Criptoativos

Tokenização: o que é, como funciona e quais os seus benefícios

Processo da tokenização traz avanços, mas enfrenta ambiente ainda não regulamentado no país

Foto: Pixabay
A tokenização é um processo que transforma um bem ou direito em uma representação digital, chamado token digital. Foto: Pixabay

Por João Paulo dos Santos

A tokenização pode tornar os investimentos mais acessíveis. Porém, o conceito ainda é desconhecido pela maioria das pessoas e depende de regulação no Brasil.

A seguir, te explicamos como a tokenização funciona e pode te ajudar a investir melhor.

O que é a tokenização?

A tokenização é um processo que transforma um bem ou direito em uma representação digital. Chamada de token digital, ela é registrada e negociada na redeblockchain, tecnologia que permite armazenar dados em blocos distribuídos em uma rede e os usa para validar qualquer alteração realizada.

+ O que é blockchain? Entenda a conexão com as criptomoedas

“Isso significa que um elemento físico, a exemplo de uma obra de arte, quando digitalizada recebe um token atribuído a ele. Ou seja, essa obra é registrada com uma chave alfanumérica única. É essa relação entre o token e o bem que faz com que ele tenha a sua propriedade ou valor”, explica André Miceli, coordenador acadêmico da FGV. 

Qual o diferencial do funcionamento de um token?

Para entender melhor como funciona um token, pense na seguinte situação: você anexa uma foto no e-mail ou no seu WhatsApp e manda para outra pessoa. O que você está fazendo é gerar uma cópia que irá sair do seu celular ou do seu computador e chegar no celular ou no computador de outra pessoa, certo?

Quando há tokenização e armazenamento em uma blockchain, se eu envio o bem para uma outra pessoa, ele sai do meu computador e vai para o computador de outra pessoa, exatamente como acontece no mundo físico. É como se tivesse entregado a alguém a obra de arte.

“Esse processo de tokenização faz com que os elementos digitais tenham essa mesma propriedade no processo de transferência. Ou seja, eles deixam de fazer parte do local de origem e passam a pertencer ao destino”, afirma Miceli.

Esses tokens podem representar quaisquer bens, direitos e também expectativas de direito. São imóveis, recebíveis de duplicatas, recebíveis judiciais, moedas, automóveis, commodities, títulos financeiros, entre outros. 

“A tokenização também permite a divisão e o compartilhamento desses ativos em partes menores, geralmente permitindo a livre negociação, de modo instantâneo, sem fronteiras e com custos de transação irrisórios”, ressalta Gustavo Blasco, CEO e fundador do Grupo GCB.

Quais são as vantagens e desvantagens da tokenização?

O primeiro grande benefício a ser destacado é o potencial de democratização de investimentos. A tokenização pode aumentar a gama de investimentos, diminuir as distâncias de negociações e ser mais acessível, pois pode ser fracionada.

“Com a tokenização, por exemplo, se pode investir em peças de arte sem ter dinheiro para comprar a obra inteira. Pode-se investir numa fração de um quadro, que passa a fazer parte da carteira. Se esse quadro inteiro é valorizado eu recebo o valor da valorização proporcional à fração que tenho”, diz o coordenador da FGV. 

Blasco também acredita que o processo pode facilitar o acesso a ativos mais complexos, que geralmente são restritos a investidores qualificados. “Ao transformar esses ativos em tokens digitais, é possível oferecer oportunidades de investimento para um público mais amplo”.

Vantagens: liquidez, eficiência e custo baixo

Outro benefício destacado pelos especialistas é uma maior liquidez, já que a rede blockchain reduz fronteiras, tornando global o acesso ao investimento. A tokenização também reduz o custo das transações, pois reduz intermediários.

“Como quem executa o processo e a gestão dos elementos blockchain pode inclusive ser um software aberto, fazer negócio através dessa tecnologia pode sair mais em conta. Além disso, o processo tem maior transparência, já que é possível rastrear as transações, de onde elas saíram e para onde elas foram”, destaca André Miceli.

+ Como investir em cripto pela bolsa? Guia prático

Desvantagens: falta de regulação no Brasil 

A falta de regulação para a tokenização e as negociações em blockchain no Brasil são as principais pedras no caminho do conceito.

“O grande desafio no Brasil e no mundo é como regular a tokenização de ativos, que não são valores mobiliários e até pouco tempo atrás eram bastante ilíquidos”, afirma Caio Morais, CMO do Grupo GCB.

Morais ressalta que é um cenário totalmente novo e que no Brasil o regulador tem procurado ouvir o mercado para criar uma regulamentação para esse tipo de investimento. Os principais objetivos são:

  • Proteger os investidores;
  • Criar marcos prudenciais que mitiguem riscos sistêmicos; 
  • Não inibir a inovação; 
  • Não impedir que novas e mais eficientes formas de se investir e, na outra ponta, de tomar crédito surjam e se consolidem;
  • Não atrasar a criação de um novo ecossistema de mercado financeiro mais robusto, seguro e transparente

“Evidentemente a gente precisa de uma boa regulamentação porque é por meio dela que se cria confiança no mercado financeiro. A confiança é uma característica fundamental para que qualquer inovação aconteça”, conclui o coordenador da FGV.

Além disso, também é preciso enfrentar a volatilidade dos preços dos tokens e os riscos tecnológicos, como ataques cibernéticos, frisa Gustavo Blasco.

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.