Organizar as contas

Alimentação minimalista: 6 passos para comer melhor e gastar menos

A alimentação minimalista é um dos gastos mais importantes do orçamento, e também um dos mais negligenciados.

Feira de alimentos. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Descubra como gastar menos e ainda ter uma alimentação melhor. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Guilherme Naldis

No Brasil, uma pessoa gasta, sozinha, uma média de R$ 618 para se alimentar durante um mês. Segundo a pesquisa +Valor, publicada em 2022, os gastos médios mensais com alimentação no País representam 50,9% do valor do salário mínimo. Mesmo que a inflação esteja caminhando para a estabilidade, a comida ainda está cara. Por isso, é necessário ter uma estratégia para comer bem e barato, como na alimentação minimalista,

Neste cenário, a educadora financeira Naiane Souza afirma que desperdiçar comida é mais que um pecado: é uma ofensa ao próprio bolso. “Na situação atual, a questão da sustentabilidade com a comida deixa de ser uma preocupação ambiental ou social. É algo muito mais direto: é financeiro!”, disse.

Por isso, ela sugere a adoção de uma alimentação minimalista. Não se trata de uma dieta restritiva ou de uma greve de fome, mas de uma visão mais responsável e organizada sobre a comida. Bora conhecer!

Minimalismo: a filosofia que pode melhorar sua relação com o dinheiro

O que é uma alimentação minimalista?

Uma alimentação minimalista considera que a comida, assim como as outras partes essenciais da nossa vida, precisa ser respeitada, mas não pode ser protagonista de nada.

Por isso, é necessário abrir mão dos vícios e conhecer novas possibilidades de gerir a relação com os alimentos, tanto em relação ao paladar quanto à parcela do orçamento destinado a eles.

Por que adotar uma alimentação minimalista?

Segundo Souza, a falta de controle sobre os gastos alimentares pode gerar problemas de saúde física e financeira. “Em alguns casos, até 40% da fatura do cartão de crédito é gasta com delivery, que é algo que vicia. Normalmente, essas compras são impulsivas e não matam sua fome, mas sua gula. E isso acontece por falta de tempo e organização”, explica.

Assim, além de gastar melhor com a sua alimentação, é possível ingerir comida de melhor qualidade. “Quando a  gente se organiza para comer, o fast food deixa de ser uma opção, já que a gente sabe que sai caro e não é bom pra saúde”. 

Mesmo na correria do dia a dia, é possível colocar tudo em pratos limpos e separar o joio do trigo. Veja, abaixo, como organizar sua alimentação para comer melhor e mais barato!

1. Frequente feiras livres 

Quem mora nas grandes cidades pode optar por comprar diretamente de quem produz, frequentando as feiras.

As feiras oferecem preços melhores e alimentos mais saudáveis, proteicos e nutritivos. “Os produtos pertencem a um produtor que vive perto da cidade e vai oferecer um produto melhor, quem sabe orgânico, e por um preço muito mais acessível que comprar em um supermercado”, afirma a especialista.

Vale a pena visitar o fim da feira. A expressão denota algo ruim, mas, no meio das frutas e verduras mais feias, estão alimentos próprios para o consumo. E, o melhor: mais baratos!

2. Coma o bastante (nem mais, nem menos)

Essa dica vale para o bolso e para a pança: a comida não deve empanturrar, apenas saciar. Segundo Souza, o hábito de encher o prato pode ser um problema financeiro e gerar dores de cabeça futuras.

Tenho compulsão por compras, e agora?

A primeira é o peso na consciência decorrente do desperdício, que é moralmente reprovável, segundo a especialista, visto que vivemos em um mundo em que pessoas morrem de fome. A outra é o desperdício de dinheiro, visto que está se pagando por algo que será descartado. A terceira são os desdobramentos na saúde de curto, médio e longo prazo: Souza afirma que não há motivo para comer muito e se sentir mal depois, muito menos prejudicar a própria saúde por isso. 

3. Entenda a origem e o destino da alimentação 

A essência do minimalismo é pensar em toda cadeia produtiva e nos impactos que o produto tem. 

“A comida não chegou no prato magicamente. Há toda uma indústria e um mercado por trás e escolher quais negócios nós queremos consumir e apoiar é muito importante”, diz.

4. Não tenha medo de reutilizar

A reutilização já é naturalizada quando se fala do destino correto do lixo. Mas você sabia que é possível reutilizar também os alimentos?

“Quando a gente tem um arroz ou salada sobrando, por que não usar a criatividade e a internet a nosso favor em vez de jogar comida fora? É uma excelente oportunidade de aprender uma receita nova, em que se reutiliza aquele alimento”, exemplifica a especialista.

Para ela, o congelador é um aliado poderoso na hora de poupar alimentos e manter sua qualidade. Assim, é possível fazer uma refeição preparada durar por muito mais tempo e ser acessada no futuro, só precisando de uma requentada. “E, com isso, a gente economiza não só dinheiro, mas tempo, que também é um pilar minimalista”.

5. Faça listas (e as siga)

Mais do que fazer uma lista de compras, é preciso fazer uma lista de compras assertiva. Cada pessoa e cada família tem sua média de gastos com alimentação. Por isso, é preciso que cada família conheça o que come e seu orçamento para torná-los compatíveis. 

“Uma pessoa que mora sozinha tem uma alimentação completamente diferente de quem é casado e tem filhos. Então, essa lista de compras tem que ser real. Não porque você pegou na internet ou porque o pessoal tá falando que você precisa comer”, aconselha Souza.

Com a lista de compras, é possível procurar as opções mais saudáveis e prioritárias, além de buscar os melhores preços. Além da famosa pesquisa de preços, é possível encontrar novas formas de comprar comida boa e barata, como serviços de entrega de orgânicos realizados por pequenos produtores. 

6. Planeje um cardápio

Se planejar os gastos é necessário para ter uma boa relação com o dinheiro, planejar seu menu vai ajudar a lidar melhor com a comida. A partir da lista, é possível imaginar e projetar o que será feito durante a semana. Às vezes, o cardápio vem antes da lista. Em outros casos, as compras precedem o menu.

O que importa é lembrar de usar sempre a criatividade e a organização para comer bem e encontrar o necessário no que já existe. “E aí, a gente vai também aprendendo a substituir os alimentos de acordo com a estação, que também é uma premissa bem minimalista. As comidas da época são mais baratas, fáceis de achar e estão mais gostosas”, conclui.

Qual é o melhor investimento para conquistar independência financeira? Confira neste curso gratuito disponibilizado no Hub de Educação Financeira da B3

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias