Organizar as contas

Como refinanciar veículos? Vale a pena?

Demanda pela linha de crédito aumentou, mas poucos proprietários de carros conseguem, de fato, o empréstimo. Confira!

Carros em cima de moedas sob a mesa
Para ajudar nos custos, investimentos são sempre uma boa ideia. Foto: Adobe Stock

Por Marília Almeida

O orçamento mensal apertou porque surgiu uma necessidade urgente? Contudo, você não quer vender o seu carro, pois precisa dele para trabalhar ou outra necessidade especial? Refinanciar o veículo pode ser uma saída.

Mas é necessário diminuir as expectativas. Apesar do aumento da demanda pela linha de crédito, que dobrou em relação ao ano passado, são poucos os donos de carros que conseguem, de fato, o empréstimo. É o que aponta Priscilla Basso, coordenadora de crédito da Melhortaxa. “A condição para refinanciar o carro são as mesmas que para financiar um: precisa ter um bom score, ser assalariado e não ter nome sujo no Serasa”.

+ Carros com descontos de até R$ 12,8 mil: como financiar?

Antes, os bancos aceitavam scores de crédito a partir de 200 ou 300, mas a régua subiu, diz Basso. “Hoje, o mínimo aceito é 400 a 450”. Além disso, aponta, o uso de cartão de crédito e cheque especial são incluídos no nível de endividamento. “As parcelas do refinanciamento do carro não podem ser equivalentes a mais de 30% da renda. Se o proprietário do bem já tem dívidas, as parcelas terão de ser menores do que 30% da renda”.

Como nesta linha de crédito o carro é dado como garantia do empréstimo ao banco, o bem precisa estar, naturalmente, quitado. Todas estas exigências fazem com que, de cerca de 300 pedidos de refinanciamento de veículos recebidos por mês pelo comparador de financiamentos, apenas 3 conseguem, efetivamente, o crédito.

O dinheiro recebido do empréstimo pode ser usado para o que o proprietário quiser: pagamento de dívidas, etc.

Quais são as condições para refinanciar o carro?

Caso o proprietário do veículo passe pelo filtro de exigências para acessar o crédito, encontrará taxas de juros entre 1,49% e 4,26%, conforme o seu score de crédito. Bancos como Caixa e BV, além da fintech Creditas, oferecem o crédito.

O prazo máximo do crédito é de 60 meses, e alguns bancos podem aceitar um valor máximo de carro equivalente a R$ 190 mil. O bem não pode ter impostos em atraso, como IPVA.

Geralmente, o crédito oferecido é equivalente a 60% do valor do carro. Para um veículo de R$ 60 mil, portanto, o crédito concedido será de R$ 36 mil. Para um veículo no valor de R$ 40 mil, será R$ 24 mil.

+ Empréstimo: quais tipos de crédito existem?

Para refinanciar o carro, é necessário que o bem passe por uma avaliação do banco, que utiliza como base a tabela Fipe, e também que seja transferido para a instituição financeira. Esses processos têm custos que devem ser considerados pelo tomador do crédito.

Como o bem é tomado pelo banco no refinanciamento?

Caso três parcelas do refinanciamento do veículo não sejam pagas no prazo, o banco pode entrar com uma ação na Justiça para tomar o bem.

De posse do veículo, o levará a leilão para venda, aponta Ione Amorim, coordenadora do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC). “No leilão, o carro pode ser vendido por um preço menor do que o seu valor de mercado”.

+ 11 passos para se livrar das dívidas: confira!

O proprietário pode ter ainda de arcar com os honorários advocatícios do banco, o que irá diminuir ainda mais o valor recebido.

Por fim, terá de pensar em arcar com os custos de um seguro, pois, caso aconteça algo com o carro, terá de prestar contas ao banco.

Vale a pena refinanciar o carro?

Diante de tantos custos e riscos, é necessário refletir bem se a linha de crédito é a mais adequada à necessidade.

Se o intuito é pagar dívidas caras, como cheque especial e cartão de crédito, é melhor renegociar essas dívidas do que pegar uma outra para quitá-las, conclui Amorim.

+ Onde investir para comprar um carro em dois anos

Ou seja, se o motivo não for urgente, pode fazer mais sentido vender o carro e posteriormente financiar outro. O financiamento de veículos novos costuma ter taxas menores, de 2%, em média, aponta a coordenadora do Idec.

“Uma taxa de 2% ao mês significa pagar 24% de juros ao ano. Se for 4% ao mês, são 48% ao ano. Ou seja, ao final do empréstimo será pago mais um carro na forma de juros. A linha é mais barata do que a do crédito pessoal, mas mais cara do que o financiamento de veículo”.

Para quem acredita que todos os custos vão ser quitados no momento em que o banco tomar o bem, Amorim alerta que o banco tomar o bem não necessariamente extinguirá toda a dívida. “Como o bem se desvaloriza a cada ano, o proprietário pode perdê-lo e ainda assim ter saldo da dívida para pagar”.

Organize suas finanças e comece a investir. Aprenda com este curso oferecido pela B3

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias