Notícias

Copom sobe o tom contra riscos fiscais e mudanças na meta de inflação

Comitê alertou sobre o impacto das contas públicas na inflação e se os juros atuais são capazes de assegurar o cumprimento da meta. Selic foi mantida em 13,75% a.a.

Copom sobe o tom contra riscos fiscais e mudanças na meta de inflação
A interpretação desse cenário pelo Comitê acontece em meio a uma escalada de críticas que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem feito a autonomia do BC. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Redação B3 Bora Investir

O Comitê de Política Monetária (Copom) subiu o tom em uma dura mensagem que acompanhou ontem a decisão de manter a taxa básica de juros (Selic) em 13,75% a.a. No comunicado, a autoridade monetária deu um amplo destaque aos riscos fiscais e indicou que as “expectativas de inflação estão se distanciando da meta”, o que “demanda maior atenção na condução da política monetária”.

Essa indicação do comitê, foi interpretada pelos economistas como uma preocupação com o arcabouço fiscal e com uma possível elevação da meta de inflação – temas questionados recentemente pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Para os analistas, o BC deixou nas entrelinhas que se a meta de inflação subir, as projeções do BC também vão, e não haverá cenário plausível para o corte de juros.

“O discurso veio mais duro. Podemos até fazer uma leitura de que a independência [do BC] está afirmada. O Banco Central basicamente diz que vai manter a Selic alta por mais tempo. E que, nos termos dele, vai perseverar para ancorar [levar] as expectativas de inflação para a meta. Inclusive disse que não hesitará em retomar o processo de ajuste se for necessário”, analisa Paulo Gala, economista-chefe do Banco Master.

A expectativa do mercado financeiro era que a Selic fosse a 12,5% ao ano até o fim de 2023. No entanto, o Banco Central mostrou projeções que apontam a inflação acima da meta em setembro de 2024 se os juros caíssem para esse patamar. Em um cenário alternativo, o comitê mostra a inflação basicamente na meta em caso de juros estáveis em 13,75% ao ano.

Para o economista-chefe da Nova Futura Investimentos, Nicolas Borsoi, a taxa básica de juros seguira nesse patamar até dezembro deste ano, não mais agosto como era esperado. Entretanto um aumento de juros também não pode ser descartado.

“Frente à inflação resiliente, o aumento dos gastos com a PEC da Transição e a provável manutenção dos preços de commodities elevados, puxados pela reabertura chinesa, acreditamos que a convergência da inflação para a meta exigirá uma postura mais conservadora do Copom, em linha com o cenário alternativo descrito. Em nossa visão, há uma assimetria na postura do Copom, com poucas chances cortes, implicando que a taxa Selic seguirá em 13,75% ou subirá em 2023”, afirma.

Como fica a renda fixa?

A manutenção da Selic em 13,75% ao ano mantém a renda fixa como uma opção de investimentos. No entanto, a Head de Research de Renda Fixa da XP, Camilla Dolle, alerta para a volatilidade dos títulos diante dos riscos fiscais.

“Continuamos com visão positiva para a renda fixa de maneira geral, visto que as taxas de juros permanecem elevadas e o IPCA continua a ser um tema de monitoramento. Recomenda-se, no entanto, cautela, uma vez que os riscos relacionados ao cenário fiscal têm tornado mais alta a volatilidade dos títulos. Vale ressaltar a importância de ter cautela e se atentar ao seu perfil de investidor e alternativas de alocação ao tomar a decisão”, explica.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.

Últimas notícias