Ações

Quais são as etapas do pregão da B3?

Para organizar o pregão e garantir estabilidade no mercado, a B3 divide o pregão em etapas distintas

Painel de ações da bolsa.
O Ibovespa é o principal índice de ações da B3. Ele registra o desempenho do mercado durante o pregão.

Por Guilherme Naldis

O investidor iniciante na bolsa já deve ter percebido que só se pode vender e comprar ações durante algumas horas do dia: o pregão.

Diferentemente da maioria das bolsas do mundo, a B3 oferece mais do que a listagem das ações das empresas: também estão entre as suas incumbências a negociação, liquidação, custódia e, principalmente, ser a contraparte central do mercado financeiro. Ou seja, a bolsa também se responsabiliza por questões de segurança e estabilidade do mercado.

Para garantir que tudo ocorra bem durante as negociações e o mercado oscile dentro de uma margem de normalidade, existe uma série de mecanismos. Um deles são as etapas do pregão: o cancelamento de ofertas, pré-abertura do mercado, negociação, call de fechamento e after market.

Quer saber o que dá e o que não pode ser feito em cada um deles? Bora entender!

O que é o pregão?

O pregão é o período que uma bolsa de valores permite que seus investidores comprem e vendam ações.

Também chamado de “sessão”, o pregão é o momento destinado ao lance de ofertas por todas as ações negociadas na bolsa. Normalmente, começa cedinho e acaba no final da tarde. Também não é raro que sua duração seja estendida ou abreviada em razão de feriados locais ou eventos de grande escala. 

Os horários de começo e término de um pregão são mutáveis. Em geral, a bolsa os define baseado nos momentos de maior atividade do mercado local ou das economias mais líquidas do mundo – que, quase sempre, são as referências dos demais mercados. 

Por que o pregão é dividido?

A B3 foi a primeira bolsa do mundo a oferecer toda a cadeia de negociação de ações, garantindo a liquidação das operações. Isso quer dizer que, mais do que permitir que a população invista, a bolsa de valores do Brasil é responsável por garantir que as transações sejam seguras.

Por isso, há uma camada a mais de cautela por aqui em comparação com outras bolsas pelo mundo afora.

“Mesmo com toda essa preocupação, a B3 tem conseguido expandir o mercado brasileiro e acompanhar o crescimento do número de investidores da bolsa”, avalia Thiago Armentano, analista-chefe de ativos globais do Simpla Club.

Além da repartição das negociações, a B3 tem mecanismos para identificar ofertas preenchidas com preços fora dos padrões – e rejeitá-las, de maneira a evitar manipulações de preço. “Esses mesmos mecanismos são responsáveis por identificar que o preço de um papel está oscilando muito e colocar esse papel em leilão, para garantirmos que ele está sendo negociado pelo preço justo e não foi um erro de execução que causou a oscilação”, explica Fabio Perdiz, superintendente de monitoramento da negociação da B3.

Quais são as divisões do pregão?

Conheça abaixo as cinco etapas do pregão:

Cancelamento de ofertas

Antes mesmo da abertura do mercado, a fase de cancelamento das ofertas inicia o dia na bolsa. Neste período, os agentes do mercado cancelam as ordens de compra e venda que “dormiram” de um dia para o outro.

Às vezes, antes do pregão se encerrar, algumas ações não são liquidadas – isto é, ninguém as compra pelo valor sugerido pelo ofertante ou não aparece nenhuma proposta de venda no valor sugerido pelo comprador. E aí, elas “sobram” de um pregão para o outro. 

Mas, entre o fim de uma sessão e o início de uma nova, muita coisa pode mudar. E, talvez, aquela proposta não faça mais sentido. Por isso, a fase de cancelamento de ofertas possibilita que os participantes do mercado retirem as ordens que já não reflitam suas percepções sobre o mercado.

Pré-abertura

Depois, vem o leilão de pré-abertura dos negócios. É como se fosse uma prévia: não há nenhuma transação concretizada, mas os agentes do mercado podem dar lances nas ações. Cada uma dessas ações será recolhida e, juntas, formarão o preço do ativo. Aí, sim: o pregão começará, com as ações já em um patamar definido no que também é conhecido como “pré-mercado” ou “pré-market”. 

Vale lembrar que a pré-negociação do mercado à vista é diferente da abertura do mercado de contratos futuros de ações. Os dois podem ser um “esquenta” de como será a negociação das ações de verdade. Mas a diferença principal é que, no mercado de futuros, as negociações já estão acontecendo – tem gente comprando e vendendo contratos. No pré-mercado, não.

+ Os principais índices das bolsas de valores do mundo

Normalmente, a abertura do mercado de futuros é lida como uma “previsão” do dia no mercado à vista, já que, rigorosamente, ela acontece uma hora mais cedo do início das negociações à vista. 

E, apesar destes dois segmentos negociarem ativos diferentes, as empresas representadas pelas ações ou pelos contratos futuros são as mesmas. Por isso é possível prever, na abertura dos futuros, como o mercado à vista vai reagir a uma notícia da noite passada.

Abertura e negociação

Com o fim do leilão prévio, os investidores passam a ler informações o tempo inteiro e, com elas, tomam decisões sobre comprar ou vender as ações X, Y e Z. As negociações acontecem em tempo real e ininterruptamente, até que o pregão acabe ou, fatalmente, algo saia do controle.

Caso o mercado registre uma oscilação maior do que o normal, a bolsa pode ativar o mecanismo do “circuit breaker”. Trata-se de um mecanismo que as Bolsas de Valores dispõem para interromper imediatamente o pregão toda vez que os índices atingirem uma queda pré-determinada. 

No caso da B3, ocorre quando o Ibovespa tem uma queda de 10% em relação ao fechamento do pregão anterior. Nesse caso, as negociações são paralisadas por 15 minutos. Caso a queda alcance 15%, a paralisação do Ibovespa será de uma hora.

E aí, quando a poeira baixar, os negócios são retomados em leilão para, de novo, se chegar a um consenso de quanto aquele papel vale. Depois, continuam até o encerramento do pregão, no final da tarde, para serem retomados só na manhã seguinte. 

Call de fechamento

Os últimos 15 minutos do pregão são parecidos com os primeiros 15 que o antecedem. Na call de fechamento, as ações do Ibovespa entram em leilão, de novo, para se determinar o valor final delas. Ou, melhor, a qual preço fecharam. 

É claro que cada agente do mercado vai ter uma opinião diferente sobre uma ação em especial. Por isso, é natural que as ofertas de compra e venda variem.

+ Como lidar com as perdas nos investimentos? Conheça as 3 reações mais comuns

Mas, para gerar um valor razoável e inteligível, o leilão de fechamento soma todas as ordens e as faz interagir entre si. O resultado final é o que o mercado acha mais adequado para o preço desta ou daquela ação.

“É um momento muito importante para nós e para o mercado, porque é esse leilão que definirá o preço de fechamento dos papéis e é por esse preço que todas as carteiras de investimento serão contabilizadas”, adiciona Perdiz.

After-market

Ficou sabendo de algo que pode valorizar a ação amanhã, mas o pregão já acabou? Quer salvar sua carteira de investimentos após a call de fechamento? Calma! Mesmo depois do fim do pregão regular, é possível comprar e vender certas ações no after market, o “pós-mercado”.

Porém, só é possível adquirir ações que integram o Ibovespa. Elas também precisam ter sido negociadas durante o período normal do pregão, e com um preço que tenha oscilado menos de 2%. No after, as operações têm um limite de R$ 900 mil por CPF, e só podem ser feitas no mercado à vista ou fracionado.

E, aí, o pregão está, oficialmente, encerrado.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.