organização prevê um crescimento mundial de 2,9% neste ano, caindo para 2,7% em 2024 e com leve recuperação para 3% em 2025.

Segundo a OCDE, o aperto monetário para combater a alta dos preços tem surtido efeito – inclusive com a melhora do PIB em algumas nações mais ricas. No entanto, prevê um comércio mais fraco e redução na confiança nos próximos meses.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.