Investir melhor

Seu título de renda fixa venceu? Saiba onde reinvestir

Há oportunidades estratégicas em títulos de renda fixa prefixados e indexados ao IPCA

Homem segurando celular sorrindo
Homem com celular: ter uma reserva de emergência é fundamental para o profissional freelancer. Foto: Adobe Stock

Por Daniela Frabasile

Diversos títulos de renda fixa emitidos estão para vencer nos próximos meses. Mais de R$ 3 trilhões foram emitidos nos últimos dois anos, com prazos médios de 12 a 36 meses. 

Ou seja: muita gente que investiu em 2021 e 2022 vai ver o dinheiro caindo de volta em sua conta em breve. Para quem já se planejava para usar o dinheiro agora, é uma ótima notícia. Mas para quem pretende reinvestir esses valores, fica a questão: quais as melhores oportunidades na renda fixa agora?

Renda fixa nos EUA chama atenção. É hora de investir?

Bora Investir conversou com especialistas para entender. Confira!

Cenário de oportunidade na renda fixa

O momento é interessante para quem quer encontrar bons negócios em títulos de crédito. “Estamos em um momento de juros reais elevados, o que abre oportunidades na renda fixa”, afirma Christopher Galvão, analista de renda fixa da Nord Research.

“Depende muito do perfil de risco dos investidores, mas é importante não concentrar seu portfólio em uma classe de ativos. E mesmo dentro da classe de renda fixa, é importante ter variedade. Estamos vendo mais oportunidades para perfil de risco mais elevado”, diz.

Treasuries: desequilíbrio entre oferta e demanda tem pressionado rendimentos, diz Paulo Gala

Alvaro Frasson, economista do BTG Pactual, comenta que esse é um momento interessante para quem tem dinheiro em caixa. “Estamos vendo um movimento de abertura das curvas de juros no mundo, é um ciclo diferente do que a gente viveu em outros momentos”, afirma Alvaro Frasson, economista do BTG Pactual. 

“Me parece haver uma oportunidade. Não achamos que o nível de juros nos EUA vai voltar ao que era pré-pandemia, mas também não acreditamos que o patamar atual seja o novo normal”, afirma.

“Acreditamos que o debate de juros nos EUA vai migrar em breve de ‘quando começa o corte de juros’ para ‘de quanto vai ser o corte’, e, na minha opinião, isso vai levar a um fechamento das taxas americanas, o que derruba as tacas de juros de países emergentes”, diz Frasson.

Inflação com ganhos reais atrativos

Tanto a Nord Research quanto o BTG Pactual veem oportunidades interessantes em títulos do tipo IPCA +, aqueles que pagam a variação da inflação, mais uma taxa prefixada.

Renda+ versus Tesouro IPCA+: qual é o melhor título?

Os títulos do tesouro indexados pelo IPCA oferecidos atualmente estão com uma taxa prefixada superior a 5% ao ano. Lembrando que os títulos do tesouro são considerados os mais seguros da economia brasileira, tanto na questão de crédito e quanto na liquidez. 

Já quem tem perfil de risco maior pode pensar também em títulos de crédito privado. Mas é preciso fazer uma boa avaliação de crédito dos emissores desses títulos, lembram os especialistas.

“Estamos vendo novamente alguns emissores seguros e bem avaliados voltando a oferecer títulos com taxas perto de IPCA + 6,5% ao ano, especialmente em CRIs e CRAs. É uma oportunidade para quem quer apimentar mais a carteira de renda fixa”, diz Galvão, da Nord.

Frasson complementa: “como há um movimento muito agressivo de abertura da curva de juros, o prêmio relativo do crédito privado é menor do que a gente via há dois ou três meses, mas as taxas ainda estão atrativas. Há empresas com rating AAA pagando taxas mais interessantes. Na minha visão, esse momento é mais propício para os títulos high grade [aqueles emitidos por empresas com boa avaliação de crédito]”.

Tesouro Direto: entenda o que é e como investir em títulos do governo

O BTG aponta que as melhores oportunidades no momento estão em papéis de longo prazo, “em razão da elevação das taxas reais mais longas negociarem a ~6%, nível historicamente elevado e distante tanto da sua média histórica quanto do juro real neutro”, diz relatório do banco. 

“Vale reforçar que, em ciclos de corte de juros, ativos atrelados à inflação de longo prazo trazem os melhores retornos, em um prazo de 12 meses, em comparação aos seus pares de renda fixa. Contudo, lembramos que a estrutura plana da curva de juros pode ser aproveitada com a inclusão de vértices mais curtos, a fim de reduzir a volatilidade implícita nestes ativos de 10 a 14 anos de duration”.

Prefixados oferecem boas taxas, mas é preciso atenção à volatilidade

O BTG também aponta oportunidades nos títulos prefixados, principalmente os de longo prazo, com vencimento acima de 3,5 anos. “Continuamos construtivos para o cenário estrutural de Brasil, que pode reduzir seus prêmios de risco soberano com a aprovação da PEC do IVA e das medidas fiscais que aproximem o governo da sua meta de primário no próximo ano”, aponta o relatório divulgado.

Mas Frasson aponta que os títulos com vencimento até janeiro de 2027 são os melhores na relação risco e retorno. “Para além disso, as taxas estão interessantes, mas a volatilidade é muito grande”, afirma.

Um ponto de atenção, segundo Galvão, da Nord, é a maior volatilidade dos ativos prefixados. “Você pode ganhar bastante se as taxas de juros caírem mais do que o mercado espera. Por outro lado, se houver algum problema fiscal, por exemplo, os títulos pré vão sofrer mais do que os IPCA+”, diz.

Pós-fixados ajudam a controlar volatilidade

Os títulos pós-fixados ainda são interessantes para compor as carteiras de renda fixa. “É importante separar o tático do estrutural. Vemos oportunidades táticas para os prefixados e menos alocados em pós-fixados do que estávamos há seis ou 12 meses. 

Mas o pós é uma posição que você deve ter em carteira, não pela liquidez, mas para controlar a volatilidade”, diz Frasson, do BTG. Para quem tem perfil mais conservador, por exemplo, os títulos pós-fixados continuam a ser interessantes para boa parte do portfólio.

O que são juros? Entenda como funcionam, seus tipos e modalidades

Christopher Galvão, da Nord, lembra ainda que mesmo com as taxas de juros no Brasil em queda, o nível ainda é elevado. “Mesmo com a Selic caindo, ela ainda está em patamares elevados. E em um cenário global de incertezas, é interessante ter uma carteira líquida, para aproveitar as novas oportunidades que podem aparecer”, afirma.

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.