Notícias

Atividade fraca na Europa e novos riscos à economia da China preocupam mercado

Inflação na zona do Euro veio dentro do esperado em julho. Na China, importante incorporadora imobiliária, a Evergrande, pediu proteção contra falência

Bandeiras hasteadas de vários países onde as empresas estrangeiras vendem papéis de ações via BDR. Intercâmbio. Foto: Adobe Stock
O mundo globalizado conta com investimentos que alcançam toda a economia mundial. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

A desaceleração mais contundente da inflação na zona do Euro, que mostra uma atividade mais fraca na região, se somou nesta sexta-feira, 18/08, a novas preocupações com a desaceleração da economia chinesa.

O índice de inflação ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) nos países que compõem o bloco europeu, desacelerou para 5,3% em julho, ante os 5,5% no mês anterior. Um ano antes, a taxa estava 8,9%, segundo o Eurostat.

Zona do Euro, FMI, OMC, OCDE: quem é quem na economia mundial

O resultado veio dentro do esperado pelo mercado e mostra uma perda de ritmo dos preços de energia e alimentos. Na contramão ficaram os serviços, que mantiveram a tendência de alta.

Essa moderação é resultado da política monetária contracionista do bloco. Em junho, o Banco Central Europeu (BCE) elevou os juros básicos para 3,50%, os juros de empréstimos subiram ao patamar de 4,25% e o juro de refinanciamento para 4%.

Novas preocupações na China

Paralelamente a situação de atividade mais fraca na Europa, os mercados internacionais seguem em dificuldade diante de novos focos de problemas na economia da China.

Nesta quinta-feira, 17/08, a incorporadora chinesa mais endividada do mundo – a Evergrande – pediu proteção contra falência nos Estados Unidos.

A empresa busca aprovação de um tribunal americano para reestruturar mais de US$ 19 bilhões em dívidas offshore de três de suas empresas com sede em Hong Kong, Ilhas Virgens Britânicas e Ilhas Cayman.

Entenda a importância da as relações entre o Brasil e a China

A Evergrande já foi a empreiteira líder no mercado chinês, mas desde 2021 enfrenta uma forte crise de liquidez nos mercados.

A crise na companhia é mais um indício dos problemas no mercado imobiliário do gigante asiático, que vem cambaleando desde o pós-pandemia. Vale lembrar que um terço do PIB chinês vem desse setor.

“As preocupações em relação à China persistem, com sinais de desaceleração econômica e desafios no setor imobiliário e dívidas. As bolsas globais enfrentaram dificuldades, com a semana mais difícil desde março”, afirmou o economista-chefe do banco Master, Paulo Gala.

A perspectiva de menor crescimento global, diante do aperto monetário nas economias para domar a inflação, também tem impactado a balança comercial chinesa. Além disso, a queda na demanda levou o país a uma deflação.

Gostou desse conteúdo e quer saber mais sobre como a alta de preços impacta sua vida financeira? Faça grátis e online os cursos da B3!

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.