Notícias

Arcabouço fiscal: líderes dos partidos se reúnem hoje para marcar a votação

Expectativa é que a votação aconteça entre hoje e amanhã. Relator confirmou que fará ajustes no texto e aumento de gastos não será de R$ 80 bilhões em 2024

Congresso. Foto: Roque de Sá/Agência Brasil
O novo arcabouço fiscal tem no aumento da arrecadação do governo um dos principais pilares para sua viabilização. Foto: Roque de Sá/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

A tramitação do projeto da nova âncora fiscal, que está na Câmara dos Deputados, começa a entrar na reta final de discussão.

Uma reunião dos líderes partidários, marcada para esta terça-feira, 23/05, vai definir se o texto será votado hoje ou nesta quarta-feira, 24/05. Possíveis ajustes no projeto e até alterações de última hora não estão descartadas.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT) e o relator do projeto, deputado Cláudio Cajado (PP-BA) tentam desde a semana passada esclarecer alguns pontos que geraram ruídos entre os congressistas. O principal deles é a percepção de que a nova versão da proposta abre espaço para um aumento de gastos maior do governo nos próximos anos.

Aumento dos gastos

Economistas do mercado financeiro calcularam que o governo terá R$ 80 bilhões a mais de caixa para usar em 2024. Mas o número foi contestado tanto por Haddad quanto pelo relator.

Os analistas chegaram a essa cifra após Cajado inserir um dispositivo que fixou uma alta real de 2,5% nas despesas do ano que vem – limite máximo para o aumento dos gastos acima da inflação, previsto na nova regra fiscal.

+ Câmara aprova urgência para o projeto do Arcabouço fiscal

“Nós vamos fazer uma redação que deixe claro que o aumento de gastos de mais R$ 80 bilhões não é verdade. Nós vamos deixar claro numa nova redação. Até amanhã [hoje] eu estarei com o texto desse artigo claro, para que não haja dúvidas”, afirmou o relator.

O impasse

Pelos cálculos de Claudio Cajado e da equipe econômica do governo, as despesas aumentariam de R$ 10 bilhões a R$ 20 bilhões em relação ao projeto entregue pelo executivo. Fernando Haddad afirmou que é preciso deixar bem claro as contas que foram feitas para evitar novas confusões.

A conta dos gastos extras de R$ 80 bilhões foi feita pelo ex-secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, economista da ASA Investments, a partir de mudanças introduzidas no texto pelo relator.

A regra do novo arcabouço fiscal estabelece que as despesas podem subir o equivalente a 70% da alta real das receitas, no intervalo de 0,6% a 2,5% (acima da inflação). Entretanto, durante as mudanças de redação feitas por Cajado, ele estabeleceu que, em 2024, essa alta será de 2,5%, independentemente da arrecadação.

Diante da previsão de vários economistas que as despesas avançariam abaixo desse teto, a conclusão foi que essa diferença configura um gasto extra para o governo.

Outras mudanças que criaram polêmicas

Um outro ponto que tem provocado debates é o que determina que a inflação usada para corrigir os gastos seja calculada em 12 meses até junho do ano anterior. Caso o IPCA do ano fechado seja maior, o relator permitiu que a diferença possa se transformar em expansão de despesas.

A pressão também se concentra no pedido de vários parlamentares para tirar o Fundo de Financiamento da Educação Básica (Fundeb) do limite de gastos do arcabouço. Essa proposta já estava no projeto encaminhado pelo governo, mas foi alterada pelo relator Claudio Cajado.

+ Mercado reduz projeção de inflação para 2023 e vê PIB mais forte

Os gastos com o Fundeb são obrigatórios e consomem espaço do Orçamento. Na segunda-feira, os ministérios do Planejamento e Orçamento e da Fazenda anunciaram a necessidade de bloquear R$ 1,7 bilhão nas chamadas despesas discricionárias (investimentos e custeio da máquina pública) do Orçamento deste ano.

O projeto da nova âncora fiscal já recebeu 40 emendas de deputados com propostas para alterar o texto. No entanto, Cajado afirmou que vai aceitar apenas as que mexam na redação, e não no mérito. o intuito é evitar atrasos na votação.  

Rombo nas contas

A votação do novo arcabouço fiscal acontecem em um momento de piora na estimativa de rombo das contas públicas em 2023. A previsão é de que o chamado déficit primário (receitas menos despesas, sem considerar o pagamento de juros da dívida) fique em R$ 136,2 bilhões. A projeção anterior, feita em março, era de rombo de R$ 107,6 bilhões.

Os dados constam no relatório de receitas e despesas do orçamento relativo ao segundo bimestre deste ano, divulgado pelos ministérios do Planejamento e Orçamento e da Fazenda. Apesar da piora, o governo foi autorizado pelo Congresso a ter um rombo de cerca de R$ 230 bilhões neste ano.

+ Vendas do varejo crescem em março e fecham 1º trimestre no positivo

Segundo o governo, a piora acontece por causa do aumento de despesas, principalmente as atreladas ao salário mínimo. Em maio, o governo aumentou o piso salarial para R$ 1.320, o que elevou também parte dos benefícios previdenciários, o abono salarial e o seguro-desemprego. Houve aumento também nas projeções de despesas com complementação para o piso da enfermagem e apoio financeiro a estados e municípios (Lei Paulo Gustavo).

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.