Notícias

Senado aprova taxação dos fundos exclusivos e offshore; entenda

Texto segue para sanção presidencial. Mudanças na proposta preveem menor receita em 2024, de R$ 20 bi para R$ 13 bi. Valor vai ajudar na meta de zerar o déficit nas contas

Fundos exclusivos e offshore
Fundos exclusivos e offshore

Por Redação B3 Bora Investir

O Senado aprovou o projeto de lei que prevê a taxação dos fundos de investimentos no exterior (offshores) e dos fundos exclusivos (investimentos para pessoas de alta renda). O texto segue agora para sanção do presidente Lula.

A medida é essencial para a equipe econômica do governo aumentar a arrecadação e buscar o equilíbrio das contas públicas em 2024, o chamado déficit zero.

A proposta deve render R$ 3,5 bilhões a mais nos cofres públicos em 2023, R$ 13 bilhões em 2024 (a previsão anterior era de R$ 20 bilhões) e R$ 7 bilhões em 2025.

Vale lembrar que neste ano, a previsão de rombo das contas públicas subiu para R$ 177,4 bilhões. Esse aumento já torna ainda mais difícil a missão de zerar o déficit das contas no ano que vem.

Responsabilidade fiscal: como funciona e por que tem a ver com o seu bolso

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse nesta quinta-feira, 30/11, que diante da aprovação da proposta, o Congresso mostra mais uma vez que está “empenhado em ajudar o país a equilibrar as suas contas”.

Haddad disse estar confiante de que serão aprovadas, ainda neste ano, as medidas que tramitam na Câmara e no Senado e que têm o objetivo de equilibrar as contas públicas em 2024. (ver mais abaixo).

“Vamos trabalhar até o último dia para tudo isso ser aprovado”, completou em entrevista aos jornalistas em Doha, no Catar. O ministro participa hoje do Fórum Econômico Brasil-Catar e de almoço oferecido pelo emir do Catar, Tamim bin Hamad al-Thani.

O sessão para votar o projeto de lei que trata sobre a taxação das empresas de apostas on-line (bets), esportivas ou não, ficou para a semana que vem.

Mudanças na tributação dos fundos exclusivos e offshore

Pelo projeto aprovado no Senado, as offshores passam a ser tributadas em 15%, uma vez por ano, no dia 31 de dezembro.

Antes, as aplicações financeiras ou empresas no exterior, eram tributadas apenas quando o lucro obtido com o investimento é transferido para pessoa física no Brasil.

Para os fundos exclusivos, a tributação será feita duas vezes ao ano (a cada seis meses). Esse tributação já é aplicada a outros tipos de fundos, o chamado Come-Cotas. Neste caso, a taxa vai variar conforme o tempo de duração dos investimentos:

  • 15% para fundos de longo prazo;
  • 20% no caso de fundos de curto prazo – com até um ano.

Antes esses fundos milionários tinham pagamento de imposto apenas no momento do resgate da aplicação.

Segundo o governo, 2,5 mil brasileiros têm recursos aplicados nesses investimentos. O valor mínimo é de R$ 10 milhões, com manutenção de até R$ 150 mil por ano.

Atualização voluntária de rendimentos

Os investidores também vão precisar pagar o imposto sobre a aplicação acumulada nos fundos, o estoque.

Para os que fizerem o pagamento antecipado dos rendimentos no exterior até 31 de dezembro deste ano, a alíquota será de 8%. Essa opção é mais vantajosa, já que a taxação a partir de 2024 será de 15%.

Reforma Tributária: entenda a proposta e o impacto nos negócios

Para os fundos exclusivos, o pagamento de imposto sobre o estoque de rendimentos obtidos até 31 de dezembro deste ano será obrigatório, com duas condições de pagamento.

  • alíquota de 15%, com pagamento em até 24 parcelas mensais, sendo a primeira até 31 de maio de 2024;
  • alíquota de 8% sobre os ganhos acumulados até novembro deste ano, e parcelamento em 4 vezes mensais, com início em dezembro de 2023. Nesse caso, os lucros obtidos no último mês do ano deverão ser pagos à vista em maio de 2024.

Fundos de Investimento do Agronegócio (Fiagro)

Os Fundos de Investimento do Agronegócio (Fiagros) ficam isentos de imposto de renda (fonte e declaração) os rendimentos que tenham, no mínimo, 100 cotistas e cujas cotas sejam negociadas exclusivamente na bolsa de valores ou no mercado de balcão organizado.

As regras também valem para os Fundos de Investimento Imobiliário.

Próximas medidas para aumentar a arrecadação

O governo ainda aguarda o Congresso Nacional aprovar outras medidas para aumentar a arrecadação e cumprir a meta de déficit zero em 2024. Na lista estão:

  • diminuição de deduções fiscais em juros sobre capital próprio (JCP), que pode render aos cofres públicos até R$ 10 bilhões;
  • taxação das apostas on-line, com previsão de R$ 2 bilhões;
  • aumento dos impostos para grandes empresas que recebem benefício fiscal de ICMS, com arrecadação de R$ 35 bilhões.

A medida provisória (MP) sobre a subvenção do ICMS começou a andar nesta quarta-feira, 29/11, quando foi criada a comissão especial para analisar o tema. O governo quer acrescentar nessa MP a tributação de JCP e votar o texto ainda este ano.

O ministro da Fazenda já viu aprovada no Congresso as alterações no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), que têm previsão de render até R$ 60 bilhões em 2023.

“É a busca pelo equilíbrio fiscal em proveito de uma economia mais estável, uma taxa de juros mais baixa, mais investimentos estrangeiros”, conclui Haddad.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.