Investir melhor

4 fatos sobre o cenário externo que explicam a saída de investimento estrangeiro do Brasil

Para gestores, movimento reflete ajuste nas expectativas de queda de juros nos EUA e sinais de alerta na China

Maço de notas de dólar. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
A expectativa do mercado, segundo economistas consultados pela Reuters, era que o índice cairia 0,1%. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Os investidores gringos resolveram sair do Brasil no verão de 2024. Até o dia 23 de fevereiro deste ano, o saldo líquido dos investimentos estrangeiros na B3 é negativo em R$ 18,2 bilhões – revertendo aproximadamente um terço de toda a entrada líquida registrada em todo o ano de 2023.

Gestores apontam que o movimento é em grande parte reflexo de mudanças nas expectativas quanto às economias dos Estados Unidos e China.

“O cenário externo, na minha opinião, explica 95%, para não dizer 99%, da saída dos estrangeiros da bolsa brasileira”, diz Roberto Motta, estrategista macro da Genial Investimentos.

Eduardo Grübler, gestor quantitativo da Warren Investimentos, também engrossa o coro de que não houve grandes mudanças no Brasil que pudessem explicar a saída dos estrangeiros. “O cenário interno não parece ter mudado tanto nos últimos seis meses, enquanto lá fora, esperava-se que estivesse melhor”.

A seguir, reunimos algumas explicações dadas por especialistas ouvidos pelo Bora Investir. Confira!

Juros mais altos por mais tempo nos EUA

No final do ano passado, o mercado foi tomado pelo otimismo e previa que o Fed estava perto de iniciar o ciclo de corte de juros. As mais recentes comunicações da autoridade monetária, no entanto, foram um balde de água fria e indicaram que as taxas devem permanecer no patamar atual por mais tempo.

“Existia uma forte convicção de que o ciclo de corte de juros começaria nos próximos meses, o mercado até chegou a precificar o início em março, e criou-se a expectativa de que o dinheiro iria começar a fluir. Agora, a perspectiva é de que o primeiro corte se inicie só em junho. Isso diminuiu o estímulo à alocação em direção a mais risco, como em países emergentes”, explica Marcos Mollica, sócio e head de gestão do Opportunity Total.

Roberto Motta, estrategista macro da Genial Investimentos, lembra que nos últimos dois meses de 2023, os estrangeiros trouxeram US$ 44 bilhões para a bolsa brasileira. Com a mudança de cenário, o fluxo se inverteu. “Os dados mostraram que a economia dos EUA não estava desacelerando, e o mundo tomou um susto com a inflação de janeiro”, diz Motta.

Isso trouxe, então, uma reversão do fluxo. Ou seja, até que se tenha maior certeza de que a atividade econômica dos EUA está desacelerando e que a inflação por lá está de fato controlada, os investidores estrangeiros não devem ter grande apetite para as bolsas emergentes, como a do Brasil.

“A gente não pode negar que o processo de desinflação no mundo é igual a um regime. Você queria perder 20 quilos e já perdeu 15 quilos, mas sabe que esses últimos 5 serão mais difíceis. A gente está nesses últimos 5 quilos, que o mercado apelida de last mile. Enquanto o mundo não tiver certeza se [a inflação mais alta nos EUA em janeiro] foi um susto ou não, o mercado ainda vai ficar tateando”, Motta.

China com sinal de alerta

Ainda no panorama internacional, um fator que pesa contra a alocação dos estrangeiros no Brasil é a China. “Houve uma queda muito acentuada na bolsa chinesa, e parece que debaixo do tapete pode estar acontecendo um problema maior com a economia, que não ganha tração”, diz Mollica. “Há incertezas sobre o mercado imobiliário, que pode levar a alguma contaminação para o setor bancário. E de certa forma, o Brasil é visto como uma economia muito ligada à China”.

Motta concorda. “Os investidores internacionais veem o Brasil com uma relação quase umbilical com a China, e a bolsa chinesa chegou a cair 14% em janeiro”, diz. Segundo ele, o principal canal pelo qual a economia chinesa afeta a brasileira é por meio da queda dos preços de commodities. E a queda do mercado acionário derrubou também os preços de commodities, que caíram ao patamar visto em dezembro de 2021.

+ China: exportadoras brasileiras não vão nadar de braçada como no passado

Faltam novidades no Brasil

Em meio a essas incertezas além das fronteiras brasileiras, nada por aqui tem trazido novidades que incentivem a alocação dos estrangeiros. “O ânimo com a queda de juro diminuiu bastante. Parece que o BC vai continuar com o passo de cortes de 0,50 p.p. [por reunião], a expectativa de uma aceleração morreu”, explica Mollica.

Além disso, o consenso começa a apontar que a Selic vai encerrar o ciclo de cortes em um nível mais elevado, em torno de 9,5%. “Eu acho que vai ser mais baixo, mas ainda é uma taxa de juros muito punitiva para a bolsa. Não estimula uma migração de recursos da renda fixa para a variável”, diz o gestor do Opportunity.

Apesar da saída dos gringos, os investidores locais têm alocado na renda variável, o que levou o Ibovespa ao patamar de 131 mil pontos nesta semana, lembra Motta, da Genial. “Isso aconteceu porque o mercado está na expectativa de que o Brasil pode surpreender no crescimento do PIB”, diz. “Se o Brasil crescer 2% [em 2024], pode entrar na lista dos países que mais crescem no mundo”, afirma. Isso, segundo ele, pode voltar a atrair os estrangeiros.

Bolsas americanas atraem investidores

Ainda pesa sobre o apetite à bolsa brasileira a grande atratividade das ações listadas nos Estados Unidos.

“Tem muita coisa acontecendo na bolsa dos EUA, os investidores não estão precisando ir além das fronteiras para obter retorno”, diz o gestor do Opportunity Total, citando as empresas de tecnologia.

“Há muito dinamismo associado às mega techs. É um momento muito particular, com a perspectiva de que a inovação da inteligência artificial vai acabar sendo uma revolução para a economia”, diz Mollica.

Realização de lucros do ano passado

Para Eduardo Grübler, da Warren, o movimento pode ser explicado como uma realização de lucros. “A gente viu um resultado muito forte no fim do ano passado, e agora, se existe um receio de quando o Fed vai cortar juros, o estrangeiro pensa ‘poxa, já ganhei meu dinheiro e agora vou trazer de volta’”, explica.

Grübler ainda aponta que a saída de capital do País parece ter desacelerado nos últimos dias. “Quando o movimento começar a virar, normalmente, quem entra antes tende a ter um resultado muito bom. Acertar o timing disso que é o mais complexo”, diz.

O gestor quantitativo da Warren afirma também que o vai-e-vem de dólares é sazonal e se repete todos os anos. “No começo do ano, sempre existe um movimento – o lado que vai ser depende do resultado recente”, diz. “O que aconteceu nos últimos anos, que pode dar uma ideia do que pode acontecer, é que a virada de trimestre é normalmente quando ocorrem os movimentos maiores”, afirma.

E como isso afeta os investidores pessoa física?

Os estrangeiros representam cerca de 53% dos volumes de compra e venda da bolsa brasileira. Assim, um grande movimento de venda por parte deles pode pressionar o valor das ações negociadas no Brasil. Da mesma forma, quando eles entram com grandes compras no mercado acionário, podem impulsionar uma alta nas ações brasileiras.

Mesmo com a saída de investimentos neste ano, o Ibovespa acumula valorização de 1,84% no mês de fevereiro, o que indica que, se de um lado os estrangeiros saíram, os investidores locais deram sustentação aos preços no mês. A saída também pode fazer com que o dólar se valorize na comparação com o real. Por outro lado, outros fatores, como a balança de pagamentos do Brasil, têm dado estabilidade à moeda.

Quer aprender mais sobre investimentos? Confira o curso gratuito do Hub de Educação da B3!

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias