Entrevistas

“Não será o fim do mundo se o governo não zerar o déficit das contas em 2024”, diz Eduardo Giannetti

Em entrevista, economista diz acreditar que, caso não haja equilíbrio entre receitas e despesas, desafio do País será contingenciar gastos

Eduardo Giannetti Crédito: Divulgação
Eduardo Giannetti Crédito: Divulgação

O governo e sua equipe econômica, liderada pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, tem no primeiro ano de vigência das novas regras fiscais (arcabouço fiscal) o tortuoso desafio de atingir a meta de equilibrar as contas públicas – o famoso déficit zero.

Desde o ano passado, o executivo lançou uma série de medidas para elevar a arrecadação, com valor total na ordem de R$ 170,8 bilhões, para cumprir essa meta estabelecida na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Muitas dessas propostas, inclusive, já foram aprovadas pelo Congresso.

Mesmo assim, o mercado ainda vê com ceticismo que o déficit zero seja alcançado – e projeta um rombo nas contas de 0,5% a 0,75% do Produto Interno Bruto (PIB) – em torno de R$ 80 bilhões para 2024. Ou seja, a expectativa é de que as despesas superem as receitas, aumentando a dívida pública.

O Tesouro Nacional, no primeiro Relatório de Projeções Fiscais divulgado na semana passada, pensa diferente e prevê o cumprimento da meta fiscal em 2024, mas não nos dois anos seguintes.

Para o economista e membro da Academia Brasileira de Letras, Eduardo Giannetti da Fonseca, não será o “fim do mundo” e do arcabouço se o déficit zero não for alcançado neste ano. No entanto, o professor alerta que se no fim do 1º trimestre a meta estiver longe de ser atingida, estão previstos na regra fiscal mecanismos de contingenciamento de gastos.

“O grande teste para as expectativas do mercado financeiro será saber se o governo vai recuar em relação às metas ou se vai implementar o contingenciamento. A boa notícia, no curto prazo, é que a arrecadação em janeiro surpreendeu para melhor”.

No primeiro mês de 2024, a receita com impostos e contribuições federais atingiu R$ 280,3 bilhões – maior valor para todos os meses de janeiro da série histórica da Receita Federal que começou em 1995. Segundo o Fisco, a tributação de fundos exclusivos ajudou na alta da arrecadação (R$ 4,1 bilhões), além da retomada dos tributos sobre combustíveis.

Em entrevista exclusiva ao B3 Bora Investir, o economista, filósofo e membro da ABL também falou sobre as mudanças climáticas e a necessidade de ajustar o sistema de preços para refletir os custos ambientais. Eduardo Giannetti é um dos primeiros pensadores brasileiros a trazer a questão ambiental para o debate econômico.

Arcabouço e contingenciamento

O arcabouço fiscal prevê o acionamento de ‘gatilhos’ no caso de descumprimento da meta, que obrigam o governo a contingenciar despesas. Hoje a LDO estabelece um limite de R$ 26 bilhões para o contingenciamento de gastos em 2024.

Contudo, o arcabouço fiscal aprovado em agosto de 2023 prevê que o bloqueio pode ser de até 25% das despesas discricionárias (não obrigatórias, como recursos para custeio e investimentos). O que elevaria o valor para mais de R$ 50 bilhões.

Se mesmo assim o governo descumprir a meta, outros ‘gatinhos’ passam a vigorar, como a proibição de criação de novos cargos e alteração de estrutura de carreira, por exemplo.

Essa discussão é importante para o governo porque pode afetar justamente a meta de zerar o déficit das contas.

Expectativas do mercado

As expectativas do mercado financeiro, já citadas por Giannetti, passam pelo modo como o governo deve apresentar as soluções para tentar atingir o equilíbrio das contas ou pelo menos chegar próximo dessa conta.

Segundo o economista, o compromisso assumido de austeridade nos gastos passa também pela seriedade com que o governo está tratando dessa questão.

“Quanto mais a gente estuda a economia, mais aprendemos como as expectativas são determinantes das ações e dos resultados. Portanto, é preciso tomar muito cuidado na administração, na gestão dessas expectativas, especialmente dos mercados financeiros, que são muito mais nervosos e muito mais capazes de promover grandes deslocamentos de recursos em curto período”.

Medidas de aumento da arrecadação

As principais medidas enviadas pelo governo e aprovadas no Congresso para aumentar a arrecadação somam R$ 170,8 bilhões em valores brutos, que serão divididos com estados e municípios.  

  • subvenções para investimento: R$ 35,3 bilhões;
  • fim da dedução de juros sobre capital próprio: R$ 10,4 bilhões;
  • apostas esportivas: R$ 1,1 bilhão;
  • taxas de loteria: R$ 3,1 bilhões;
  • novo regime de tributação simplificada para produtos importados: R$ 2,9 bilhões;
  • tributação de fundos exclusivos e offshores: R$ 20,1 bilhões;
  • recuperação de créditos do CARF: R$ 54,7 bilhões;
  • transação tributária entre Receita e Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional: R$ 43,2 bilhões.

Projeções: déficits em 2025 e 2026

O primeiro Relatório de Projeções Fiscais deste ano, publicado pelo Tesouro Nacional, alertou que o país deve ficar com as contas públicas no vermelho em 2025 e 2026.

Os déficits esperados são de 0,5% do PIB já no ano que vem e 0,4% do PIB em 2026, o que frustra as expectativas de meta fiscal prevista na LDO deste ano, que prevê superávit de 0,5% do PIB em 2025 e de 1% do PIB no ano seguinte – o que ampliaria gastos com investimento e redução da dívida pública.

Importante pontuar que essas são apenas previsões, ou seja, a meta que de fato vai vigorar em 2025 terá de ser incluída na LDO de 2025 e assim por diante. Segundo o Tesouro, esse cenário já considera os bloqueios de gastos nos próximos dois anos. Assim a equipe econômica terá de apresentar mais medidas para cumprir as metas estipuladas.

“Mesmo com a adoção de contingenciamento em 2025 e 2026, na ausência de novas medidas, a receita líquida se encontra abaixo das despesas neste período”, diz um trecho do documento.

Regulamentação da reforma tributária

O outro desafio do governo para 2024, segundo o professor Eduardo Giannetti, é a discussão das propostas que regulamentam a reforma tributária, aprovada no ano passado após mais de quatro décadas de discussão.

A Reforma unifica cinco tributos em dois: a Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) com gestão federal; e o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS): com gestão compartilhada entre estados e municípios.

A emenda também cria uma série de tratamentos diferenciados a setores, com alíquotas reduzidas, que ainda precisam ser alvo de regulamentação. De acordo com o economista, esse detalhamento será o grande obstáculo para o governo.

“O diabo mora nos detalhes. Eu acho que o governo tem que tomar muito cuidado para não ficar preso em grupos de interesse que vão, como sempre fazem, querer privilégios. Vão achar que o seu setor é diferente dos outros e que merecem um tratamento especial. Evidente que alguns setores, de fato, vão ter que ter um tratamento diferenciado”, afirma Giannetti.  

A dificuldade na regulamentação de pontos da reforma passa, por exemplo, pela definição da lista de produtos que vão integrar a ‘cesta básica nacional’, que será isenta de impostos. Outro ponto polêmico é o mecanismo de cashback, que prevê a devolução do imposto pago por famílias de baixa renda em determinados produtos.

“É muito irrealista imaginar um cashback para milhões de brasileiros que receberiam de volta o dinheiro que pagariam de impostos ao comprar itens da cesta básica. É uma questão operacional extremamente complexa e, eu diria até mesmo inviável. Portanto, eu acho que a cesta básica de fato vai ter que ter um tratamento diferenciado, mas eu ficaria por aí”.

A reforma tributária já prevê a devolução para famílias mais pobres de impostos sobre energia elétrica e gás de cozinha.

Impacto da reforma tributária nos negócios

O economista e filósofo, Eduardo Giannetti, disse ainda que um sistema tributário mais simples e que dê horizonte para o tomador de decisões do setor privado será um ganho expressivo no ambiente de negócios brasileiro.

“Criar um regime tributário estável e juridicamente sólido potencialmente poderá fazer andar o que realmente ainda chama a atenção para pior na economia brasileira, que é o baixíssimo nível de investimento desde a recessão de 2015/2016”.

Segundo Giannetti, os investimentos no Brasil nunca mais foram os mesmos desde a estagnação econômica há quase uma década atrás.

“A capacidade de investimento brasileira, setor privado especialmente, é uma peça fundamental para que essa formação bruta de capital fixo possa voltar para território positivo e começar a crescer daqui para frente”, conclui.

Quer saber mais sobre investimentos? Vem pro Hub da B3 e encontre conteúdos gratuitos para você.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias