ETFs

Tem dúvidas sobre qual ETF escolher? Veja as dicas de como analisar um ETF!

Um homem olhando para várias telas de computadores e analisando gráficos
Tem dúvidas sobre qual ETF escolher?
Com XP

Com sua própria inteligência de análises, relatórios e informações do mercado, a XP oferece um portfólio completo de produtos para investidores que buscam independência, robustez e consistência.

O nosso dia a dia é feito de decisões e não são poucas as situações em que nos encontramos com dificuldade em tomá-las.

O mesmo acontece quando precisamos escolher o melhor investimento financeiro, afinal, tomar boas decisões de investimento é fundamental para alcançar bons resultados. Para isso, é necessário avaliar nossos objetivos, prazos, aversão a risco, entre outros fatores.

No mercado financeiro, muitos investidores iniciam suas carteiras com investimentos de renda fixa para, em seguida, incluir a renda variável.

No entanto, montar uma carteira de ações demanda muito tempo, além daquela sensação de desconforto de tomar decisões, por exemplo, qual a melhor empresa ou ativo para investir.

Para isso, foram criados os ETFs (ou fundos de índice) que são alternativas de diversificação e simplificação, viabilizando o acesso a diferentes oportunidades de investimentos.

Mas como escolher tais ativos? Quais os critérios de decisão? Vejamos algumas dicas de como realizar essa escolha identificando os pontos-chave para análise de um ETF.

1. O Que São Exchange Trade Funds (ETF)

Os ETFs são fundos de investimento que replicam um determinado índice do mercado financeiro de ações, renda fixa ou algum outro tipo de ativo.

Devido a essa característica, tais fundos possuem uma gestão passiva, suas cotas são negociadas nas bolsas de valores e o investidor pode comprá-los ou vendê-los através do home broker da corretora de preferência.

Dessa forma, os ETFs são instrumentos interessantes para todos os tipos de investidores pois permitem que se exponham a diversos ativos por meio de suas cotas.

No entanto, por serem ativos negociados na bolsa, estão sujeitos às oscilações do mercado, indicados para investidores com menor aversão a risco.

2. A Gestão do ETF

Uma das mais importantes características dos fundos de investimento é o tipo de gestão. Como dito acima, os ETFs têm gestão passiva e o principal objetivo da gestora é garantir que a gestão seja realizada de maneira eficaz.

No processo de escolha dos investimentos, eleger instituições com bons profissionais é muito relevante, além de verificar se a entidade gestora tem os interesses alinhados ao dos seus investidores.

3. O Processo de Réplica do ETF

É a forma de como o ETF consegue replicar o índice de referência. Nos ETFs, existem duas opções, a réplica física e a réplica sintética.

A réplica física consiste em adquirir os ativos na mesma proporção do índice que se deseja acompanhar, estabelecendo a correlação com o índice principal da forma mais elevada possível.

A réplica de forma sintética utiliza os derivativos, pois muitos dos componentes dos índices referenciados em ETFs de commodities são de negociação e custódia praticamente impossível em sua forma física.

4. Tipo de Exposição

Esse talvez seja o critério mais importante na escolha de um ETF. Esses fundos possuem diversos tipos de exposição, seja em renda fixa, em renda variável, em regiões geográficas, em tipos de produtos, etc.

O investidor precisa, antes de mais nada, definir o que realmente busca como tipo de exposição escolhendo o número de posições adequadas ao seu perfil de risco.

Fonte: Associação Internacional de Fundos de Investimentos, dados do 2º trimestre de 2021

5. Metodologia do Benchmark

O objetivo de cada ETF é replicar o seu benchmark da forma mais próxima possível.

Por isso, é relevante saber qual tipo de metodologia é aplicado ao índice de referência. Se por exemplo, a metodologia do índice utiliza filtros ou pesos diferenciados.

Alguns ETFs são do tipo Market Cap Weight (capitalização de mercado) no qual as empresas com maiores capitalizações de mercado possuem maior peso, ou ETF Equal Weight, quando as empresas componentes do índice possuem o mesmo peso, independente da sua importância em mercado.

6. Domicílio

Em quais países os ETFs estão domiciliados? Atualmente, os países com maiores volumes de ETFs são os EUA, a Irlanda, Canadá, Japão e Taiwan.

7. Informações

É extremamente necessário buscar todas as informações do ETF disponibilizadas no seu regulamento.

Como nem todo investidor possui o tempo necessário para isso, as informações mais relevantes podem ser encontradas no site de cada ETF de forma reduzida.

8. Tracking Error e Tracking Difference

Tracking Error é a diferença entre o desempenho de um fundo e seu índice de referência, calculado de forma similar ao desvio-padrão. Por exemplo, entre julho de 2021 e julho de 2022 o tracking error do BOVX11 foi de 0,04%.

Tracking Difference é a diferença entre a retorno do fundo e do índice de referência em determinado período.

Quanto menor for esta diferença, melhor será a qualidade da réplica e, por consequência, mais próximo ao índice será o resultado final obtido pelo investidor.

Os fundos de gestão passiva tendem a ter um tracking difference reduzido, mas raramente será nulo, podendo ser negativo ou positivo.

9. Correlação

É uma medida estatística que mede o nível de relação entre duas variáveis (no caso, o índice de referência e o ETF). Nesse caso, a correlação necessita ser a mais alta possível ou o mais próximo de 1.

De acordo com esse medidor, a correlação entre o índice Ibovespa B3 e o BOVA11, por exemplo, é de 0,986, o que demonstra uma forte correlação entre os dois ativos.

10. Bid-Ask Spread

Outro indicador importante é o bid-ask spread (diferença entre o preço de compra e de venda).

Quanto menor for esse diferencial, menor será o custo que o investidor tenha que suportar quando transaciona o ETF.

No caso do bid-ask spread do BOVX11 é de 0,2% considerando os preços mínimos e máximos diários do primeiro semestre de 2022.

11. Os Custos

A negociação de ETFs em bolsa envolve as taxas de negociação e de administração que, normalmente, são baixas quando comparadas a outros tipos de fundos de investimentos.

12. Tamanho e Quantidade de Ativos

Os ETFs com uma pequena quantidade de ativos na carteira possuem um maior risco não sistemático. Já os fundos com um maior número de ativos possuem um menor risco não sistemático, devido à maior diversificação.

Fonte: B3

13. Aspectos Tributários

No Brasil, os ETFs de renda variável são tributados à alíquota de 15% sobre o ganho de capital, de forma que o investidor precisa calcular o lucro obtido e pagar o imposto através um DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais).

Já para os ETFs de renda fixa a alíquota é de 15%, independente do prazo sendo o imposto de renda retido na fonte pela instituição financeira. Também não há a cobrança semestral de come-cotas ou de IOF como nos fundos de renda fixa tradicionais.

É bom lembrar que ETFs não contam com a isenção de IR para vendas de ativos de até R$ 20 mil mensais.

14. Conclusão

Os ETFs são uma excelente opção de investimento para investidores que não têm tempo ou expertise para avaliar ações de empresas ou mesmo de ativos para compor o seu portfólio.

Como os ETFs são normalmente compostos por uma carteira de ativos, o investidor terá ao seu alcance o melhor dos mundos: a oportunidade de diversificação de carteira sem a necessidade de acompanhar individualmente cada ativo que faz parte do fundo.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.