Desenrola

Terceira fase do Desenrola começa na próxima segunda-feira, 09/10

Governo vai disponibilizar plataforma online para renegociar dívidas bancárias e de consumo pela terceira fase do Desenrola

Homem fazendo anotações em um caderno
O Programa Desenrola, de renegociação de dívidas, deve beneficiar mais de 70 milhões de brasileiros. Foto: Adobe Stock

Por Redação B3 Bora Investir

A terceira fase do programa de renegociação de dívidas do governo federal, o Desenrola Brasil, começa a funcionar na próxima segunda-feira, 09/10.

Nesta data será lançada a plataforma online onde os brasileiros vão poder renegociar débitos bancários e de consumo – como contas de luz, água, varejo, educação – no valor de até R$ 5 mil. (ver mais abaixo)

Essa etapa é exclusiva para atender a população com renda mensal de até dois salários mínimos (R$ 2.640) ou inscritas no Cadastro Único do governo, o CadÚnico.

Para participar da renegociação, as dívidas precisam ter sido feitas entre 1º de janeiro de 2019 e 31 de dezembro de 2022. Os débitos com empréstimos consignados também serão atendidos nessa fase, que vai até 31/12.

Quais as condições para a renegociação na terceira fase do Desenrola??

As dívidas com valor de até R$ 5 mil poderão ser renegociadas à vista ou parceladas em até 60 vezes. A taxa de juros será de 1,99% ao mês, com parcela mínima de R$ 50.

Segundo o Ministério da Fazenda, esse valor terá prioridade da garantia do governo através do Fundo de Garantia de Operações (FGO), que soma R$ 8 bilhões.

Desenrola Brasil: 16 perguntas e respostas sobre o programa

A carência inicial para o pagamento será entre 30 e 59 dias. A quitação das parcelas pode ser feita via PIX, débito em conta ou boleto bancário.

Quem aderir ao programa terá acesso a um curso de educação financeira.

Quem tem dívidas acima de R$ 5 mil vai poder renegociar?

Sim. Os débitos entre R$ 5 mil e R$ 20 mil poderão ser pagos na plataforma à vista ou com o desconto oferecido pelo credor.

Quais dívidas não poderão ser renegociadas?

Não poderão ser negociadas:

  • dívidas de crédito rural;
  • financiamento imobiliário;
  • operações com funding ou risco de terceiro.

Como ter acesso a plataforma do Desenrola?

Para acessar à plataforma do Desenrola, o consumidor precisa ter cadastro no portal gov.br do governo, com níveis de certificação prata ou ouro e estar com os dados cadastrais atualizados. O acesso será pelo site: www.desenrola.gov.br

Depois, terá de escolher uma instituição financeira ou empresa inscrita no programa para fazer a renegociação. Em seguida bastará selecionar o número de parcelas e realizar o pagamento.

A conta no site do governo é um meio dos brasileiros terem acesso a serviços públicos através dos meios digitais – como CNH Digital, a Declaração de Imposto de Renda e serviços do SUS.

Para atingir a certificação mínima, que é o nível prata, o consumidor precisa:

  • Validar a biometria facial para conferência da foto na Carteira de Habilitação (CNH);
  • Validar os dados pessoais via internet banking ou fazer login por um banco credenciado;
  • Validar dados com usuário e senha do SIGEPE, caso o cidadão seja servidor público federal.

O secretário de reformas econômicas da Fazenda, Marcos Pinto, afirmou que a plataforma vai listar os bancos que oferecem os descontos na renegociação por ordem de juros, do mais baixo para o mais alto.

“A portaria do Ministério da Fazenda dá um prazo de 20 dias para que as pessoas façam a renegociação de suas dívidas, uma vez que o programa seja aberto. Caso o consumidor não renegocie nesse intervalo, a fila anda dando oportunidade para outras pessoas”, afirmou.

Primeira fase do Desenrola

A primeira fase do programa de renegociação de dívidas começou em junho e beneficiou mais de 1,73 milhão de clientes bancários, segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

Foram renegociados mais de 2,22 milhões de contratos, com um volume financeiro de R$ 15,8 bilhões. Nessa etapa, só foram aceitas dívidas bancárias de brasileiros com renda mensal até R$ 20 mil.

Os bancos e instituições financeiras também desnegativaram 10 milhões de dívidas de até R$ 100, segundo o Ministério da Fazenda.

Medidas para aumentar o crédito

Em uma outra frente para aumentar a oferta de crédito no país, a Câmara dos Deputados aprovou ontem, 03/10, o projeto que muda as regras para o uso de bens, como imóveis ou veículos, como garantia para empréstimos.

O chamado ‘Marco Legal das Garantias’, já havia sido aprovado pelos parlamentares em junho do 2022, mas retornou a Casa após mudanças feitas pelo Senado. A proposta segue para sanção presidencial.

Desenrola: como reconhecer e evitar o golpe no programa de renegociação de dívidas

Segundo o texto, um mesmo bem pode ser usado como garantia em mais de um pedido de empréstimo.

Hoje, um imóvel de R$ 400 mil, por exemplo, só pode ser usado como garantia para uma única operação de crédito até a quitação do valor. Isso mesmo que a dívida seja de valor menor, como de R$ 100 mil.

Agora, pelo projeto aprovado, os R$ 300 mil restantes também poderão servir como garantia em outros empréstimos.

Em relação a veículos, funciona da mesmo forma. No entanto, o texto prevê que a tomada do bem, em caso de inadimplência, poderá ser de forma extrajudicial.

Para saber ainda mais sobre investimentos e educação financeira, não deixe de visitar o Hub de Educação da B3.

Sobre nós

O Bora Investir é um site de educação financeira idealizado pela B3, a Bolsa do Brasil. Além de notícias sobre o mercado financeiro, também traz conteúdos para quem deseja aprender como funcionam as diversas modalidades de investimentos disponíveis no mercado atualmente.

Feitas por uma redação composta por especialistas em finanças, as matérias do Bora Investir te conduzem a um aprendizado sólido e confiável. O site também conta com artigos feitos por parceiros experientes de outras instituições financeiras, com conteúdos que ampliam os conhecimentos e contribuem para a formação financeira de todos os brasileiros.