Investir melhor

O que são os segmentos de listagem de ações da B3? Entenda como funcionam!

Os segmentos de listagem são ferramentas importantes para avaliar a governança das empresas listadas na B3

Painel bolsa. Foto: Divulgação B3
Bolsa de valores: fôlego curto no exterior e agenda esvaziada no país devem limitar desempenho do Ibovespa. Foto: Divulgação B3

Por Guilherme Naldis

Os segmentos de listagem da B3, a Bolsa de Valores do Brasil, são categorias de governança das empresas de capital aberto do Brasil.

Funciona assim: as empresas com maiores ou menores graus de governança corporativa são agrupadas em cada um deles. O objetivo é ajudar os investidores a avaliá-las. 

As empresas se dividem em cinco segmentos, que vão do menos rígido ao mais criterioso quanto à transparência, organização, credibilidade e alinhamento de interesses dentro das companhias.

Entenda o conceito de Novo Mercado com o Bora Investir

Os critérios que a B3 estabelece são baseados na Lei das Sociedades por Ações (Lei das S.As). A companhia deve cumprir mais que o estabelecido pela lei para se enquadrar nos índices. Para superar cada categoria, é necessário realizar medidas adicionais, adotadas voluntariamente.

O que é governança corporativa e por que ela importa?

A governança, o G da sigla ESG, é a avaliação do comprometimento das empresas em organizar seus processos internos e prestar contas ao mercado. Também entra nesta análise a confiança dos investidores na administração justa, responsável e transparente da companhia.

Alguns preceitos da governança vão guiar a empresa em direção aos resultados estipulados previamente e evitar erros, fraudes ou problemas de comunicação.

Para isso, é preciso alinhar os interesses de sócios, investidores e executivos da companhia. Dessa forma, é necessário, também, garantir que a empresa siga as regulações do governo e do mercado; prestar contas a acionistas, clientes e ao governo e, sobretudo, aumentar a transparência e a confiança dos investidores.

First Republic Bank recebe aporte de US$ 30 bi, mas mercado vê ajuda com desconfiança

A transparência é fator decisivo para uma boa governança, pois, sendo uma empresa de capital aberto, ela é considerada uma empresa pública. Como ela administra o dinheiro dos acionistas, é importante saber se os recursos estão sendo bem utilizados e não há nenhum tipo de desvio, lícito ou não.

Para isso, a governança corporativa recomenda que se façam auditorias internas e externas com frequência. Também prescreve enviar releases informativos para a imprensa e informar todos os investidores, simultaneamente, sobre os fatos relevantes da empresa.

Como esses segmentos de listagem da B3 são definidos?

Ao todo, a B3 avalia 17 critérios de governança para classificar as empresas em cada segmento. Muitos deles são processos burocráticos comuns a todos os níveis, exceto o básico. À medida que os níveis de classificação aumentam, a rigidez com a qual a avaliação é feita também é maior.

+ Dicionário do investidor da Bolsa de Valores: termos essenciais

A permanência nos segmentos não é definitiva: uma empresa pode transitar entre eles conforme sua política de governança se altere conforme o tempo. O objetivo é melhorar a avaliação das companhias que decidem aderir, voluntariamente, a uma dessas classificações de listagem.

Os segmentos não refletem o tamanho de uma empresa ou seu valor de mercado. Até porque o porte de uma companhia não está necessariamente atrelado ao seu padrão de comportamento perante a sociedade e o mercado.

Os critérios obrigatórios incluídos na análise são:

  • Calendário de eventos corporativos
  • Adesão à Câmara de Arbitragem do Mercado

Já os facultativos incluem:

  • Reunião pública anual
  • Comitê de Auditoria
  • Auditoria interna
  • Setor de Compliance 

Assim, as demais obrigatoriedades e critérios variam conforme o segmento no qual a empresa faz parte. Eles são:

  • Saída do segmento / Oferta Pública de Aquisição de Ações (OPA)
  • Concessão de Tag Along
  • Divulgação adicional de informações
  • Informações em inglês, simultâneas à divulgação em português
  • Demonstrações financeiras
  • Obrigação do Conselho de Administração
  • Vedação à acumulação de cargos
  • Composição do conselho de administração
  • Vedação a disposições estatutárias
  • Ofertas Públicas de Distribuição de ações
  • Percentual mínimo de ações em circulação (free float)
  • Capital Social

O que as empresas fazem com o dinheiro captado no IPO?

Quais são os segmentos de listagem da bolsa de valores?

Os segmentos da B3 variam conforme a rigidez dos seus critérios de avaliação. Eles são:

  • Bovespa Mais
  • Bovespa Mais Nível 2
  • Novo Mercado
  • Nível 2
  • Nível 1

O Nível 1 é o menos restritivo. As empresas listadas neste segmento devem adotar práticas que favoreçam a transparência e o acesso às informações pelos investidores, para além do que a Lei das S.A prescreve. Elas devem publicar calendários de eventos, realizar ao menos uma reunião pública por ano e divulgar sua política de negociação e código de conduta.

Na categoria seguinte, o Nível 2, os conselhos de administração devem ter, ao menos, cinco integrantes com mandato unificado de 2 anos. Nesta modalidade, 20% dos membros devem ser conselheiros independentes. A companhia também deve publicar todas as suas demonstrações financeiras simultaneamente em português e em inglês.

As empresas que desejam acessar o mercado de forma gradual podem usar os níveis Bovespa Mais e Bovespa Mais Nível 2, mesmo que não estejam listadas. A empresa pode se preparar de forma adequada antes de fazer o IPO com esses dois níveis, que deve ser realizado nos próximos anos, cumprindo os requisitos da governança da B3.

Já o Novo Mercado é o mais alto nível de governança corporativa e serve como padrão de transparência. Aqui, há uma série de práticas de fiscalização, divulgação de dados e garantia de direitos aos acionistas.

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.