Organizar as contas

Planos de saúde são reajustados em até 16%. Como acomodar a despesa no orçamento

A alta da inflação no país nos últimos anos também afetou os custos médicos. Como reflexo, muita gente 'caiu para trás' ao verificar o reajuste do seu plano de saúde neste ano

Saúde e educação. Foto: Adobe Stock
Uma despesa dedutível no IR é aquela que pode ser abatida com o objetivo de reduzir a base de cálculo do imposto. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

A alta da inflação no país nos últimos anos também afetou os custos médicos. Como consequência, muita gente ‘caiu para trás’ ao verificar o reajuste do seu plano de saúde neste ano e observar um aumento de mais de 16%.

Um exemplo é o plano da Sulamérica 312, cujo limite máximo de reajuste estabelecido foi de 16,70% para 2023. O reajuste anual divulgado pela Agência Nacional de Saúde (ANS), de até 9,63%, só vale para planos novos, contratados depois de 01/01/1999, quando entrou em vigor a Lei 9.656/98, que regulamentou o setor de planos de saúde. Nos planos de saúde antigos, que não foram adaptados à Lei, as regras de reajuste são estabelecidas em cada contrato.

Em planos novos, mas coletivos (empresariais ou por adesão) adquiridos por pessoas jurídicas (inclusive MEIs), as regras dos reajustes também não seguem a dos planos individuais.

+ Como cuidar dos pais na velhice? 7 dicas para se preparar financeiramente

Em planos coletivos com 30 beneficiários ou mais, a definição do percentual é feita para cada contrato e o cálculo considera a utilização do plano e o tamanho da carteira. Portanto, é possível que contratos com o mesmo número de usuários tenham percentuais diferentes. Esse tipo de plano possui reajuste definido em contrato e estabelecido na relação entre a empresa contratante e a operadora, com espaço para negociação. 

Já em planos coletivos com até 29 beneficiários a ANS estabelece uma regra específica de agrupamento de contratos. Dessa forma, todos os contratos coletivos com até 29 vidas de uma mesma operadora devem receber o mesmo percentual de reajuste anual. O objetivo é diluir o risco desses contratos, oferecendo maior equilíbrio no cálculo do reajuste.   

Como lidar com a alta da inflação médica

Cada pessoa tem sua própria inflação. O aumento heterogêneo dos planos de saúde é um exemplo disso, aponta Victor Marques, Planejador Financeiro CFP© pela Planejar.

De qualquer forma, o impacto da alta dos planos de saúde pode ser relevante em um orçamento já apertado. Ainda mais quando é acompanhada pela alta de outras despesas essenciais, como alimentos, moradia e energia elétrica.

Ainda que não seja possível antever o reajuste anual do plano de saúde com antecedência suficiente para planejar a despesa adicional, Marques aponta que é possível separar um montante de forma a amenizar o impacto no orçamento. “Sabemos que o IPVA, escola e o plano de saúde têm reajustes periódicos. Ainda que não se saiba exatamente o valor, dá para ter estimativa baseada no histórico”.

+ Mercado volta a reduzir expectativas de inflação para 2023, aponta Focus

Caso não seja possível acomodar o gasto adicional no orçamento, é necessário realizar cortes de custos para compensá-lo. Está difícil compensar, já que a inflação foi generalizada? Resta então buscar um plano de saúde mais barato, aconselha o planejador financeiro.

“É possível revisar algumas características, como trocar a internação em apartamento por enfermaria, e buscar um plano que dá acesso a hospitais mais acessíveis. As mudanças podem dar um fôlego até que seja possível encaixar o plano no orçamento”.

Se a despesa está pesando muito nas finanças da família, cortar totalmente o custo com plano de saúde é uma decisão delicada que deve ser pensada com bastante cautela, aponta Marques.

“Dificilmente as pessoas conseguem ganhar dinheiro sem ter saúde. O ideal é manter ao menos um plano mínimo, no qual em uma eventual situação delicada o usuário possa ser atendido rapidamente e continue apto a trabalhar e ter renda”.

O ideal é investir parte da reserva financeira em aplicações que protegem o poder de compra contra o avanço da inflação. Dessa forma, é possível fazer frente a alta de preços.

Reajuste precisa ser claro e comunicado com antecedência

Planos antigos precisam ter cláusula clara relativa ao percentual de reajuste anual, indicar expressamente o índice de preços a ser utilizado e não oferecer cláusulas omissas quanto ao critério de apuração e demonstração das variações consideradas no cálculo de reajuste.

Caso contrário, o índice aplicado deve ser limitado ao determinado pela ANS, não podendo ser superior ao percentual máximo autorizado aos planos de saúde individuais/familiares novos ou adaptados.

Entretanto, algumas operadoras que assinaram Termo de Compromisso (TC) com a ANS estabelecem a forma de apuração do percentual de reajuste a ser aplicado aos contratos de planos antigos não adaptados à Lei. Nesses planos, os percentuais autorizados para o reajuste anual por variação de custos são diferenciados por modalidade de operadora.

+ Exercícios físicos: 3 jeitos de ficar em forma de graça

Já no caso de reajustes de planos coletivos as operadoras devem seguir regras determinadas pela ANS, tais como:    

  • Obrigatoriedade de comunicação do índice aplicado e de informações no boleto de pagamento e fatura; 
  • Periodicidade do reajuste e impossibilidade de discriminação de preços e reajustes entre beneficiários de um mesmo contrato e produto;
  • Obrigatoriedade de disponibilização à pessoa jurídica contratante da memória de cálculo do reajuste e metodologia utilizada com o mínimo de 30 dias de antecedência da data prevista para a aplicação do reajuste.  

Após a aplicação do reajuste em contrato coletivo, os consumidores podem solicitar formalmente à administradora de benefícios ou à operadora a memória de cálculo e a metodologia utilizada, que têm prazo máximo de 10 dias para o fornecimento.     

A fim de conferir transparência, a ANS publica painel com informações sobre os reajustes de planos coletivos, contendo estatísticas dos reajustes praticados pelas operadoras desde 2017. Já o Painel de Reajustes de Planos Coletivos disponibiliza dados de reajustes praticados até fevereiro de 2023.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias