Notícias

Como ficam os investimentos de renda fixa com a Selic a 13,75%

Última reunião do Copom manteve a taxa básica de juros; títulos pós-fixados devem ser os mais valorizados

Livro do Comitê de Política Monetária em cima da mesa
A manutenção da taxa Selic mantêm a atratividade dos investimentos de renda fixa. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A nova reunião do Copom realizada ontem, dia 26/10, manteve a taxa básica de juros (Selic) em 13,75%. Trata-se de uma manutenção do indicador, que está no mesmo patamar desde agosto.

A decisão do Banco Central traz consequências a investidores e até para quem não está no mercado financeiro. Abaixo, os comentários de André Massaro, professor da B3 Educação.

Juros altos beneficiam a renda fixa?

A manutenção da taxa Selic mantêm a atratividade dos investimentos de renda fixa, de acordo com o professor. “Mesmo sem novos aumentos, os juros continuam altos no Brasil. Esse quadro só beneficia uma categoria de pessoas, que são os investidores de renda fixa, sobretudo os com títulos pós-fixados”, explica Massaro.

Entre tais títulos, estão alguns do Tesouro Direto, como os atualmente disponíveis Tesouro Selic 2025 e Tesouro Selic 2027. O investimento mínimo para o primeiro é de R$ 123,38 e, para o segundo, de R$ 122,73.

Segundo o site oficial do Tesouro Direto, os títulos pós-fixados pela Selic são ideais para composição de uma reserva de emergência e para objetivos de curto prazo, já que possuem vencimento próximo (2025 e 2027).

Outro investimento de renda fixa, o Certificado de Depósito Bancário (CDB) pode ser valorizado com a manutenção da Selic. Em sua categoria pós-fixada, o CDB é atrelado à taxa DI, que acompanha de perto a Selic. Hoje, a taxa DI está em 13,65%. Também há CDBs indexados pela Selic.

A nova decisão do Copom também afeta os investimentos de renda variável: “o dinheiro que está na bolsa é um só; logo, se há um deslocamento de recursos para a renda fixa, é de se esperar que a renda variável seja menos procurada. Com a Selic em 13,75%, as ações e FIIs terão dificuldade de competir com os juros pagos a investidores por meio da renda fixa”, afirma o professor da B3.

Massaro também explica que a menor procura pela renda variável não quer dizer que a bolsa terá desempenho ruim, mas é um fator que pode “segurar” as altas expressivas do Ibovespa, principal índice da B3 e composto por ações.

Por que a taxa de juros foi mantida no mesmo patamar?

“A mensagem da última reunião do Copom é clara”, observa Massaro, “o Banco Central não vê necessidade de aumentar os juros”. Uma vez que a Selic é aumentada quando é preciso controlar a inflação – já que juros altos inibem o consumo e, por consequência, freiam o aumento dos preços -, a mais recente decisão do Copom indica estabilidade tanto na inflação quanto na economia como um todo.

+ Inflação controlada: como os Bancos Centrais definem as taxas de juros?

Entretanto, Massaro alerta que a Selic continua alta, levando em conta o histórico do indicador.

“Quando falamos de juros, pensamos em ciclos de alta e ciclos de baixa. A manutenção da Selic pode indicar que o ciclo de alta está chegando ao fim, o que não quer dizer que já estejamos vivendo um ciclo de baixa”, explica Massaro.

Segundo o professor da B3, ainda não há evidências de um ciclo de baixa dos juros. “Para que isso aconteça, a inflação precisaria cair, mas ainda não há sinalização de que isso vá acontecer tão cedo.”

Uma vez que o Brasil é um país com alto número de endividados, a manutenção da Selic pode afetar diretamente parcelas da população que tomam empréstimos. “A Selic é a taxa básica de juros, isso quer dizer que ela é a mínima possível; então, quando um banco ou empresa de crédito cede empréstimos, seus juros serão maiores que a Selic”, alerta Massaro.

Precisa colocar as contas em dia? Esse curso gratuito pode te ajudar: Como organizar suas finanças

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias