Organizar as contas

Pix: 5 maneiras pouco conhecidas de fazer a transação instantânea

Lançado há 3 anos, o Pix já se tornou o meio de pagamento mais usado pelos brasileiros. Mas há ainda formas pouco comuns dele ser usado

Tudo sobre pix!
O PIX surgiu por meio de programa lançado em outubro de 2020 pelo Banco Central (Bacen). Foto: Brenda Blossom - stock.adobe.com

Por João Paulo dos Santos

No último mês de novembro, o Pix completou 3 anos de vida. Lançado pelo Banco Central em 2020, a modalidade de pagamento ganhou a rotina dos brasileiros e foi a mais utilizada no ano passado. No total, 11,7 bilhões de reais em transações foram feitas em 2022, mais que o dobro do valor registrado no ano anterior.

Por serem instantâneas, as transações via Pix simplificam a maneira de pagamentos e transferências serem feitas, além da vantagem de estar disponível 24 horas por dia, todos os dias da semana. Essa forma mais fácil e ágil de funcionar ajudou a popularizar o meio de pagamento, tanto por empresas quanto por pessoas físicas. 

Ainda assim, existem 5 formas de fazer o Pix que são pouco conhecidas. Confira quais são:

Pix Programado

O Pix Programado permite agendar transferências para uma data futura. Por meio dele, o usuário consegue planejar pagamentos e já deixá-los prontos para serem feitos automaticamente na data escolhida.

Na prática funciona da seguinte forma: ao invés do pagamento cair na mesma hora, o valor demora até 90 dias para ser transferido, o que dá a liberdade para quem transfere de escolher o melhor dia para transferência.

Pix Recorrente

Por meio do Pix Recorrente o usuário consegue programar uma transação para uma data futura junto com uma recorrência. Nesse caso, é possível configurar para que a transação seja executada todo mês, em um dia específico, por exemplo.

“Assim, ele elimina a necessidade de realizar manualmente pagamentos regulares e reduz o risco de esquecimentos. Porém, é importante monitorar regularmente suas finanças para garantir que há saldo disponível nas datas programadas.”, afirma Kályta Caetano, head de contabilidade da MaisMei.

Pix Parcelado

O Pix Parcelado é uma modalidade que permite o pagamento como se fosse um cartão de crédito. Com ele, a Instituição Financeira oferece uma linha de crédito específica para transações Pix. 

Assim, quando o usuário não possui a totalidade dos recursos para fazer um Pix, ele pode optar por utilizar esse valor. A transação é realizada no valor total, e o usuário assume o pagamento das parcelas para a sua Instituição. 

“É importante destacar que o Pix Parcelado é uma modalidade de empréstimo que envolve cobrança de juros e outras taxas”, alerta, Carolina Canto de Macedo Villar, especialista em Meios de Pagamento do Ailos.

Pix Saque e Troco

Tanto no Pix Saque quanto no Pix Troco, é possível retirar dinheiro em espécie onde esse serviço é oferecido, como lojas, lotéricas, caixas eletrônicos. É só ler um QR Code e fazer um Pix da sua conta para a conta do estabelecimento.

“No Pix Saque, o dinheiro é o valor do Pix que você fez. Já no Pix Troco, o valor é a diferença entre o valor do total do Pix e o valor da compra que você fez. O limite do saque é R$3.000,00 de dia, e R$1.000,00 à noite. E ainda, pessoas físicas podem fazer até 08 saques por mês, de graça”, afirma Caetano.

Fonte: Banco Central

Mecanismo Especial de Devolução

Mais uma das utilidades pouco conhecidas do Pix é o Mecanismo Especial de Devolução, que permite a devolução dos recursos perdidos por pessoas que usam o Pix e foram vítimas de um golpe ou fraude.

Ao notar que foi vítima de uma fraude, o usuário do Pix pode acionar a sua Instituição Financeira e solicitar uma devolução por meio desse mecanismo. 

“Ao receber e reportar esse relato, a Instituição realiza um bloqueio dos recursos na conta sob suspeita. Se comprovada a fraude, a devolução de parte ou da totalidade dos recursos é feita para a vítima”, explica Villar.

Cuidados ao usar

Segundo Leandro Benincá, head de educação financeira da Controlle, apesar das pessoas acharem que a maior vulnerabilidade em relação ao Pix é referente a tecnologia, o que mais acontece são golpes de engenharia social.

“As pessoas acham que alguém vai roubar e invadir nosso celular  ou que vão hackear as nossas contas, mas o problema mais comum é o do próprio usuário dar o seu acesso aos bandidos, por engenharia social. Essa ação criminosa é feita por golpes de convencimento”, destaca.

A especialista em Meios de Pagamento do Ailos ainda reforça que para compras online, o principal é ter certeza que está comprando de uma empresa confiável. Não acessar links suspeitos, desconfiar de ofertas muito vantajosas e sempre confirmar se o CNPJ está correto antes de enviar a transação.

“Como o Pix já virou um hábito, às vezes deixamos de confirmar se o destinatário e o valor estão corretos, e isso pode causar bastante incômodo. Por isso a atenção ao realizá-lo é a principal dica de cuidados a se tomar. Além disso, criar uma rotina de revisão dos limites transacionais e mantê-los adequados à necessidade pode evitar maiores problemas”, completa.

Quer conhecer mais maneiras de melhorar suas finanças? Confira este curso gratuito do Hub de Educação da B3!

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias