Organizar as contas

11 passos para se livrar das dívidas: confira!

Com o orçamento doméstico organizado e as despesas controladas dentro do salário, é possível fazer uma reserva financeira para fazer frente a eventuais gastos extras

Aprenda os onze passos para se livrar das dívidas
Todo planejamento financeiro parte da premissa de que é necessário saber quanto se ganha e quanto se gasta. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

A parcela de famílias brasileiras endividadas em 2023 atingiu 78% em janeiro deste ano, segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O resultado está bem acima do mesmo mês do ano passado quando o índice estava em 76,1%.

A situação é ainda pior para as famílias com renda mensal de até três salários-mínimos. Para essa parcela de consumidores, a proporção de endividados sobe para 79,2%, acima da média nacional, e superior ao último mês do ano passado (78,9%) e de janeiro de 2022 (76,5%).

Como sair da inadimplência?

A inadimplência também faz parte da dura realidade das famílias. O país começou o ano com 70,1 milhões de pessoas no vermelho, segundo a Serasa Experian. Em média, cada inadimplente deve R$ 4.612,30.

O diretor executivo de estudos e pesquisas da ANEFAC, Miguel José Ribeiro de Oliveira, afirma que o aperto nas condições financeiras vem da elevação da taxa básica de juros, a Selic, que está em 13,75% ao ano, da inflação alta e do desemprego que atinge nove milhões de pessoas.

“Juros mais altos acabam encarecendo as dívidas das famílias e nesse quadro se deu a queda na atividade econômica, o desemprego elevado e a redução substancial da renda. Então este conjunto todo acaba aumentando o endividamento das famílias”, explica.

Diante deste cenário, a entidade que reúne executivos de finanças e economia, fez um passo a passo para ajudar as famílias brasileiras a saírem do vermelho.

O primeiro movimento é organizar a vida financeira elaborando um orçamento doméstico como forma de definir quais são as reais necessidades. É preciso planejar todos os gastos considerando sempre a renda disponível e não a renda disponível mais crédito, ou seja, os gastos têm que caber dentro de seu salário.

Outra dica é preferencialmente gastar menos do que se tem de renda. O objetivo é economizar para fazer uma reserva financeira e conseguir fazer frente a eventuais gastos extras não previstos.

“Lembre-se que toda a vez que você gasta mais do que ganha ou ficará inadimplente e com isso sujeito a todas as consequências de ter o nome negativado, não tendo acesso a qualquer tipo de crédito ou terá que recorrer a empréstimos e assumir o pagamento de juros”, afirma Miguel José Ribeiro de Oliveira.

Veja abaixo os onze passos para se livrar das dívidas:

  1. Identifique todas as suas dívidas;
  2. Tendo recursos aplicados resgate os mesmos para usar nestes pagamentos mesmo que sejam parciais;
  3. Tendo bens se desfaça deles para fazer dinheiro e pagar estas dívidas;
  4. Reduza suas despesas mensais (comprometa sua família nesta cruzada);
  5. Analise sua capacidade de pagamento para propor acordo a seus credores (qual o valor mensal que posso dispor?);
  6. Estabeleça prioridades (quais despesas devo pagar ou renegociar primeiro – as mais caras e as que geram penalidades como condomínio, luz, água, telefone);
  7. Se for possível peça um empréstimo mais barato para liquidar as dívidas mais caras;
  8. Não sendo possível renegocie com seus credores condições de pagamento que possa cumprir;
  9. É importante propor algo que consiga cumprir para não ficar novamente inadimplente após algum tempo. Isto desacredita você;
  10. O ideal é negociar antes de entrar nas listas de proteção ao crédito. Entretanto, só deve fazer isto caso a condição desta renegociação seja boa para você – com prestações baixas e reduções dos juros. Caso contrário não aceite a renegociação, pois inevitavelmente você não vai conseguir cumprir;
  11. Mude seus hábitos de gastos para não voltar novamente a mesma situação (não gastar mais de que ganha, não usar cheque especial e rotativo do cartão de crédito).

Como começar a poupar?

Com o orçamento familiar equilibrado e as dívidas pagas, o primeiro passo para começar uma poupança é conseguir guardar parte do salário todos os meses. Os educadores financeiros sugerem pegar 10% dos ganhos e colocar em uma poupança, fundo de renda fixa ou outro investimento e deixar como uma reserva estratégica.

“Durante a pandemia, um dos grandes problemas do endividamento foi a pessoa perder o emprego, deixar de ter uma renda e não ter nenhum dinheiro guardado. Então é necessário fazer uma poupança para enfrentar momentos de dificuldades”, conclui o diretor executivo de estudos e pesquisas da ANEFAC.

Uma outra dica é também se programar para investir na previdência.

Para quem precisa fazer um planejamento financeiro, a B3 oferece um curso sobre como organizar suas finanças. Na plataforma de educação, também há cursos sobre investimento e muito mais.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.