Notícias

O que os juros mais altos nos EUA têm a ver com os seus investimentos?

Saiba como a decisão do Banco Central dos EUA pode afetar o seu bolso no Brasil

Jerome Powell, presidente do Fed, discursa em púlpito em frente à bandeira dos Estado Unidos
O presidente do Fed, Jerome Powell, anuncia alta de juros nos Estados Unidos. Foto: Divulgação

Quem pensa que o fantasma da inflação anda assustando apenas o carrinho de compras dos brasileiros precisa se informar melhor. A alta dos preços é um fenômeno global nesta reta final da pandemia, provocada, sobretudo, por problemas de abastecimento de insumos, commodities e matérias-primas nas indústrias. 

Com uma demanda maior de consumidores – que voltaram para as suas rotinas após um longo período trancados em casa – e uma baixa na oferta de produtos nas prateleiras, os valores das mercadorias dispararam.

Para evitar que o fantasma assuma a forma de um zumbi da inflação, capaz de devorar os salários de trabalhadores e prejudicar a política monetária nos países, os Bancos Centrais recorrem ao conhecido expediente de aumentar as taxas de juros de suas economias. 

Isso explica o fato de a taxa Selic no Brasil ter saltado mais de 10 pontos em pouco mais de um ano, de 2% para perto de 14%. O percentual é o maior dos últimos 6 anos. Pior: com as quatro altas feitas recentemente pelo Banco Central norte-americano, fica claro que o aperto monetário por aqui está longe de terminar.  

Mas o que os juros nos EUA têm a ver com o Brasil?

Toda vez que o Federal Reserve Bank (Fed) – ou Sistema de Reserva Federal, numa tradução livre –, decide subir os juros naquele país, o mundo inteiro sofre as consequências. Mesmo que a taxa por lá esteja na faixa de 2,25% a 2,5%. 

As altas no mercado americano influenciam nas expectativas dos investidores globais sobre crescimento da economia e inflação, e são capazes de alterar o fluxo de investimentos, afetando ainda as taxas de câmbio em vários países. 

Como a alta dos juros nos EUA afeta a renda variável?

O principal efeito da alta dos juros em qualquer país é a desaceleração da economia local. Por se tratar dos Estados Unidos, espera-se uma possível recessão global, dada a relevância das relações comerciais dos norte-americanos mundo afora. Mesmo que o Ibovespa B3, o principal índice da Bolsa de Valores brasileira, já tenha previsto este esfriamento da economia meses atrás, agora que a realidade se confirmou, houve forte volatilidade, derrubando o preço dos ativos na B3. Quem tem posição em ações está assistindo a uma queda das suas cotações neste contexto.

O que o mercado teme? Basicamente, a elevação dos juros nos Estados Unidos costuma causar os seguintes efeitos no Brasil:

– Queda do Ibovespa: os investidores estrangeiros na Bolsa tendem a migrar seus recursos para os títulos norte-americanos, que se tornam mais atrativos com a melhora da equação risco x retorno naquele país. Esse movimento de saída do capital internacional costuma derrubar o preço dos ativos na bolsa brasileira;

Mudança no câmbio: no caso de uma debandada de dólares do solo brasileiro, é esperada a valorização da moeda estrangeira frente ao real;

Aumento da inflação: o dólar alto aumenta os custos de produção das indústrias nacionais que dependem de insumos importados, provocando novos reajustes de preços para os consumidores brasileiros;

Risco de recessão: a desaceleração da economia mundial também afeta a tentativa de recuperação econômica por aqui, por dois motivos. Primeiro, porque pode haver menos demanda de produtos e serviços brasileiros no exterior. Além disso, para evitar uma fuga de capital estrangeiro, o Banco Central do Brasil deverá aumentar a Selic novamente, o que poderá atrasar ainda mais a retomada das atividades no País devido à escassez de crédito no mercado. 

Impactos setoriais: a alta do dólar, por outro lado, pode beneficiar as ações de empresas exportadoras, assim como os ativos de instituições financeiras. Esses últimos, devido à perspectiva de um ganho maior dos bancos com a cobrança do spread (diferença entre a taxa do dinheiro captado e a taxa do valor emprestado) sobre a taxa de juros nesse cenário. 

O que os juros americanos significam para a renda fixa?

O fato de a alta dos juros nos Estados Unidos pressionar a inflação no Brasil causa um outro revés na nossa economia. Para conter o reajuste de preços por aqui, o Copom deve aumentar ainda mais a taxa Selic. Ganham, neste cenário, os investidores posicionados em renda fixa, como os títulos do Tesouro Direto atrelados ao IPCA, o índice oficial da inflação no Brasil.

Títulos com rentabilidade prefixada são bastante recomendados neste cenário, uma vez que o aperto monetário deve continuar, com a manutenção da Selic em dois dígitos por mais tempo. Porém, os papéis pós-fixados não ficam para trás, pois, a cada nova perspectiva de alta dos juros pelo Copom, o mercado aumenta o preço desses títulos.

Por mais que sejam relevantes os impactos da decisão do Fed sobre a economia brasileira, nenhuma previsão vale mais que uma análise profunda sobre o seu portfólio. Quem comprou um produto financeiro ciente dos riscos e das chances de retorno sabe da importância de pensar o investimento numa perspectiva de longo prazo.

Portanto, em momentos como esse, evite a histeria do mercado – o efeito manada –, a mesma que levou muitas pessoas físicas a venderem seus ativos acreditando que a inflação norte-americana sinaliza o fim do mundo. O Brasil já passou por diversas crises e, se a cada oscilação do Ibovespa, o desespero bater à sua porta, é hora de investigar seu perfil como investidor de renda variável. Acredite: a desinformação é mais prejudicial do que uma crise econômica para o seu bolso.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias